Celso Roth minimiza atrito com Douglas Costa

Grêmio decide promover treinos fechados de agora em diante

Técnico argumenta que uso de palavrões faz parte de sua metodologia

Técnico argumenta que uso de palavrões faz parte de sua metodologia (Crédito: Ricardo Rímoli)

LANCEPRESS!

O técnico Celso Roth não gostou nem um pouco da repercussão que ganharam os xingamentos que ele dirigiu ao jogador Douglas Costa, culpando a imprensa pelo episódio. Mais do que isso, o treinador não reconheceu ter cometido exagero ao reeprender o jogador em treino. Por isso, para evitar novos atritos e mais mídia negativa, a direção do Grêmio optou por uma decisão drástica: irá manter os portões do Olímpico fechados mas em todos os treinos da equipe daqui por diante.

A promessa veio do vice-presidente de futebol, André Krieger. Embora o dirigente tenha reconhecido que “os termos usados por Roth não foram os apropriados”, Krieger saiu em defesa do treinador, argumentando que ele “às vezes age como pai”.

– Se fosse outro jogador, a imprensa não daria toda essa importância – ressentiu-se Roth nesta quinta-feira em entrevista coletiva em Caxias do Sul, onde o Grêmio enfrenta o Caxias à tarde, completando:

– Eu tenho formação para tratar com jovens, tenho minha metodologia. O problema é que o meu consultório é aberto, é um campo de futebol.

Nas últimas semanas, críticos do técnico na imprensa vinham reclamando o trabalho do treinador por manter Douglas Costa, grande revelação do Grêmio em 2008, no banco mesmo quando o time escalado é reserva.

Em meio as discussões em torno do fato, no treino aberto de quarta-feira passada, Roth se irritou com o jogador e o repreendeu rispidamente, com o uso de palavrão: “Velocidade é a única coisa que você tem. Você está fisicamente aqui, mas parece que a cabeça não está. Você acha que sabe tudo, mas não sabe m… nenhuma”.

Tricolor toma quatro e provoca Gre-Nal

Com reservas, Grêmio é batido em Caxias do Sul e enfrenta clássico

Celso Roth xingou Douglas Costa e acabou perdendo o jogo

Celso Roth xingou Douglas Costa e acabou perdendo o jogo (Crédito: Ricardo Rimoli)

LANCEPRESS!

O ar rarefeito da Serra gaúcha fez mal não apenas aos argentinos Herrera e Maxi López, mas a todo o time do Grêmio. Na tarde desta quinta-feira, no Centenário, em Caxias do Sul, o Caxias aplicou uma humilhante goleada de 4 a 0 no Tricolor – que atuou com os reservas, é verdade, mas a História não faz essas diferenças.

Foram quatro punhaladas no coração dos torcedores do Grêmio, duas em cada tempo. Com os resultados paralelos, a goleada teve a seguinte conseqüência: vai haver Gre-Nal no próximo domingo, no Beira-Rio. E terça-feira haverá jogo da Libertadores, contra o Aurora.

Desentrosado e com algumas atuações individuais decepcionantes, o time de Celso Roth foi uma mediocridade só.

O Caxias começou fechado e atuando no contra-ataque. Aos poucos, dominou o meio-campo. Marcou seu primeiro gol, aos 29, aproveitando trapalhada da zaga – Marcos Dener recolheu a sobra e chutou forte, de cima. E aproveitou o desequilíbrio geral do Tricolor para marcar o segundo dois minutos depois: Mika até se abaixou para cabecear, colhendo uma bola de escanteio.

O técnico Celso Roth mandou um Grêmio todo modificado para o segundo tempo. Mudou o esquema, do 3-5-2 para o 4-4-2, ao trocar o zagueiro Héverton pelo atacante Róberson; e, ao tirar Douglas Costa (alegadamente por lesão no joelho esquerdo), passou Makelelê para o meio-campo e fez entrar Tiaguinho na lateral-direita. O pecado de Roth: preferiu deixar em campo o zagueiro Fábio Ferreira, que não atuava há quatro meses.

