Pratto e Borges complicam Grêmio na Libertadores

Chilenos confirmam bom retrospecto fora de casa e vencem por 2 a 1. Grêmio precisa vencer por 2 a 0 no Chile para avançar

Foi um jogo muito mais complicado do que a torcida previa. A Universidad Católica manteve sua escrita de bons jogos longe de casa e, dentro do Estádio Olímpico, surpreendeu o Grêmio com um placar de 2 a 1. Borges foi expulso ainda no primeiro tempo e deixou o Tricolor com um a menos. Lucas Pratto marcou os dois gols dos chilenos, enquanto Douglas descontou para o time gaúcho. O resultado deixa os tricolores com a responsabilidade de vencer por dois gols de diferença ou por um desde que marque três na próxima quarta-feira, em Santiago.

Com os instrumentos musicais e bandeiras de sua torcida liberados pela polícia após polêmica, a noite se iniciava de forma otimista para o Grêmio. Enquanto ainda havia torcedores chegando ao Estádio Olímpico, o Tricolor já tinha quatro escanteios a seu favor. Quase marcou em uma cabeçada de Borges e deu esperanças aos gremistas presentes.

Um dos melhores times a jogar fora de seus domínios na Libertadores, a Universidad Católica não seguiu o exemplo de Oriente Petrolero e León de Huánuco, adversários gremistas na fase de grupos, e jogou. Teve logo no início do jogo uma finalização de Pratto. Mas o que chamou atenção foi a dedicação na marcação, dificultando às ações de ataque gremista. Douglas encontrou espaço e acertou a trave de Garcés, mas os tricolores não conseguiam entrar na área da La Católica. Pratto também assustou de fora da área. Depois das finalizações, o jogo permaneceu morno para os dois lados, e a torcida azul arrefeceu seu ânimo na arquibacanda.

As emoções do primeiro tempo iniciaram a partir dos 25 minutos. Borges, em um dos lances em que foi protagonista, driblou três marcadores e chutou para fora. Três minutos depois, o balde de água fria. Em erro de Gilson no ataque, a Universidad retomou a bola. Cañete recebeu o lançamento, tirou Rafael Marques da jogada e o campo se abriu na sua frente. Ao seu lado, Pratto entrou livre pela esquerda. Neuton, sozinho, nada pode fazer. O centroavante dos chilenos tocou na saída do goleiro Marcelo Grohe e abriu o placar.

Só que se a coisa estava ruim, piorou. Borges deu uma cotovelada em Henríquez e o auxiliar viu. Foi dedurado e expulso por Néstor Pitana. Deixou o Grêmio com uma a menos e sem centroavante. Na pressão gremista até o fim do primeiro tempo, seriam dois levantamentos que cruzaram a área sem um pé de camisa 9 para empurrá-los para dentro do gol.

Após os 20 minutos no vestiário, Lins voltou no ataque junto de Leandro. A tentativa era de dar mais força ao setor ofensivo. E, ao menos em postura, adiantou. Outra vez com dois atacantes, o Grêmio se postou à frente, no campo da Universidad.

De inúmeras tentativas coletivas, nada saiu. Pois em uma jogada individual de Douglas, o empate veio. Sozinho, Douglas saiu da direita e passou por seus adversários em direção ao meio-campo. Da intermediária, armou e bateu forte na bola. O chute zuniu em direção ao ângulo de Garcés, onde entrou aos 14 minutos. Que golaço! Que empate!

A partir daí, o Tricolor se empolgou. Trocou bola no meio-campo e tentava achar alguma outra brecha na defesa da Católica. Leandro tinha muito vontade, corria muito, mas não conseguiu ser decisivo como em outras situações. E para piorar, os chilenos não se retrancaram. Muito pelo contrário: em estocada aos 29 minutos, Lucas Pratto recebeu cruzamento na área e cumprimentou Marcelo Grohe. O desânimo arrebateu o Estádio Olímpico.

