Melhor do returno, Grêmio faz 4 a 2 no São Paulo e rouba a 9ª colocação

No Estádio Olímpico, Grêmio vence por 4 a 2 e ultrapassa o São Paulo

Em alta velocidade, o Grêmio confirmou nesta noite de quarta-feira a melhor campanha do segundo turno do Brasileirão 2010 – são 16 pontos em sete jogos. Apesar da vultuosa lista de desfalques, a equipe treinada por Renato Gaúcho bateu o São Paulo por 4 a 2, em jogo emocionante disputado no Estádio Olímpico, pela 26ª rodada.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Com o resultado, os tricolores invertem as posições. O Grêmio ultrapassa o próprio adversário, e assume a 9ª colocação, com 36 pontos; o São Paulo cai para 10º, com 34.

André Lima – duas vezes – Jonas (de pênalti) e Diego marcaram os gols do Grêmio. Rogério Ceni, também em cobrança de pênalti, e Marlos fizeram para o São Paulo.

Improvisações
Renato Gaúcho e Sérgio Baresi surpreenderam nas escalações. O técnico gremista não deu lugar ao meia Roberson, chamando ao jogo o zagueiro Paulão; o treinador são-paulino mais uma vez manteve Dagoberto entre os suplentes.

Nas duas equipes também foi preciso improvisar. O lateral-esquerdo Lúcio iniciou como articulador no Grêmio, e o zagueiro Vilson foi volante. Já Rodrigo Souto deixou o meio-campo rumo à ala-direita do São Paulo, substituindo Jean – ausente devido a uma amigdalite, ele sequer ficou no banco.

Desacerto inicial
Tamanho número de peças deslocadas de suas funções originais comprometeu o desempenho do 4-4-2 gremista no início. Vilson corria de lado a outro sem saber quem exatamente ele deveria marcar. Lúcio abria pela esquerda mesmo não sendo mais um lateral.

Mas o desacerto durou 15 minutos. A despretensão do São Paulo, no ortodoxo 3-5-2 sem apego à posse de bola, encorajou os anfitriões. E assim Rogério Ceni abriu os trabalhos, espalmando em sequência dois violentos chutes de Lúcio.

Dez minutos para André Lima

Sem Rochemback, lesionado, Douglas recebeu de Renato a capitania do tricolor gaúcho. E aquela faixa amarela atada a seu braço esquerdo fez dele um interessado e participativo organizador, percorrendo o campo todo, driblando, arriscando lançamentos precisos.

Este predomínio foi recompensado aos 29 minutos, com dois ex-jogadores do São Paulo. Lúcio cobrou escanteio do lado direito e André Lima, que nos questionários do Censo responde ‘centroavante’ no item ‘profissão’, atirou-se para marcar de carrinho: Grêmio 1 a 0. Ele, que entre 2008 e 2009 disputou 28 jogos pelo São Paulo, sendo em boa parte da temporada um mero reserva no Morumbi, fez mais um. Desta vez de cabeça, dez minutos depois, André Lima escorou cruzamento de Edilson, para ampliar.

Mas não houve tempo para muita comemoração. Logo em seguida Marlos deixou o próprio corpo cair na área gremista, cavando pênalti cuja marcação do árbitro mineiro Ricardo Marques Ribeiro enfureceu os torcedores.

Os gremistas xingaram o juiz, incentivaram Victor, mas não adiantou. Com imensa categoria, Rogério Ceni venceu o colega de profissão e arrefeceu as manifestações das arquibancadas, aos 42m, marcando o gol derradeiro do primeiro tempo.

Empate e desempate
Com Cléber Santana em lugar de Carleto, o São Paulo não alterou a estrutura tática no segundo tempo. Richarlyson passou para a ala-esquerda, e o trio de zagueiros persistiu.

Não houve, entretanto, claro esboço de reação. O Grêmio, ap esar da vitória parcial, seguiu pressionando. As melhores combinações partiram dos canhotos Lúcio e Douglas, sobre o improvisado Rodrigo Souto.

Mas uma conhecida história dos gremistas nos jogos recentes em Porto Alegre se repetiu. Ansioso pela marcação de um terceiro gol, o Grêmio abriu-se ao contra-ataque. Foi desta forma que, aos 6m, Marlos recebeu de Cléber Santana e disparou o gol de empate do São Paulo, no canto direito.

O mesmo Cléber Santana da assistência a Marlos atrapalhou-se na área são-paulina. Deixou a bola bater em sua mão, e mais um pênalti foi marcado na partida, desta vez para o Grêmio.

Aos 23m Jonas cobrou forte, e recolocou o Grêmio em vantagem. Foi o 14º gol do artilheiro do Brasileirão 2010. No total, Jonas soma 66 gols pelo tricolor gaúcho, igualando-se ao ponta-esquerda Éder como o 10º maior goleador da história do clube.

Raridade no Olímpico
Sofrer o terceiro gol logo após tanto esforço pelo empate desnorteou o São Paulo. O baque foi tão grande que os torcedores presentes assistiram a uma cena rara: Rogério Ceni falhou, aos 28m. O canhoto Lúcio cortou para a direita, bateu fraco, e o goleiro são-paulino ofereceu o rebote deixando a bola escapar por entre as luvas.

Quem aproveitou foi o estreante Diego. O atacante recém substituíra André Lima. Egresso do América-MG, ele precisou de poucos minutos em campo para fazer do erro de Ceni o gol definitivo da vitória gremista por 4 a 2. Nas arquibancadas, irrompeu o coro ‘frangueiro, frangueiro’.

Diego ainda teve tempo para provocar a expulsão de Alex Silva, por falta violenta. Depois de três vitórias consecutivas longe do Olímpico, e de frustrantes resultados em casa, o Grêmio voltou a fazer a festa, comemorando com a torcida a melhor campanha do returno aos gritos de ‘Olé, Olé’ em troca de passes qualificada, que teve até toque de calcanhar.

Próximos Jogos
Pela 27ª rodada do Brasileirão 2010, os dois tricolores voltam a jogar no sábado. Às 16h o Grêmio visita o Vitória, em Salvador; e às 21h o São Paulo emenda mais uma partida fora de casa, contra o Avaí, em Florianópolis.