Ficou uma confusão maior ainda, pois fragilizou uma defesa que já estava cheia de furos. Aos 3 minutos, o volante Júlio César errou em bola dentro da área, Júlio Madureira pegou a sobra e marcou o terceiro gol.

Aos 8, o velocíssimo Marcos Dener escapou do meio do campo, chegou na cara de Victor e mandou no canto esquerdo.

Depois, foi só administrar. O Caxias se fechou, suportou a leve pressão do Tricolor e esteve sempre mais perto de fazer o quinto gol do que tomar o primeiro.
FICHA TÉCNICA

CAXIAS 4 x 0 GRÊMIO

Estádio: Centenário (Caxias do Sul, RS)
Data-hora: 02/04/2009 – 15,45h (horário de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco
Auxiliares: Paulo Conceição e Cristiano Henning
Renda e público:
Cartão amarelo: Mika (C), Thiego, Júlio César, Maxi López (G)
Gols: Marcos Dener 29, Mika 31 do primeiro tempo; Julio Madureira 3, Marcos Dener 8

CAXIAS: Muriel; Daniel, Santin, Vágner Lima e Brida; Bruno, Mika, Roberto e Guilherme (Crivellaro 26/2T); Júlio Madureira (Anderson 44/2T) e Marcos Dener (Marcus Vinicius 41/2T). Técnico: Argel.

GRÊMIO: Victor; Fábio Ferreira, Thiego e Héverton (Róberson, intervalo); Makelelê, Júlio César, Maylson (Diogo 15/2T), Douglas Costa (Tiago, intervalo) e Jadílson; Herrera e Maxi López. Técnico: Celso Roth.

Elenco gremista volta a acreditar no título

Delegação embarcou para Minas Gerais confiante no tropeço do São Paulo

O volante William Magrão será titular no jogo contra o Ipatinga.O volante William Magrão será titular no jogo contra o Ipatinga. (Crédito: Divulgação)

Demorou alguns dias, mas o Grêmio se recuperou da pancada que levou do Vitória na rodada passada. No embarque para Minas Gerais, nesta sexta-feira, o time exibiu muita confiança. O volante Willian Magrão é um dos que afirmam ainda sonhar com a conquista do título do Brasileirão.

O meio-campista, confirmado para enfrentar o Ipatinga, às 17h, deste domingo, no interior mineiro, disse que a equipe precisa fazer sua parte e esperar que o São Paulo não vença o Fluminense no Morumbi.

– Do jeito como as coisas estão acontecendo nessa reta final, é arriscado fazer qualquer previsão. Em cada jogo pode acontecer muita coisa. Tomara que o São Paulo tropece. Assim, se fizermos nosso dever de vencer, seguiremos na briga – disse ele.

O técnico Celso Roth promove neste sábado, em Vespasiano, o último treinamento antes do duelo com a equipe mineira. O time que entra em campo deve ser composto por Victor, Léo, Jean (Pereira) e Réver; Felipe Mattioni, Rafael Carioca, William Magrão, Tcheco e Souza; Perea e Marcel.

Roth preocupado com o ânimo do Grêmio

Ansiedade domina treino e tricolores erram quase todas as finalizações

Técnico Celso Roth lembra ao grupo que derrota para o Ipatinga pode custar a LibertadoresTécnico Celso Roth lembra ao grupo que derrota para o Ipatinga pode custar a Libertadores (Crédito: Ricardo Cassiano)

A derrota para o Vitória no domingo passado, arrasou os jogadores do Grêmio, que esperavam a definição do título do Brasileiro apenas na última rodada. Por isso, o esforço do técnico Celso Roth nos últimos dias, tem sido o de tentar levantar o ânimo dos jogadores.

Exemplo da frustração do elenco é o meia Tcheco, um dos líderes do Tricolor Gaúcho, que se mostrou o mais deprimido de todos.