Sem organização, o Grêmio pressionou – ou tentou – até o final da partida. Os chilenos saíam nos contra-ataques e mantinham a posse de bola até gastar o tempo necessário para o árbitro apitar o término do jogo. Nos últimos minutos, Marcelo Grohe ainda salvou o Grêmio de um futuro pior.

FICHA TÉCNICA
GRÊMIO 1 X 2 UNIVERSIDAD CATÓLICA

Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre
Data-Hora: 26/4/2011 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Néstor Pitana (ARG)
Auxiliares: Hernan Maidana (ARG) e Alejo Castan (ARG)
Renda e público: R$ 766.807,50 / 31.559 pagantes / 35.101 presentes
Cartões amarelos: Martínez, Costa, Silva, Eluchans e Valenzuela (UCA); Willian Magrão e Adilson (GRE)
Cartões vermelhos: Borges 34’/1ºT (GRE)
Gols: Pratto 28’/1ºT (0-1), Douglas 14’/2ºT (1-1) e Pratto 29’/2ºT (1-2)

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Gabriel, Rafael Marques, Neuton e Gilson (Escudero 45’/2ºT); Fábio Rochemback, Willian Magrão (Lins – Intervalo), Adilson e Douglas; Leandro (Carlos Alberto 32’/2ºT) e Borges – Técnico: Renato Gaúcho.

UNIVERSIDAD CATÓLICA: Garcés, Valenzuela, Henríquez, Martínez e Eluchans; Ormeño, Silva (Felipe Gutiérrez 18’/2ºT), Costa (Sepúlveda 38’/2ºT), Meneses e Cañete (Villanueva 30’/2ºT); Pratto – Técnico: Juan Antonio Pizzi.

Grêmio vence o Cruzeiro e passa para a final do turno

Em grande jogo, Tricolor fez 3 a 2 no adversário e está na final da Taça Farroupilha

Depois de reclamar e pestanejar sobre o gramado, o Grêmio teve boa atuação e em grande jogo venceu o Cruzeiro no Estádio Passo D’Areia. O resultado de 3 a 2 coloca o Tricolor na final da Taça Farroupilha. Agora, espera o vencedor do jogo entre Inter e Juventude para conhecer o adversário. Se ganhar o jogo final do segundo turno, o clube leva o campeonato gaúcho por antecipação, já que foi o campeão da Taça Piratini. Se Juventude passar, a decisão será no Alfredo Jaconi. Se o Inter se classificar no tempo normal, decisão no Beira-Rio. Pênaltis dá Estádio Olímpico.

O JOGO

Renato Gaúcho surpreendeu e escalou seu time com três volantes. Willian Magrão substituiu o lesionado Gilson, e Lúcio foi deslocado para a lateral esquerda. Mas quem achou que o Grêmio, assim, não atacaria, estava enganado. Logo aos 50 segundos de jogo, Magrão recebeu grande toque de Douglas e soltou a patada. Fábio espalmou para escanteio. Se em tão pouco tempo já havia a primeira finalização do jogo, estava claro que o ritmo da partida seria alto.

O tão falado gramado sintético em nada atrapalhou os jogadores em campo. Um ou outro escorregão, com o de Fábio em lançamento para Borges, mas nenhum problema mais grave quanto a grama. Tanto Grêmio quanto Cruzeiro conseguiam tocar a bola e se armar sem ter o piso molhado como empecilho.

O destaque do time mandante era Jô, leve e rápido atacante que incomodou a zaga gremista. Léo Maringá comandava o meio-campo. O Grêmio, após um momento de domínio inicial, cedeu campo ao Estrelado. Seus três volantes postavam-se muito atrás. Assim, o Cruzeiro levou perigo em jogada aos 15 de Jô, e depois aos 33. Neste último lance, Maringá acionou o atacante. O toque saiu para o lateral Márcio, que cruzou na área. Centroavante que é, Mauro dividiu com Victor. Mas ao socar a bola para longe, o goleiro gremista lesionou o ombro e saiu para a entrada de Marcelo Grohe aos 39. Dúvida para a Libertadores, na terça.