GRÊMIO 4 X 2 SÃO PAULO
Victor; Edilson, Paulão, Rafael Marques e Gilson; Vilson, Adilson (Willian Magrão), Lúcio e Douglas (Maylson); Jonas e André Lima (Diego). Rogério Ceni; Xandão (Bruno), Alex Silva e Miranda; Rodrigo Souto, Casemiro, Richarlyson, Marlos e Carleto (Cléber Santana); Lucas e Ricardo Oliveira.
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Sérgio Baresi.
Estádio: Olímpico, em Porto Alegre. Data: 29/09/2010 Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa/MG). Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Jair Albano Felix (MG).
Gols: André Lima (Grêmio), aos 29m e aos 39m; Rogério Ceni (São Paulo), aos 42m, todos no 1º tempo Marlos (São Paulo), aos 6m; Jonas (Grêmio), aos 23m, e Diego (Grêmio), aos 28m, no 2º tempo.
Cartões Amarelos: Paulão, André Lima, Douglas, Vilson e Rafael Marques (Grêmio); Alex Silva, Xandão, Cléber Santana e Casemiro (São Paulo). Cartão vermelho: Alex Silva (São Paulo).
Público total: 25.322 torcedores. Renda: R$ 317.277,50

Em jogo de seis gols, Grêmio bate Sampa

André Lima, ex-Tricolor, marca duas vezes e crava segunda derrota seguida do time do Morumbi: 4 a 2

LANCEPRESS!

No jogo dos Tricolores, melhor para o Gaúcho que, em jogos de seis gols, fez 4 a 2 no São Paulo, no Olímpico, com destaque para André Lima, que marcou por duas vezes. Jonas fez seu 14º gol no Brasileirão e se isolou ainda mais na artilharia do torneio.

O São Paulo, assim como já havia acontecido na partida diante do Goiás, quando fora derrotado por 3 a 0, dentro do Morumbi, começou a partida completamente perdido dentro de campo. Os jogadores do meio de campo não criavam e a defesa batia cabeça, após ter, mais uma vez, seu esquema modificado.

O Grêmio explorou, essencialmente, a falta de costume de Rodrigo Souto, que nunca havia atuado pela ala-direita e abriu muitos espaços para o avanço de Lúcio, além de Jonas, que também caía pelo setor do volante de origem.

Por lá, o Tricolor gaúcho conseguia pressionar e, aos 29 minutos, o São Paulo não pôde mais segurar a pressão. Após cruzamento de Lúcio, Jonas tocou para o meio e a zaga são-paulina apenas assistiu a André Lima, que só teve o trabalho de empurrar a bola para o gol.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O panorama da partida seguiu o mesmo após o gol e o mesmo André Lima ampliaria, depois de falta cobrada em que a zaga novamente parou e viu o atacante deslocar Rogério Ceni, que nada pôde fazer.

O Tricolor paulista conseguiu diminuir no única chegada que conseguiu durante todos os 45 minutos: Marlos arrancou pelo meio da zaga gremista e foi derrubado por Paulão, que reclamou de forma acintosa e levou cartão amarelo. Na cobrança, Rogério Ceni foi preciso, descontou, e marcou seu 91º gol na carreira.

Na segunda etapa, Marlos novamente foi decisivo. Aos seis minutos conseguiu bom corte para o meio e chutou colocado, sem muita força, para empatar o jogo para o São Paulo que, até o momento, só havia criado aquelas duas oportunidades para marcar.

O gol, entretanto, teve o efeito que a torcida são-paulina não gostaria no time, que parecia contente com o empate e recuou, novamente chamando o Grêmio para o seu campo, o que poderia ser, e foi, fatal.

O preço pago pelo Sampa por conta desse recúo foi alto. Primeiramente, Cleber Santana colocou a mão na bola dentro da área e o juiz mineiro Ricardo Marques Ribeiro marcou pênalti outra vez. Rogério provou de seu próprio veneno, com Jonas batendo muito bem a penalidade, sem chance de defesa: 3 a 2.

Mais tarde, Ceni falhou em chute de Lúcio, e Diego, que havia entrado há três minutos, deu números finais à partida e decretou a segunda derrota seguida do São Paulo. Retrato do desequilíbrio são-paulino em campo, Alex Silva fora expulso por conta da reclamação excessiva, que já havia gerado seu cartão amarelo.

O Grêmio, melhor equipe do returno no Campeonato Brasileiro, sobe para 36 pontos e ultrapassa o próprio São Paulo na classificação, em nono lugar. O Tricolor, com 34, cai para décimo lugar e terá o Avaí pela frente, no próximo sábado, na Ressacada. Os gaúchos enfrentam o Vitória, no Barradão.


FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO 4 X 2 SÃO PAULO

Estádio: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 29/9/2010 – 22h (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Auxiliares: Helbert Costa Andrade (MG) e Jair Albano Felix (MG)
Renda/público: Não disponíveis.
Cartões amarelos: Paulão, André Lima, Rafael Marques eDouglas (GRE); Xandão, Casemiro e Cléber Santana (SAO)
Cartões vermelhos: Alex Silva, 33’/2ºT (SAO)
GOLS: André Lima, 29’/1ºT (1-0); André Lima, 39’/1ºT (2-0); Rogério Ceni, 42’/1ºT (2-1); Marlos, 6’/2ºT (2-2); Jonas, 23’/2ºT (3-2); Diego, 28’/2ºT (4-2);

Grêmio: Victor, Edilson, Rafael Marques, Paulão e Lucio; Gilson, Adilson (William Magrão, 21’/2ºT), Vilson e Douglas (Maylson, 37’/2ºT); Jonas e André Lima (Diego, 25’/2ºT). Técnico: Renato Gaúcho.

São Paulo: Rogério Ceni, Xandão (Bruno Uvini, 36’/2ºT), Alex Silva e Miranda; Rodrigo Souto, Richarlyson, Casemiro, Marlos e Carleto (Cléber Santana, Intervalo); Lucas e Ricardo Oliveira. Técnico: Sérgio Baresi.

Grêmio e São Paulo fazem ‘duelo de Libertadores’

Com tradição na competição continental, equipes lutam para se aproximar do G-3

LANCEPRESS!

Assim como o São Paulo, o Grêmio se considera especialista em Libertadores: disputou doze e venceu duas. E, assim como o adversário desta quarta no Olímpico, entrará em campo, às 22h, fazendo cálculos sobre as possibilidades de terminar o Brasileirão dentro do G-3. As chances são pequenas, segundo o matemático Tristão Garcia: 2% para ambos.

Mas, apesar de precisar de 33 pontos nos 39 a disputar, o Tricolor gaúcho não abre mão do sonho. Está animado pela campanha do técnico Renato Gaúcho, que, em 45 dias como sucessor de Silas, alçou o time da zona de rebaixamento para o 10º lugar.

O desafio imediato é acabar com uma curiosa inversão: vencedor dos três últimos jogos como visitante (sobre Corinthians, Avaí e Atlético-MG), o Tricolor gaúcho intercalou os sucessos com dois fracassos no antes inexpugnável Olímpico (derrota para o Palmeiras e empate com o Flamengo).

O Grêmio terá três desfalques: o volante Fábio Rochemback, lesionado, e os laterais Gabriel e Fábio Santos suspensos pelo terceiro cartão amarelo. Há uma perda técnica com a entrada de Edilson na direita e Gilson na esquerda. Gabriel e Fábio Santos vinham fazendo bom trabalho, sobretudo no apoio, embora o segundo não seja muito querido pela torcida.