– Não sei com que ânimo eu vou enfrentar o Ipatinga pois acho que perdi a última oportunidade de ser campeão brasileiro – confessou o capitão gremista nesta terça-feira.

Roth reagiu imediatamente e, nos dias seguintes, antes de cada treino, reuniu o grupo e avisou:

– Perder para o Ipatinga pode acabar nos tirando do G-4. Não pegar a Libertadores depois de ser candidato ao título será um vexame total, uma coisa para manchar a carreira de todos nós.

A partir daí, o estado de espírito mudou da depressão para a ansiedade, o que se refletiu nos treinos. Para desespero do técnico, na parte da atividade que o foco foram as finalizações, os atacantes acertaram apenas dois dos 23 chutes dados ao gol.

Assim, o treinador recorre ao time-base que usou no primeiro turno que fez o Grêmio disparar na liderança. Até Perea, que estava para ser dispensado por indisciplina, deve entrar, para formar dupla com Marcel. Já a volta do trio de defesa formada por Leo, Pereira e Réver pode acontecer somente na última rodada. Leo e Pereira se recuperaram das lesões mas somente o primeiro será titular. Roth optou por colocar Jean no lugar de Pereira.

Nesta quinta-feira, a ênfase foi as jogadas de bola aérea, a principal arma nos bons tempos. Neste aspecto, Pereira, com seu 1,90m, pode fazer falta. Ainda assim, o jogador prefere o discurso otimista e não se zanga por ajudar o time no banco de reservas.

– Aqui ninguém vai abaixar a cabeça. É difícil, mas o Grêmio tem a tradição de reverter a situação ruim na última hora. Podemos até ser campeões, por que não? – disse Pereira, um dos remanescentes da Batalha dos Aflitos junto com o goleiro reserva Marcelo Grohe.

Tcheco afirma que ficará no Grêmio no ano que vem

Apoiador negou rumores de que poderia encerrar a carreira no fim do ano

Theco garante que já acertou com o Grêmio, só falta assinarTheco garante que já acertou com o Grêmio, só falta assinar (Crédito: Ricardo Rimoli)

O apoiador Tcheco negou neste sábado que poderá encerrar a carreira caso o Grêmio não consiga vaga para a Libertadores. E Mais: adiantou que já acertou sua permanência no Tricolor gaúcho por mais um ano.

A informação sobre a possibilidade de ele pendurar as chuteiras foi passada por seu pai, José Antônio, em Curitiba. Segundo o pai do jogador, Tcheco havia comentado com familiares que a frustração de uma possível eliminação da Libertadores seria tão grande, que o melhor seria deixar o futebol.

– Não foi bem assim. Já decidi que jogarei por um ano mais, e aqui no Grêmio. Só falta assinar o contrato – disse Tcheco à Rádio Gaúcha, na manhã deste sábado, quando se dirigia para o treino.

O trabalho foi realizado no CT do Atlético-MG, em Vespasiano. A viagem para Ipatinga estava marcada para a tarde. No domingo, às 17h, o Grêmio enfrenta o Ipatinga e uma derrota, combinada com vitórias dos concorrentes, pode complicar a classificação no G-4.

Tcheco fala em aposentadoria

Emotivo, capitão gremista vincula sua decisão à vaga na Libertadores

Adilson Barros/GLOBOESPORTE.COM

Aos 32 anos, meia pode pendurar as chuteiras caso o Grêmio fique fora da Libertadores

Uma derrota neste domingo, em Ipatinga, poderá representar o fim da carreira de Tcheco. Aos 32 anos, o capitão gremista admite tratar da sua aposentadoria caso o Grêmio não consiga classificação à Taça Libertadores da América. Já comentou tal possibilidade com familiares.

A idéia, ainda incipiente, surgiu quando ele aceitou trocar o Grêmio pelo Al-Ittihad, da Arábia Saudita, após o Brasileiro de 2007. Dois dias depois de o campeonato acabar, Tcheco já estava em campo no Oriente Médio. Sem férias. Sem Natal. Sem Ano-Novo. Sem a família.