Quando o Grêmio era mais pressionado na partida, teve a felicidade de um lance rapidíssimo. Em uma jogada, em três toques, o gol gremista. Willian Magrão, mais a frente, deu o toque para Borges. Na primeira intervenção do centroavante no jogo, passe para Leandro, dentro da área. O atacante limpou o zagueiro com tranquilidade e fuzilou Fábio. Outro vez o rapaz de 17 anos decidiu para o Tricolor, aos 41 minutos. Antes do intervalo, ainda deu tempo para um petardo de Adilson no travessão.

Só que os 15 minutos de parada parecem ter feito melhor para o Cruzeiro. Em apenas dois minutos, o mandante atacou e descolou uma falta na meia esquerda de ataque. Na cobrança de Márcio, Claudinho sobe mais que a zaga gremista e empata a partida. É como se o segundo tempo iniciasse em igualdade.

Como no primeiro tempo, houve chute de Willian Magrão. Mas dessa vez Fábio não conseguiu espalmar. O gol havia feito o Cruzeiro crescer, mas o Grêmio manteve tranquilo. Em jogada entre Leandro, Gabriel e Willian Magrão pela direita, o volante ajeitou para a perna esquerda e mandou a bomba. O chute saiu fraco, mas desviou na zaga e matou Fábio aos seis minutos.

Em jogo que vale vaga na final, qualquer mudança acende o jogo. E o gol foi assim, colocou emoção no jogo. O Cruzeiro se abriu e procurou o ataque para arrancar um empate. O Grêmio aproveitava os espaços e tentava ampliar. Aos nove minutos, teve pênalti não marcado sobre Borges. Aos 11, tramou jogada pela direita e Douglas cabeceou para defesa de Fábio. Do outro lado, o Cruzeirinho também assustava. Em passe errado de Lúcio, Mauro tabelou com Jô e acertou a trave de Marcelo Grohe.

A emoção continuava. Em lance aos 15 minutos, o Cruzeiro pressionou. Na sequência, Douglas roubou a bola e Leandro perdeu dentro da área. O jogo estava lá e cá! E em mais uma bola levantada na área do Grêmio, o gol de empate cruzeirense. Márcio cruza na área e Léo Maringá completa de cabeça sem chances para Marcelo Grohe. 17 minutos, 2 a 2.

Sem grande atuação de seus atacantes, Renato Gaúcho apostou em Carlos Alberto para mudar a partida. Em seu primeiro lance, falta e xingamentos para o volante Alberto. Na jogada seguinte, carrinho para tentar tirar a bola do goleiro Fábio e drible levado. A vontade do meia arrefeceu o ânimo do Cruzeiro e colocou o Tricolor na frente. Mesmo que não tenha criado grandes jogadas, sua vontade – às vezes em demasia – parece que energizou os colegas.

Em poucos minutos, no entanto, o Cruzeiro desmoronou. Após lance de Lúcio, falta na meia esquerda para o Grêmio. Fábio Rochemback levanta e a bola aérea agora é favorável ao time gremista. Rafael Marques aparece atrás da zaga adversária e, de carrinho, marca o terceiro do Tricolor. Dois minutos depois, Alberto, o único jogador da partida com cartão amarelo, derruba Leandro e é expulso.

Os dois lances deram tranquilidade ao time gremista. Com um a mais e a vantagem no placar, os gremistas trocavam bola e dominavam a partida com certa facilidade. A expulsão de Alberto deu ao Grêmio a chance de administrar a vitória e tirou as forças restantes do Cruzeiro. Mesmo com o sangue novo que o técnico Leocir Dall’Astra colocou, o time mandante foi eliminado da competição outra vez na semifinal.

No final, ainda deu tempo de Carlos Alberto recompor a linha defensiva como lateral esquerdo, já que Lúcio sentia dores na virilha.

FICHA TÉCNICA:

CRUZEIRO 2 X 3 GREMIO

Data/hora: 23/04, às 18h30

Local: Estádio Passo D’Areia, em Porto Alegre

Árbitro: Vinícius da Costa, auxiliado por Júlio Cesar dos Santos e Alexandre Kleiniche.