Outra ausência importante é a de Souza, que torceu o tornozelo direito contra o Flamengo, há uma semana, e já não enfrentou o Galo, domingo. Mas, além de Roberson ter substituído o titular com vantagem, o setor do meio-campo conta com Douglas em grande fase.

Na frente, o desfalque permanente é Borges, que operou a canela direita e só voltará em 2011. André Lima, agora titular, tem atuado bem. Mas o grande destaque é o seu parceiro, Jonas, artilheiro do campeonato com 13 gols.

No São Paulo, Sérgio Baresi fez mistério e disse ainda ter dúvidas sobre quem escalar para o confronto entre tricolores. Questionado sobre a permanência de Carleto na lateral esquerda, com Richarlyson, que volta de suspensão, no meio de campo o treinador respondeu:

– Testei esta formação e uma outra também, mas não tenho definido ainda. Vou pensar um pouco hoje (terça-feira) para amanhã (quarta-feira) decidir a melhor.

Mesmo após a surpreendente derrota para o Goiás, em casa, por 3 a 0, na última rodada, Baresi não pretende fazer mudanças drásticas e promete apenas algumas correções.

– Não vou mudar a forma de jogar. Este último jogo foi atípico. Vamos jogar com dois ou três atacantes, mesmo atuando fora de casa. Talvez vamos corrigir o posicionamento com uma linha com Lucas e Marlos – finalizou o comandante.

Quem está confirmado é o atacante Ricardo Oliveira, que fará dupla de ataque com Dagoberto ou Marlos.

– Testamos uma formação também com o Cleber Santana, mas mais no fim do treino. Foi outra que me agradou e até amanhã (quarta-feira) devemos definir o homem, que pode ser o Cleber Santana, Dagoberto, Marlos, então depende do que vou decidir – completou Baresi.

A opção pelo camisa 8, apesar de testada, é mais remota, já que, com ele, Carleto voltaria para o banco de reservas. A tendência é que Marlos ou Dagoberto ganhem a vaga.

FICHA TÉCNICA:

GRÊMIO X SÃO PAULO

Estádio: Olímpico, Porto Alegre (RS)

Data/hora: 29/9/2010 – 22h (de Brasília)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)

Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Jair Albano Felix (MG)

GRÊMIO: Victor; Edilson, Vilson, Rafael Marques e Lúcio; Fábio Rochemback, Adilson, Roberson e Douglas; Jonas e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rodrigo Souto, Alex Silva e Miranda; Jean, Casemiro, Richarlyson, Lucas e Carleto; Dagoberto (Marlos) e Ricardo Oliveira. Técnico:Sérgio Baresi.

Renato Gaúcho convoca reforços para concentração

Júnior Viçosa e Diego podem ficar no banco de reservas

Renato Gaúcho convocou 21 jogadores para a concentração gremista, na véspera do confronto com o São Paulo, pela 26ª rodada do Brasileirão 2010. As novidades são os atacantes Júnior Viçosa e Diego, apresentados na última segunda-feira.

Ambos tiveram seus nomes publicados no BID da CBF durante a tarde desta terça. Participaram do treino, e foram chamados pelo treinador. Concorrem, portanto, a um lugar no banco de reservas às 22h de quarta, no Estádio Olímpico.

– Estou muito feliz por esse começo e à disposição do treinador para jogar. Estava atuando com regularidade e treinando normalmente. Por isso, acredito que não me faltará ritmo e estou pronto para jogar. O entrosamento pode demorar alguns dias, até chegar ao ideal, mas em pouco tempo isso será resolvido – comemora Diego.

O Grêmio deve ter Victor; Edilson, Vilson, Rafael Marques e Gilson; Adilson, Lúcio, Roberson e Douglas; Jonas e André Lima.

Confira a lista de convocados por Renato Gaúcho:

Goleiros: Victor e Marcelo Grohe.
Zagueiros: Vilson, Rafael Marques, Paulão, Ozéia, Saimon e Neuton.
Laterais: Edilson, Lúcio e Gilson.
Volantes: Adilson e Willian Magrão.
Meias: Roberson, Douglas e Maylson.
Atacantes: Jonas, André Lima, Diego, Júnior Viçosa e Bergson.

Jonas iguala Jardel e se inspira em Mariano, do Flu, seu ex-companheiro

Artilheiro do Brasileirão não desiste de chegar à Seleção Brasileira

Integrar uma convocação de Mano Menezes é ideia recorrente nas entrevistas de Jonas, artilheiro do Brasileirão 2010 com 13 gols (assista ao último deles, diante do Atlético-MG, no vídeo ao lado). O atacante do Grêmio inspira-se no lateral-direito Mariano, do Fluminense, chamado pelo treinador da Seleção Brasileira na última quinta-feira.

Jonas atuou com Mariano no Guarani. E, para ele, a tendência de convocar surpresas pode beneficiá-lo nas próximas listas.

– Eu estou bastante tranquilo, tem que respeitar o Mano Menezes. As listas dele têm apresentado novidades. Na última ele chamou o Mariano, que jogou comigo no Guarani. Tem que seguir marcando gols e ficar tranquilo – justifica.

Curiosamente, no início da temporada Jonas quase deixou o Grêmio. Mas o jogador permaneceu, saiu do banco de reservas, e já soma 32 gols na temporada.

– Falaram que iam me colocar em uma troca com o Vitor do Goiás. Na época eu não gostei, tinha feito gols no outro ano. Aí conversamos, frente a frente, eles disseram que tinha sido engano, que eles queriam contar comigo. Lembro ainda que depois disso, no primeiro jogo, eu saí do banco contra o Pelotas e dei minha contribuição – lembra.

Com o gol marcado na vitória de 2 a 1 sobre o Atlético-MG, neste domingo, Jonas igualou-se ao centroavante Jardel. Ele agora é o 12º maior artilheiro da história do Grêmio, com 65 gols marcados, ao lado do célebre camisa 9 da “Era Felipão”.

Grêmio carimba estreia de Dorival pelo Atlético

Grêmio vence por 2 a 1. Mineiros seguem na degola

LANCEPRESS!

Na partida que marcou a estreia de Dorival Júnior no comando do Atlético, o Galo recebeu a visita do Grêmio, na Arena do Jacaré. A vitória gremista por 2 a 1 aumenta o desespero dos mineiros, que continuam na zona do rebaixamento.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A empolgação da torcida do Atlético era grande. No entanto, com menos de dois minutos, veio um balde de água fria. Jonas passou para André Lima, que venceu a marcação do selecionável Réver e finalizou. O goleiro Renan Ribeiro, que substituiu Fábio Costa, fez defesa parcial e, na sobra, Jonas empurrou para a rede e saiu para comemorar seu décimo terceiro gol no Brasileirão.