— Tcheco estava longe dos parentes e havia sofrido muito com as dores no púbis em 2007. Ficou chateado, mas passou — comenta José Antônio, pai do meia.

— Temo que ele pense em parar de novo. É emotivo, se magoa fácil e pode se decepcionar demais caso o Grêmio fique fora da Libertadores — acrescenta seu Zé.

Uma grande frustração poderia precipitar os planos do meia. A derrota para o Vitória, no Barradão, que permitiu ao São Paulo livrar cinco pontos de vantagem do Grêmio, e praticamente encaminhar o título, abalou o camisa 10. Projetava conquistar o Brasileirão e, assim, cumprir a meta estabelecida para a carreira: obter um grande título. Em 14 anos como profissional, Tcheco venceu apenas estaduais, além da Copa da Ásia e a Liga dos Campeões da Ásia. Campeonatos sem o peso de uma Libertadores ou mesmo de um Brasileiro.

Se tudo correr como Tcheco espera, e o Grêmio jogar a Libertadores a partir de fevereiro, ele permanecerá mais um ano em Porto Alegre. Depois disso, porém, ele deverá mesmo largar o futebol. Já terá cumprido 33 anos. Voltaria a morar em Curitiba, sua cidade natal, com a mulher, Patrícia, e o filho, Leonardo, de sete anos. Lá, a família mantém uma escolinha de futebol – a Tcheco Mania de Bola.

— Realmente já pensei em parar. Ao final desta temporada vou reavaliar o meu desempenho e em especial o meu rendimento físico. Mas a tendência é que jogue pelo menos mais um ano. Ainda me falta um grande título jogando no Brasil — afirma Tcheco.

O 07 de dezembro será uma data fundamental para o meia. É a última rodada do Brasileirão. Seu Zé promete vir ao Olímpico assistir a Grêmio e Atlético-MG e conversar com o filho. Torce para que neste dia possa recomendar a Tcheco que renove com o Grêmio para a disputa da Libertadores.

— Grêmio e Corinthians não estão deixando eu parar — diz Tcheco, agora em tom de brincadeira, citando os dois clubes interessados em sua contratação para a próxima temporada.

Técnico do Ipatinga nega incentivo para vencer o Grêmio neste domingo

Enderson Moreira diz que só um milagre mantém time na Primeira Divisão

Reprodução/Site Oficial do Ipatinga

Enderson Moreira nega ‘mala branca’

O técnico do Ipatinga, Enderson Moreira, garante não ter recebido nenhuma oferta de incentivo financeiro para a equipe mineira vencer o Grêmio no jogo marcado para as 17h (horário de Brasília) deste domingo pela 37ª rodada do Brasileirão. Em entrevista ao programa Show dos Esportes, da Rádio Gaúcha, Moreira criticou a prática da chamada “mala branca”.

– Não tive acesso a nada. Eu falo muito o seguinte: não se pode acreditar muito em um jogador ou uma comissão técnica que se sente motivada por uma “mala branca”. Somos pagos pelo clube para desempenhar o melhor, e não é se ganhar tanto a mais que temos de nos motivar mais, nos emprenhar mais – declara o treinador.

O Ipatinga é o lanterna do Brasileirão com 34 pontos, contra 40 do Náutico, primeiro time fora da zona do rebaixamento. Moreira sabe que as chances de o time mineiro permanecer na Série A são remotas, o que não o impede de querer vencer o Grêmio.

– Apenas um milagre pode reverter este quadro. Nossa expectativa é fechar bem o campeonato e conquistar as duas vitórias. Vamos nos empenhar bastante para conquistar esses resultados – diz o técnico, que fez elogios ao tricolor gaúcho.

– É uma equipe extremamente competitiva, que erra pouco e sabe usar a capacidade individual dos atletas em prol da equipe – finaliza.