Gols: Leandro, aos 41 minutos do primeiro tempo, Willian Magrão, aos 6 minutos do segundo tempo e Rafael Marques, aos 29 minutos do segundo tempo(G) e Claudinho, aos 2 minutos do segundo tempo e Léo Maringá aos 17 minutos do segundo tempo(C)

Cartões amarelos: Alberto, Márcio (C)

Cartões vermelhos: Alberto (C)

Cruzeiro: Fábio; Márcio, Claudinho, Sandro e Tinga; Alberto, Almir, Leo Maringá(Juninho Botelho 39′/2ºT) e Diego Torres(Faísca 33′/2ºT); Jô e Mauro(Rafael Cearense 30′/2ºT). Técnico: Leocir Dall’astra.

Grêmio: Victor(Marcelo Grohe 39′/1ºT); Gabriel, Rafael Marques, Rodolfo e Lúcio; Fábio Rochemback, Adilson, Willian Magrão e Douglas; Leandro(Lins 38′/2ºT) e Borges(Carlos Alberto 24′/2ºT). Técnico: Renato Gaúcho.

Na grama artificial ou no deserto, Renato Gaúcho se diz preparado

Técnico do Grêmio lamenta confirmação de partida no Estádio Passo D’Areia

Após a classificação do Grêmio à semifinal da Taça Farroupilha, o técnico Renato Gaúcho assumiu a linha de frente na briga para não jogar no gramado sintético do Estádio Passo D’Areia. Mas o Cruzeiro-Poa, adversário tricolor, fez questão de confirmar seu mando de campo para a casa do São José-Poa, no piso artificial.

A decisão, embora contrarie a ambição dos gremistas, é irreversível. Os titulares do Grêmio, às18h30m de sábado, terão de disputar na grama artificial uma vaga na decisão do segundo turno do estadual.

Para Renato Gaúcho não há problemas. Embora lamente a definição do local da partida, ele diz que o Grêmio está pronto para jogar, se preciso for, até no deserto.

– Está marcado lá, sem problemas. Meu grupo está preparado para enfrentar qualquer adversário em qualquer lugar. Não houve bom senso, mas vamos jogar lá, sem problema algum. Teremos um treino na sexta-feira. (…) A Federação Gaúcha de Futebol deveria ter informado ao Grêmio antes de combinar com o Cruzeiro e de dizer para a imprensa. Não houve bom senso. O Grêmio tentou de todas as formas jogar em outro lugar. Não era o Grêmio que seria beneficiado. O futebol seria beneficiado. Os jogadores do Cruzeiro também podem se machucar lá. Mas o Grêmio joga em qualquer lugar, se quiserem marcar a final no deserto, a gente vai.

O temor se justifica para o Grêmio. Na próxima terça-feira, devem iniciar para os tricolores as oitavas de final da Taça Libertadores. E, desde a vitória de 3 a 0 sobre o Porto Alegre – dia 20 de março, no Passo D’Areia – dois atletas recuperam-se de problemas físicos, segundo Renato, provocados pela grama artificial:

– Eu tenho dois jogadores – o Viçosa que jogou, o Romário que só treinou – que estão lesionados até hoje depois daquele jogo no gramado sintético. Não sou o dono da verdade. Fiquei triste com a lesão do jogador do Internacional (Sorondo). E foi por causa do gramado. Se acontecer uma lesão com o Grêmio, ou com algum jogador do Cruzeiro? Sou só um funcionário do Grêmio, mas eu joguei futebol, e tenho experiência. O Grêmio vai jogar, sem problema algum, mas o risco é grande.

Ao final da entrevista coletiva, Renato ironizou sobre a possibilidade de perder jogadores por lesão em partida de Libertadores.

– Mesmo que não tenha lesão, o jogador vai ficar com mais dor muscular para o próximo jogo. O Grêmio pode jogar na terça pela Libertadores. Mas, Libertadores parece que não é importante.