Em desvantagem, o Atlético não teve outra alternativa a não ser partir para cima do time gaúcho. Aos três minutos, Obina tentou finalização e Victor fez a defesa. Afobado em campo, o Atlético tinha dificuldades para superar a marcação eficaz do Grêmio.

Além de não conseguir criar, o Atlético apenas assistiu ao segundo gol do Grêmio. Gabriel não tomou conhecimento da marcação de Leandro, tabelou com Douglas, recebeu e aumentou o desespero da torcida do Galo. Grêmio 2 a 0. Mesmo após ampliar, o Grêmio continuou atacando. André Lima e Douglas, por exemplo, desperdiçaram boas chances de liquidar a fatura.

A partir daí, o Atlético começou a trabalhar a bola com mais tranquilidade. Aos 29 minutos, Daniel Carvalho passou como quis pela marcação gremista e finalizou. Victor fez a defesa parcial e, na sobra, Tardelli marcou. O Grêmio recuou. O Atlético tratou de aproveitar e passou a ter mais posse de bola, embora ainda oferecesse alguns contra-ataques aos tricolores. Contudo, o placar da primeira etapa não se alterou e o Grêmio foi para o intervalo vencendo.

Impulsionado por sua apaixonada torcida, o Galo teve em seus pés a maior parte das ações ofensivas da etapa final. Por três ocasiões, Victor manteve preso o grito de gol dos alvinegros. Com o passar do tempo, o desespero foi tomando conta dos mineiros, que tinham o cronômetro como um rival a mais.

O time lutou, criou, mas teve no goleiro Victor uma barreira intransponível. Fim de jogo e início de mais uma semana de sufoco para os atleticanos.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, quarta-feira, o Galo, fora de casa, enfrenta o Ceará. O Grêmio, por sua vez, recebe o São Paulo.


FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO-MG 1 X 2 GRÊMIO

Local: Estádio Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Data/Hora: 26/9/2010 às 21h (horário de Brasília)
Árbitro: Arilson Bispo da Anunciação (BA)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Luiz Carlos Silva Teixeira (BA)
Renda e público: R$ 57.790,00 / 12.262 pagantes
Cartões amarelos: Gabriel, Fábio Santos, Neuton, Rafael Marques, Fernando (GRE); Diego Macedo (ATL)
Cartões vermelhos: Não houve
Gols: Jonas 1’/1ºT (0-1), Gabriel 14’/1ºT (0-2) e Diego Tardelli 29’/1ºT (1-2)

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro, Rafael Cruz (Diego Macedo 7’/2ºT) Réver, Werley e Leandro; Zé Luis, Serginho, Ricardinho (Eron 21’/2ºT) e Daniel Carvalho; Diego Tardelli (Neto Berola 43/’1ºT) e Obina – Técnico: Dorival Júnior.

GRÊMIO: Victor; Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Fábio Rochemback, Adilson (Neuton 14’/2ºT), Fernando (Róberson 32’/2ºT) e Douglas; Jonas e André Lima (Maylson 14’/2ºT). Técnico: Renato Gaúcho.

Com interino, Atlético-MG recebe o Grêmio

Rogério Micale, dos juniores, comanda o Galo na Arena do Jacaré

LANCEPRESS!

Sem o Vanderlei Luxemburgo – demitido nesta quinta – e sob o comando de Rogério Micale, técnico dos juniores, o Atlético-MG recebe o Grêmio, neste domingo, às 18h30, na Arena do Jacaré, para iniciar a necessária reação na Série A do Brasileirão, a fim de evitar a queda para a Segundona.

A aposta do Atlético-MG – que ocupa a 18ª posição, com apenas 21 pontos em 24 rodadas – para vencer o Grêmio e ganhar fôlego no Brasileirão é o fato de ter conquistado cinco das suas seis vitórias na competição, atuando como mandante.

Para a partida diante dos gaúchos, Rogério Micale não terá à sua disposição o volante Alê e o meia-atacante Diego Souza – que vinha na reserva do Galo – ambos expulsos diante do Fluminense. Com isso, Daniel Carvalho terá como companheiro na armação das jogadas, o experiente Ricardinho.

O restante da equipe deve ser a mesma que foi goleada para o Fluminense. A única provável alteração é a volta de Diego Macedo à lateral-direita, para a saída de Rafael Cruz. No entanto, tal mudança não foi confirmada.

Mundança no Atlético-MG, ‘preocupa’ o Grêmio

A demissão de Vanderlei Luxemburgo do comando do Atlético-MG, fez o técnico Renato Gaúcho prever uma partida mais difícil para o Grêmio, neste domingo.

– O Grêmio vai enfrentar um adversário que joga suas últimas cartadas, que precisa vencer oito das partidas restantes – explicou no embarque para BH, nesta sexta.

Apesar da ‘preocupação’ de Renato, um detalhe torna os tricolores otimistas: o time tem rendido mais como visitante. Depois de vencer o Corinthians no Pacaembu, perdeu para o Palmeiras no Olímpico; após derrotar o Avaí na Ressacada, empatou com o Flamengo em casa.

– Nosso contragolpe tem encaixado melhor quando o adversário dá espaço – disse Jonas, o artilheiro do Brasileiro com 12 gols.

O Grêmio ocupa o 11ª posição, com 30 pontos. A zona intermediária da tabela é duríssima, segundo Renato Gaúcho.

– Nós levamos chumbo dos dois lados. De quem quer ser campeão e de quem quer fugir do rebaixamento – disse ele.

O Grêmio perdeu Souza, o terceiro-homem de meio-campo. Contra o Flamengo, ele sofreu ruptura parcial dos ligamentos do tornozelo direito. Deverá ser substituído por Fernando, que tem atuado melhor primeiro-volante, nos treinos e em seleções de base.

Assim, é possível que Fernando atue em sua posição, e Rochemback, que retorna depois de cumprir suspensão pelo terceiro cartão amarelo, atue mais adiantado, fazendo a função de Souza. O ataque continua a depender da inspiração de Jonas, das aproximações de Douglas e dos cabeceios de André Lima. E eles não têm faltado. Pelo menos fora de casa.

FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO-MG X GRÊMIO

Local: Estádio Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Data/Hora: 26/9/2010 às 21h (horário de Brasília)
Árbitro: Arilson Bispo da Anunciação (BA)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Luiz Carlos Silva Teixeira (BA)

ATLÉTICO-MG: Fábio Costa, Rafael Cruz, Réver, Werley e Leandro; Zé Luis, Serginho, Ricardinho e Daniel Carvalho; Diego Tardelli e Obina. Técnico: Rogério Micale.

GRÊMIO: Victor; Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Fábio Rochemback, Adilson, Fernando e Douglas; Jonas e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

Júnior Viçosa chega a Porto Alegre para acerto com o Grêmio

Atacante de 21 anos se reúne com dirigentes em hotel na tarde desta quinta

O novo reforço do Grêmio, o atacante Júnior Viçosa desembarcou em Porto Alegre na tarde desta quinta-feira, por volta das 13h20m, sendo recepcionado por um empresário que encaminha a negociação.

Uma reunião com dirigentes do Grêmio está marcada para o meio da tarde, em hotel não divulgado. Deste encontro, Júnior espera sair feliz, de contrato assinado, para servir ao time de Renato Gaúcho por três anos.

Júnior Viçosa tem 21 anos e pertence ao ASA-AL, clube pelo qual já marcou 20 gols nesta temporada. Tímido, o atacante faz uma breve descrição das características próprias:

– Tenho velocidade, habilidade, e sou bom no jogo aéreo.

Acompanhado de um ex-presidente do ASA-AL, Júnior prefere não falar sobre a negociação, e vai esperar o Grêmio anunciar oficialmente o acerto para se pronunciar. A cada pergunta, ele olhava para o companheiro de viagem, buscando uma silenciosa autorização para responder.

Na noite anterior, Júnior Viçosa assistiu pela TV ao empate entre Grêmio e Flamengo, no Estádio Olímpico. Para ele, o rubro-negro carioca teve sorte no gol que determinou o 2 a 2, com Petkovic.

– O Grêmio jogou bem, mas o Flamengo tem muita sorte – definiu.

Petkovic salva Flamengo de derrota para o Grêmio: 2 a 2 no Olímpico

Com gols de Douglas e Jonas, Tricolor encaminha vitória no Olímpico, mas sérvio garante empate nos últimos minutos

O alívio flamenguista é sinônimo para a decepção gremista. Um gol de Petkovic aos 41 minutos do segundo tempo evitou a derrota rubro-negra para o Grêmio na noite desta quarta-feira, no Olímpico. O Tricolor vencia o jogo e parecia confirmar, ao mesmo tempo, sua ascensão e os temores do adversário no Campeonato Brasileiro. Mas Pet salvou. O empate por 2 a 2 é um porção pequena para as duas equipes: melhor do que nada, bem pior do que elas queriam.

Douglas e Jonas marcaram para o Grêmio. Kleberson fez o primeiro do Flamengo no jogo que marcou o reencontro entre Silas (muito mais vaiado do que aplaudido) e a torcida tricolor. Com o resultado, os gaúchos subiram para 30 pontos, na décima colocação. Os cariocas, com 28, estão em 14º.

O Rubro-Negro volta a campo no sábado, contra o Palmeiras, no Rio de Janeiro. O Grêmio visita o Atlético-MG um dia depois.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

As falhas de uns são os acertos de outros: 1 a 1 no primeiro tempo

Não tem jeito: as falhas de uns influenciam nos acertos de outros. É bem verdade que o passe de Jonas, aos sete minutos do primeiro tempo, foi uma preciosidade. É impossível cegar para o fato de que a conclusão de Douglas, dentro da área do Flamengo, frente a frente com o goleiro rival, foi uma aula de classe, um pós-doutorado em frieza. Mas tudo poderia ter sido bem diferente se Ronaldo Angelim, entre o passe de Jonas e a conclusão de Douglas, não tivesse tropeçado nas próprias pernas. Desequilibrado, o zagueirão foi engolido pelo ataque tricolor. Falhas de uns, acertos de outros: falha de Angelim, gol do Grêmio (veja no vídeo acima).

Mas o tropicão de Ronaldo Angelim foi um lance isolado, uma fatalidade. Problema mesmo foi Fábio Santos. Não se faz com o pior inimigo aquilo que o ataque do Flamengo fez com o lateral-esquerdo do Grêmio. Os visitantes praticamente só jogaram por ali. Diogo e Léo Moura infernizaram a vida do camisa 6. E, quase sempre, levaram a melhor. O lateral-direito do Flamengo foi a melhor figura do primeiro tempo, em grande parte, porque o lateral-esquerdo do Grêmio foi a pior. E assim saiu o gol flamenguista.

Foi aos 33 minutos. Léo Moura avançou com a bola, passou por Fábio Santos e emendou o cruzamento. Kleberson, ágil, se antecipou a Rafael Marques e desviou para o gol (veja no vídeo ao lado). Falhas de uns, acertos de outros: a má noite do camisa 6 gremista coincidiu com a boa jornada do camisa 2 rubro-negro. E o Flamengo empatou…

Empatou, e foi justo. O Grêmio largou no jogo a mil por hora, fez o gol cedo, deu sinais de que jogaria muito. Mas o Flamengo logo cresceu. O problema para o time de Silas foi a falta de agudez. Mais rondou do que atacou. Rodrigo Alvim, em uma rara avançada pela esquerda, mandou cruzado, com perigo, para fora.

O Grêmio teve outra grande chance, tão clara quanto o lance do gol. Souza tabelou com Douglas e ficou em vias de marcar, dentro da área, olho no olho com Lomba. O chute do meio-campista tricolor foi espalmado pelo goleiro flamenguista. Quase.

Mais um para cada lado

Tem falha que não é exatamente uma tentativa errada. Tem falha que é falta de ação. A zagueirada do Flamengo pensou em qualquer coisa aos nove minutos do segundo tempo: as eleições de 3 de outubro, a paz mundial, a agonia dos mineiros soterrados no Chile… Qualquer coisa, menos em como cortar o cruzamento de Souza, menos em como evitar o desvio de André Lima, menos em como interromper a conclusão de Jonas. Jonas, sempre Jonas: toque na bola, bola no gol. Pela 12ª vez no Campeonato Brasileiro. Jonas é o goleador da competição.

Labaredas tomaram conta do jogo depois do gol do Grêmio. Esquentou muito. O Flamengo se jogou para o ataque. O Grêmio respondeu com perigo. Chances foram criadas de lado a lado. Os goleiros cresceram, fecharam o gol, evitaram gols claros. Virou jogão.

Só falta canonizar Victor. Ele tem milagres de sobra. A defesa que o guardião gremista fez aos 21 minutos não tem explicação lógica. O cabeceio de David foi na frente dele, à queima-roupa, no canto. O goleirão voou e salvou o Grêmio.

Victor de um lado, Marcelo Lomba de outro. Em pancada de André Lima e em conclusão de Jonas, o goleiro do Flamengo salvou. O artilheiro gremista perderia mais um, ao tocar por cima de Lomba e ver David salvar.

Em um jogo de risco, o Flamengo conseguiu o empate. Léo Moura fez o lançamento, Petkovic se enrolou com a bola, enganou Victor e teve o gol aberto para empatar. O alívio flamenguista é sinônimo para a decepção gremista. Empate no Olímpico.

Duelo de técnicos marca Grêmio x Fla

Renato Gaúcho e Silas tentam provar que foram boas escolhas

A dança dos técnicos é uma constante no Campeonato Brasileiro. Porém, um clube que troca de treinador nem sempre se dá bem. Tentando provar que foram boas apostas, Renato Gaúcho, do Grêmio, e Silas, do Flamengo, enfrentam-se nesta quarta-feira, às 22h, no Estádio Olímpico, pela 24ª rodada do Brasileirão. Ambos querem mostrar que suas equipes podem, sim, embalar na competição.