Grêmio lapida Borges mais forte com treino de Romário

Centroavante ganhou 5kg de massa muscular, e agora trabalha agilidade

Centroavante matador, Borges tem perdido gols que não costumava perder em seus tempos antigos. Dribla o goleiro, zagueiros, mas na hora de chutar no gol errava o alvo. Pois o mistério começa a tomar forma de solução no Estádio Olímpico com a revelação de que Borges ganhou cinco quilos de massa muscular desde que chegou ao Grêmio. Agora, treina para readquirir a mobilidade perdida com um trabalho realizado por Romário em 2005, no Vasco.

No clube gaúcho desde o início de 2010, o centroavante está mais forte. Com isso, perdeu sua agilidade. Já nesta terça, após diagnóstico conjunto entre o camisa 9 e o técnico Renato Gaúcho, o jogador iniciou treinamentos em separado para readquirir velocidade.

– Desde a minha chegada no Grêmio, ganhei cinco quilos de massa. Você fica mais forte, por isso que estava precisando dessa semana livre, para aproveitar para fazer trabalhos de agilidade. Assim que tivesse a semana, falei com o Renato e ele disse que me liberaria. Para que eu possa me desenvolver mais e ficar mais rápido dentro de campo – explicou Borges.

O comandante tricolor disseca o plano para Borges: se precisar liberá-lo inclusive de treinamentos táticos, vai o fazer.

– A gente tem feito finalizações até tirando o Borges de treinamento, fizemos isso semana passada com Borges e Escudero. Dou bastante conselhos de posicionamento. Conversamos na Bolívia e ele falou sobre o ganho de massa, e nós vimos que ele precisava de agilidade e mobilidade. Pedi para ele, e ele concordou, para fazer um treino específico para ele de piques curtos e de agilidade. Esse mesmo trabalho demos ao Romário e ele foi artilheiro do Brasileiro. Jogar ele sabe, e esperamos que ele volte a jogar tudo o que sabe – disse Renato.

Em 2005, comandado por Renato no Vasco da Gama, Romário acabou o Campeonato Brasileiro com 22 gols feitos. Foi o goleador isolado do Brasileirão, com 39 anos.´

Renato espera repetir o mesmo sucesso do trabalho do Baixinho. Nas últimas partidas, o centroavante gremista vem perdendo gols em sequência. Mas Borges nega que o rendimento tenha relação com o ganho de força física.

– Perder gol é natural, não podemos esquecer que não faço uma péssima temporada. Não comece a temporada com todos, alguns jogadores foram poupados de vários jogos. Temos dificuldade de repetir equipe. Em um contexto geral, a equipe não rende o que pode. Eu dependo de oportunidades, de toda a criação da equipe. Mudar o companheiro também atrapalha, são dois jogos, e a partir dessa semana as coisas vão voltar ao normal. Ninguém desaprende – defendeu-se Borges.

Com atenção já dada a Romário, Borges continua os treinamentos específicos durante a semana. Resta saber se o 9 gremista vai desandar a fazer gols no Gauchão e Libertadores.

Douglas e Carlos Alberto treinam e devem enfrentar o Ypiranga

Às 16h de domingo, o Grêmio decide vaga na semifinal da Taça Farroupilha

Renato Gaúcho ganha duas opções para o meio-campo do Grêmio, que às 16h de domingo enfrenta o Ypiranga em Erechim, pelas quartas de final da Taça Farroupilha – o segundo turno do Campeonato Gaúcho. Na tarde desta sexta-feira, no campo suplementar do Estádio Olímpico, Douglas e Carlos Alberto participaram da atividade com bola.

Ambos desfalcaram o Grêmio na derrota de 3 a 0 para o Oriente Petrolero, na noite de quinta-feira, em Santa Cruz de la Sierra. Douglas, gripado, foi preservado para se recuperar, enquanto Carlos Alberto permaneceu em Porto Alegre aprimorando a forma física após uma semana resolvendo problemas particulares no Rio de Janeiro.

Além de Douglas e Carlos Alberto, outras duas boas alternativas para Renato são o meia-atacante Leandro e o volante Willian Magrão, que não foram inscritos na fase classificatória da Taça Libertadores, por isso não atuaram na Bolívia.