O curioso é que Renato assumiu o posto justamente no lugar de Silas, que deixou o Olímpico muito criticado pela torcida e, após um período sem clube, foi contratado pelo time da Gávea. Tudo isso coloca ainda mais fogo no duelo pessoal entre os técnicos.

Depois de perder em casa para o Palmeiras, por 2 a 1, o Tricolor vem de uma vitória fora de casa por 3 a 0 sobre o Avaí e espera conseguir uma sequência positiva a partir de agora. O mesmo quer o Rubro-Negro, que venceu o Grêmio Prudente na 22ª rodada e empatou com o vice-líder Fluminense em seguida.

Renato Gaúcho terá um único desfalque em relação ao último jogo, o volante Fábio Rochemback, que fará falta pelos lançamentos e cobranças em bola parada. Contudo, o substituto, Ferdinando, é elogiado pelo poder de marcação.

– Confio plenamente neste rapaz. A atuação dele na vitória sobre o Corinthians foi muito boa – disse Renato Gaúcho, prevendo um bloqueio maior dos contra-ataques do Flamengo.

Para o goleador Jonas, o alargamento da distância para a zona de rebaixamento, agora de oito pontos, aumenta a confiança do grupo.

– Sem aquela pressão, a gente joga mais leve, cria mais, e pode sonhar mais alto. Só não podemos esquecer o aqui, o agora – destacou o autor de dois belos gols no 3 a 0 sobre o Avaí, que o alçaram à liderança dos artilheiros, com 11.

No Flamengo, os desfalques são o lateral-esquerdo Juan, que ainda se recupera de lesão no tornozelo, e Willians, suspenso por ter recebido o terceiro cartão amarelo. Rodrigo Alvim será mantido na lateral. No meio, a tendência é a de que Correa entre ao lado de Toró, Kleberson e Renato. Existe ainda a possibilidade de Ronaldo Angelim ser poupado na zaga. Nesse caso, Jean deve ser o escolhido.

– Temos o Palmeiras com 29 pontos jogando em Prudente e esses dois últimos jogos nos favoreceram. Precisamos ajudar a tabela para ficarmos numa situação mais confortável – afirmou Silas.

O atacante Deivid, que desencantou no último domingo e marcou seu primeiro gol com a camisa rubro-negra, confia em uma boa atuação fora de casa.

– Sempre disse que precisaríamos de tempo para nos entrosar. Agora é que estou conhecendo melhor o Diogo e o Léo Moura, por exemplo, que encostam mais lá na frente no ataque. Por isso os resultados começam a aparecer – explicou.

GRÊMIO X FLAMENGO

Estádio: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 22/9/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (Fifa – DF)
Auxiliares: Enio Ferreia de Carvalho (DF) e Kleber Lucio Gil(SC)

GRÊMIO: Victor; Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Ferdinando, Adilson, Souza e Douglas; Jonas e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

FLAMENGO: Marcelo Lomba, Léo Moura, David, Ronaldo Angelim (Jean) e Rodrigo Alvim; Toró, Correa, Kleberson, Willians e Renato; Diogo e Deivid. Técnico: Silas.

Por vaga na Libertadores, Renato Gaúcho torce até pelo Inter

Maior ídolo e atual técnico do Grêmio lembra que sucesso do rival abre vaga extra na Libertadores. Ele também torce pelo Santos

Renato Gaúcho parado na frente de um televisor mandando toda sua torcida para… o Inter! É uma imagem no mínimo esquisita, mas acontece. Nesta terça-feira, o técnico do Grêmio, maior ídolo da história do clube, admitiu que torce para o sucesso do rival. Mas tem uma explicação: quanto melhor o time colorado for no Campeonato Brasileiro, maior a chance de abrir uma vaga extra para a Libertadores do ano que vem. É aí que entra a torcida do treinador.

O Inter, por ter conquistado a Libertadores de 2010, já tem vaga garantida na edição de 2011 do torneio continental. Assim, se ficar entre os quatro primeiros do Brasileirão, abrirá uma vaga ao quinto colocado – ou até ao sexto, se o Santos, campeão da Copa do Brasil, também ficar entre os quatro melhores do Brasileirão.

– Estou torcendo para o Internacional, sim. Ganhando, abre mais uma vaga. Torço para o Santos também. Quanto mais ganhar, mais ajuda. Se o Grêmio estivesse mais lá na frente, eu não torceria para o Internacional, mas não é o caso agora. Em 2007, quando ganhamos a Copa do Brasil, o Fluminense chegou em quarto e abriu mais uma vaga. Acho que o Cruzeiro foi beneficiado. Não vejo problema nenhum em o Inter chegar lá e abrir uma vaga. Todos torcem por isso – afirmou Renato.

Dependendo do resultado do jogo desta quarta-feira, contra o Flamengo, no Olímpico, o Grêmio pode ficar a seis pontos da zona de classificação para a Libertadores. Renato nutre a esperança de disputar o torneio continental, mas vai com calma nas previsões. Ele quer pensar jogo a jogo.

– Eu ficaria muito feliz se o Grêmio chegasse na Libertadores. Mas vamos degrau a degrau. O primeiro objetivo era sair da zona de rebaixamento, e saímos. Depois, era se distanciar, e conseguimos. Mas é muito cedo para falar em vaga na Libertadores. O Grêmio vem crescendo. Tem que manter. O Grêmio vem jogando bem. Daqui a pouco, vamos jogar de domingo a domingo, aí poderemos treinar mais – comentou o treinador.

O Grêmio recebe o Flamengo às 22h desta quarta-feira. Renato deve escalar o Tricolor com Victor, Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Ferdinando, Adílson, Souza e Douglas; Jonas e André Lima.

De León chega de helicóptero e dá largada às obras da Arena

Uruguaio chega ao terreno do futuro estádio com pedaço de gramado do Olímpico. ‘Cápsula do tempo’ é enterrada com mensagens de torcedores

O helicóptero só poderia ser azul. Por volta das 17h20m desta segunda-feira, quando ele pousou no terreno onde será construída a Arena do Grêmio, os mais de 5 mil gremistas presentes no local abriram os olhos para ver Hugo de León sair de dentro dele. O uruguaio, capitão do título mundial de 1983, carregou nos braços um pedaço do gramado do Olímpico, marco da mudança de casa do Tricolor.

De León levou a grama até o espaço onde ela seria depositada. Ali, foi enterrada também a chamada “cápsula do tempo”, um objeto recheado por mensagens de gremistas, escritas em papel. Ela será aberta no dia da inauguração da Arena, prevista para o fim de 2012. Em seguida, o uruguaio ajudou a pressionar o botão que fez a primeira máquina funcionar no local onde será erguido. Os gremistas vibraram como se fosse gol.

Baterias de fogos de artifício explodiram no céu de Porto Alegre enquanto dirigentes do Grêmio e Hugo de León observavam uma maquete da Arena. Foi o ponto final de um dia tricolor em Porto Alegre. No início da tarde, uma carreata saiu do Olímpico, invadiu algumas das principais avenidas da capital gaúcha e pintou a cidade de azul, preto e branco.

A partir de agora, o clube e sua empresa parceira, a OAS, prometem colocar mãos à obra. O novo estádio terá capacidade para 53 mil pessoas. O Olímpico só será demolido quando a Arena estiver de pé.

Com dois do artilheiro Jonas, Grêmio passeia em Floripa e vence o Avaí

Atacante chega à artilharia isolada do Brasileirão no dia em que o Tricolor gaúcho fez 3 a 0 e complicou a vida do time catarinense

O Grêmio teve a tranquilidade necessária para se aproveitar do desespero do Avaí. Com calma no frio do Estádio da Ressacada, em Florianópolis, o Tricolor gaúcho venceu por 3 a 0, neste domingo, em jogo válido pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado levou o time de Renato Gaúcho para mais longe da zona de rebaixamento e afundou o time catarinense, que chegou à nona partida seguida sem vitória (seis derrotas e três empates). O destaque foi o atacante Jonas, que marcou dois gols e chegou à artilharia isolada da competição, com 11.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Na próxima quarta-feira o Grêmio, que subiu duas posições e agora é o 11º colocado, com 29 pontos, recebe o Flamengo no Olímpico. Na quinta, o Avaí vai a Salvador enfrentar o Vitória ocupando a incômoda 16ª posição e com 25 pontos, a apenas quatro da zona de rebaixamento.

O frio no Estádio da Ressacada parecia exercer influência direta no desempenho das duas equipes. O jogo começou sem muita movimentação e, assim, poucas chances foram criadas. Aos poucos o Avaí conseguiu se sobressair na base da velocidade. O time da casa investia pelas laterais, principalmente a direita. No entanto, não mostrava competência nas conclusões ou esbarrava nas boas defesas de Victor.

O Grêmio inicialmente optou por ficar mais em seu campo de defesa. Mas diante da má pontaria do Avaí, começou a se arriscar no ataque. Principal homem de criação, Douglas começava a ter liberdade para criar e, assim, os gaúchos conseguiram equilibrar a partida.

No momento em que o Avaí tinha leve superioridade, o Grêmio, baseado em sua maior qualidade individual, achou o primeiro gol. Não com o cérebro Douglas, mas com o artilheiro Jonas. O atacante recebeu na entrada da grande área, driblou dois adversários e chutou rasteiro, no canto direito de Renan, abrindo o placar aos 35 minutos e marcando seu décimo gol no Brasileirão.

Com a vantagem, o Grêmio voltou para o segundo tempo disposto a segurar o ritmo da partida. Do outro lado, o técnico Antônio Lopes apostava na velocidade de jogadores como Eltinho e Marcelinho para vencer a defesa adversária. Os gaúchos apostavam nos toques e nas jogadas de bola parada. E foi assim que o Tricolor ampliou, aos 19 minutos. Douglas cobrou falta na área, e André Lima subiu sozinho para cabecear e fazer o segundo gol.

Se já estava fácil, a vantagem minou de vez o Avaí. A torcida protestava na arquibancada quando o Grêmio marcou o terceiro, e novamente com Jonas, aos 26 minutos. O atacante recebeu de Douglas e teve calma, tranquilidade e pouca marcação para dominar a bola e fazer o seu 11º gol no Brasileirão, assumindo a artilharia isolada.

Foi a deixa para a torcida do Avaí começar a deixar a Ressacada e, assim, os torcedores gremistas passaram a mandar no estádio. A partida se arrastou até o fim, tendo como trilha sonora o grito de “olé” dos gaúchos.

AVAÍ 0 X 3 GRÊMIO
Renan, Gabriel, Rafael (Sávio) e Léo San; Patric, Marcinho Guerreiro, Leandro Bomfim, Caio e Jéferson (Eltinho); Rafael Costa e Laércio (Marcelinho). Victor, Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Adilson (Ferdinando), Fábio Rochemback, Souza (Roberson) e Douglas; Jonas e André Lima (Lúcio).
Técnico: Antônio Lopes. Técnico: Renato Gaúcho.
Gols: Jonas, aos 35 minutos do primeiro tempo; André Lima, aos 19, e Jonas, aos 26 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Leandro Bomfim, Rafael e Patric (Avaí); Adilson e Fábio Rochemback (Grêmio).
Estádio: Ressacada, em Florianópolis (SC). Data: 19/09/2010. Árbitro:Wilton Pereira Sampaio (DF). Assistentes:Ênio Ferreira de Carvalho (DF) e Marrubson Melo Freitas (DF). Público: 9.146 presentes. Renda:R$ 69.630.

Avaí e Grêmio se enfrentam para subir na tabela

Anfitrião amarga jejum de vitórias. Gaúchos querem a reação

LANCEPRESS!

Após o empate, em 1 a 1, fora de casa, contra o Vasco, na última quinta-feira, considerado pelo técnico Antônio Lopes e pelo restante da equipe catarinense como um bom resultado, o Avaí recebe o Grêmio, neste domingo, às 18h30, na Ressacada, para tentar voltar à parte de cima da tabela.

A partida contra o Tricolor Gaúcho é uma boa oportunidade para o Avaí melhorar a atual campanha ruim na Ressacada. Nas últimas três vezes em que jogou em seu estádio, o Leão da Ilha foi derrotado em todas as ocasiões, para Internacional, Atlético Paranaense e Cruzeiro. No entanto, foi também na Ressacada que o Avaí conseguiu sua última vitória no Brasileirão, contra o Corinthians, no dia 15 de agosto, pela 15ª rodada do campeonato. De lá para cá foram cinco derrotas e três empates, com apenas três pontos conquistados em 24 disputados. A má fase fez com que o time despencasse da terceira para a 15ª posição na tabela, a apenas quatro pontos da zona de rebaixamento.

O técnico Antônio Lopes ainda não definiu a equipe titular que entrará em campo no domingo, mas é provável que ele volte a usar o esquema 3-6-1, bem-sucedido no jogo contra o Vasco, em vez do 4-4-2, que vinha sendo utilizado até então. Expulso na última partida após cometer pênalti e receber o segundo amarelo no jogo, o zagueiro Emerson, suspenso, não enfrenta o Grêmio. Em seu lugar, Emerson Nunes deve ser titular na zaga.