O lateral-esquerdo Gilson, com dores musculares, treinou em separado. Ele concorre com Bruno Collaço pela titularidade em Erechim. Na Bolívia, Collaço deixou o jogo com uma torção no tornozelo direito mas, segundo a assessoria de imprensa do clube, não houve lesão.

Titulares ou jogadores que atuaram por mais de 45 minutos em Santa Cruz de la Sierra fizeram um trabalho de recuperação física. Os demais atletas dividiram-se em disputas de três equipes, em campo reduzido.

Grêmio perde na Bolívia e passa às oitavas no segundo lugar do Grupo 2

Em Santa Cruz de la Sierra, Tricolor leva 3 a 0 do então lanterna da chave


Mesmo contra o lanterna do Grupo 2, que preservou titulares importantes priorizando o Campeonato Boliviano, o Grêmio foi derrotado pelo Oriente Petrolero por 3 a 0, em partida que se encerrou no início da madrugada desta sexta-feira, no Estádio Ramon Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra. Com o resultado, o Tricolor gaúcho confirma a classificação às oitavas de final da Taça Libertadores na segunda colocação da chave, com 10 pontos (o Junior Barranquilla ficou em primeiro, com 13), e agora espera o final da fase classificatória para conhecer seu adversário. Todos os gols foram marcados no segundo tempo, por Fernández, Saucedo e Arce, ex-Corinthians.

Gabriel na articulação
Renato Gaúcho surpreendeu ao escalar o Grêmio. Em vez do meia Vinicius Pacheco em lugar do gripado Douglas, que sequer viajou à Bolívia, o lateral-direito Gabriel foi escolhido para centralizar a articulação tricolor no 4-4-2 com meio-campo em losango. Mário Fernandes entrou na lateral.

De início o Grêmio mostrou-se melhor que o Oriente Petrolero. Gabriel, tecnicamente qualificado, organizou bons ataques com movimentação e assistências. O melhor lance do momento de protagonismo tricolor saiu em cobrança de falta por Fábio Rochemback, espalmada pelo goleiro Etulaín.

Mas o piso duro e o gramado ralo dificultaram as trocas de passes do Grêmio. Aos poucos o lanterna Oriente inverteu a ordem da partida, e assumiu o controle. Com maior agressividade ofensiva.

O goleiro Victor foi requisitado em pelo menos três difíceis intervenções, nos chutes do ex-corintiano Arce, de Hoyos e de Saucedo. Para piorar, o Grêmio perdeu Bruno Collaço, lesionado. O volante Fernando entrou no meio-campo, passando Lúcio à lateral esquerda.

Violência mal-sucedida

Durante o primeiro tempo, torcedores de uma barra-brava (torcida organizada) local tentaram invadir a área ocupada pelo menor número de gremistas – egressos de Porto Alegre.

Um grupo de aproximadamente 30 tricolores chegou atrasado, e não conseguiu acessar a área onde confraternizavam mais de 500 brasileiros – em sua maioria universitários que moram em Santa Cruz de la Sierra, muitos deles torcedores de outras equipes.

Com fogos de artifício arremessados contra os gremistas, os torcedores do Oriente foram contidos apenas pela ação da polícia, que no intervalo retirou sob escolta o grupo isolado do local, e o levou até a área onde estavam os demais brasileiros, em segurança.

Supremacia premiada

No início do segundo tempo, o Oriente Petrolero apostou nas jogadas sobre o lado esquerdo tricolor, modificado em função da lesão de Collaço. E logo aos cinco minutos, teve êxito. Arce recebeu de Saucedo, foi à linha de fundo e cruzou na cabeça de Fernández, que acertou o ângulo: 1 a 0.

Sem titubear, Renato Gaúcho recorreu ao banco de reservas. Entraram o meia Vinicius Pacheco e o atacante Diego Clementino, para as saídas de Adilson e Mário Fernandes. Gabriel passou à lateral direita, e se configurou um 4-4-2 em duas linhas.

A tentativa de reação apareceu apenas aos 24, quando Borges recebeu cruzamento livre na área, passou pelo goleiro, e perdeu o ângulo de conclusão e chutou no poste direito. Um minuto depois, Gabriel invadiu a área e cruzou forte demais.

Melhor em campo, entretanto, o Oriente Petrolero tratou de assegurar a vitória. Em uma aula de contra-ataque, afastando escanteio cobrado pelo Grêmio, Saucedo recebeu livre e encobriu Victor, aos 29. Cinco minutos depois, Arce disparou uma bomba, e novamente marcou: 3 a 0, placar final.

Olé e vermelho
Animados, os torcedores do Oriente Petrolero passaram a entoar ‘olé’ em cada troca de passes ou drible. Sem conseguir contra-atacar, o Grêmio ainda perdeu um jogador. Aos 40 o zagueiro Rodolfo cometeu falta forte, interrompendo as provocações da torcida, mas foi expulso de forma direta pelo árbitro.

Próximo jogo
Encerrada a fase de grupos da Taça Libertadores, o Grêmio volta-se agora ao Campeonato Gaúcho. Às 16h de domingo, no Estádio Colosso da Lagoa – em Erechim – a equipe tricolor disputa com o Ypiranga uma vaga na semifinal da Taça Farroupilha, o segundo turno do estadual.

ORIENTE PETROLERO 3 X 0 GRÊMIO
Etulaín; Miguel Hoyos, Caamaño, Schiapparelli e Luis Gutiérrez; Fernando Saucedo, Diego Terrazas, Aguirre e Wálter Veizaga (Penã); Nicolás Fernández (Campos) e Juan Carlos Arce (Meleán). Victor; Mário Fernandes (Vinicius Pacheco), Rafael Marques, Rodolfo e Bruno Collaço (Fernando); Fábio Rochemback, Adilson (Diego Clementino), Lúcio e Gabriel; Borges e Escudero.
Técnico: Ariel Cuffaro. Técnico: Renato Gaúcho.
Data: 14 de abril de 2011. Local: Estádio Ramon Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra (Bolívia). Árbitro: Omar Ponce, auxiliado por Juan Cedeño e Christian Lescano (trio equatoriano).
Gols: Fernández (Oriente Petrolero), aos 5m; Saucedo (Oriente Petrolero), aos 30m; e Arce (Oriente Petrolero), aos 34m, todos no segundo tempo.
Cartão amarelo: Fábio Rochemback (Grêmio). Cartão vermelho: Rodolfo (Grêmio).

Rodolfo conversa com médico, mas participa de rachão na Bolívia

Zagueiro do Grêmio sente dores musculares e ainda é dúvida para quinta


O treino de reconhecimento do gramado do Estádio Ramon Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra, começou com um motivo de preocupação para os gremistas, na tarde desta quarta-feira. O zagueiro Rodolfo deixou o campo boliviano logo no início dos exercícios de aquecimento, mancando.

Discretamente, o auxiliar Alexandre Mendes chamou o médico Felipe do Canto. Ambos conversaram com Rodolfo, que reclamou das dores na panturrilha direita que já haviam o impedido de treinar na terça-feira, ainda em Porto Alegre.

Depois da breve assembleia, entretanto, Rodolfo retornou à atividade normal. Participou do restante do treino físico, e disputou normalmente o rachão.

Provavelmente o zagueiro vai defender o Grêmio na partida das 22h45m (horário de Brasília) de quinta, contra o Oriente Petrolero – pela rodada final do Grupo 2 da Taça Libertadores. Como apenas 18 jogadores viajaram à Bolívia, se Rodolfo for vetado o Grêmio terá em súmula um jogador a menos no banco de reservas.

Renato Gaúcho faz mistério. Sem Douglas, gripado, Vinicius Pacheco é o substituto natural, mas o treinador do Grêmio não deu pistas do time titular. O Grêmio deve ter Victor; Gabriel, Rafael Marques, Rodolfo e Bruno Collaço; Fábio Rochemback, Adilson, Lúcio e Vinicius Pacheco; Escudero e Borges.