Outro possível desfalque na equipe catarinense é o atacante Vandinho, que sentiu uma lesão muscular e saiu machucado na partida de quinta-feira, sendo substituído por Rafael Costa. Vandinho está em tratamento e sua presença entre os titulares será definida neste sábado pela comissão técnica do Avaí. Caso não jogue, Antônio Lopes deve escalar Rafael Costa ou Laércio no ataque da equipe.

Grêmio quer retomar a arrancada e voltar a vencer

Enquanto isso, o Grêmio precisa da vitória não só para continuar sua ascensão na tabela, como também para mostrar que a derrota para o Palmeiras, quarta-feria, no Olímpico, foi apenas um tropeço na arrancada gremista.

Os desfalques do Tricolor Gaúcho ficam por conta de Leandro, que sofre de lombalgia, e Borges, que, lesionado, está fora do Brasileirão e só volta a campo em 2011. Para seu lugar, o técnico Renato Gaúcho escalou André Lima. Por outro lado, Vilson volta a ser titular, após cumprir suspensão na última rodada.

Para o atacante Jonas, a lesão de Borges é uma grande perda para a equipe, mas André Lima tem condições de substitui-lo à altura:

– Ficamos muito tristes com a notícia. Ele se machucou muito neste ano. É um jogador muito importante, um goleador. Não adianta ficar elogiando o Borges, porque todo mundo o conhece. Vamos torcer para que ele se recupere o mais rapidamente possível. André é outro grande jogador. Cada um tem suas características. Borges se movimenta, faz a parede. André também faz, mas gosta mais da bola aérea. Temos de nos encaixar ao estilo de cada jogador. Não vai afetar muito, acho.

Desde que Renato Gaúcho assumiu o comando do time, o Grêmio venceu quatro partidas, empatou três e saiu derrotado em outras três oportunidades, mas, até o confronto contra o Palmeiras, o time gaúcho, que chegou a ficar na zona de rebaixamento, estava invicto há cinco rodadas.

FICHA TÉCNICA:

AVAÍ X GRÊMIO

Estádio: Ressacada, Florianópolis (SC)
Data/hora: 19/09/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Wilson Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Enio Ferreira de Carvalho (DF) e Marrubson Melo Freitas (DF)

AVAÍ: Renan, Gabriel, Rafael e Emerson Nunes; Patric, Marcinho Guerreiro, Diogo Orlando, Leandro Bonfim, Sávio e Davi; Rafael Costa (Laércio) – Técnico: Antônio Lopes

GRÊMIO: Victor, Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Adilson, Fábio Rochemback, Douglas e Souza; André Lima e Jonas – Técnico: Renato Gaúcho

Enclausurado, Renato começa a se incomodar com falta de privacidade

Técnico tem vida restrita em Porto Alegre. Assédio inibe momentos de lazer do maior ídolo do Grêmio

Falta a paz para ir a um restaurante, falta a tranquilidade para dar uma caminhada, falta o direito de tomar um chopp em um bar, jogar conversa fora, desestressar. Renato Gaúcho está enclausurado em Porto Alegre. É como se a vida dele tivesse via única: do hotel para o Olímpico, do Olímpico para o hotel. Maior ídolo do Grêmio, ele vê todas as oportunidades de lazer intimidadas pelo assédio que sofre. E começa a se incomodar com isso.

Nesta sexta-feira, ao entrar na sala de entrevistas do Olímpico para dar sua coletiva, Renato soltou uma bufada e brincou com os jornalistas:

– Como eu queria ter a vida de vocês…

Depois, Renato detalhou seu incômodo. Ele queria ter um pouco mais de privacidade.

– Não consigo respirar. É trabalho-hotel, hotel-trabalho. Não tenho paz em lugar nenhum. Sinto um pouco de falta da privacidade que perdi. Não é desânimo, mas não consigo fazer nem meu trabalho com tanto assédio. Sinto um pouco de falta de privacidade – disse o treinador.

Renato está sozinho em Porto Alegre. Não levou familiares à capital gaúcha. Ele está à procura de um apartamento para se livrar do alto valor que paga no quarto de hotel onde está hospedado.

– Não é que eu esteja triste. Não é isso. Mas todo mundo sente falta de sentar num barzinho, conversar com os amigos. Minha tranquilidade é quando entro no quarto e o telefone não toca. É por isso que gostaria de ter algumas horas da vida de vocês – comentou o treinador.

Renato tenta encontrar um lugar onde possa tomar um chopp com tranquilidade. E também um local para morar. Ele aceita sugestões.

– Tem um apartamento para me alugar? – perguntou ele a um jornalista antes de retornar ao vestiário gremista, de onde rumaria novamente para seu quarto de hotel.

Borges passará por cirurgia e pode não jogar mais em 2010

Departamento médico prevê três meses de recuperação para o centroavante, que tem fratura por estresse na tíbia

A notícia não poderia ser pior. O centroavante Borges efetivamente tem uma fratura por estresse na tíbia, mas ela é mais grave do que previa o técnico Renato Gaúcho. Nesta quinta-feira, o médico Márcio Bolzoni informou que o atleta passará por cirurgia na semana que vem. Ele pode não atuar mais em 2010.

– É importante que eu diga que quando se fala em fratura por estresse na tíbia, nem todas são iguais. Elas têm dois comportamentos muito distintos, conforme sua localização. A do Borges, infelizmente, é na pior localização. Essa fratura, que se chama fratura do terço médio anterior da tíbia, causada por estresse, é de tratamento preferencialmente cirúrgico. É essa nossa indicação ao Borges. A previsão de retorno dele é incerta. Poderá não ser nem este ano, mesmo com o tratamento cirúrgico. Isso não é uma certeza. A tendência é de que o jogador seja submetido a uma cirurgia na próxima semana. Ele pediu para ir a Salvador. Em acordo com a direção, o liberamos. A previsão otimista é de que possa voltar em três meses, mas não é uma certeza. A volta aos treinamentos pode acontecer antes disso, mas em campo, é de até três meses – disse o médico.

Borges aceitou passar por cirurgia. Outra alternativa era o chamado tratamento conservador, sem procedimento cirúrgico, mas os médicos não aconselharam essa alternativa.

– O tratamento conservador, não-cirúrgico, é muito arriscado nesse tipo de fratura, pela localização dela. Implica em tempo muito prolongado e a manutenção de um risco de refratura ou até de uma fratura maior – comentou Bolzoni.

Na cirurgia, será colocada uma haste intramedular, de aço inoxidável, na perna do jogador. A data do procedimento ainda é incerta.

Felipão estraga bolo de aniversário

Com gols de Marcos Assunção e Ewerthon, Alviverde cresce na tabela. Felipão é aplaudido no milésimo jogo gremista no Brasileirão

Lá no fundo, bem lá no fundo, talvez Felipão não tenha ficado tão feliz por colocar o dedo no bolo de aniversário do Grêmio. No dia em que completou 107 anos de vida, o time gaúcho reencontrou um de seus maiores ídolos. E viu o convidado estragar a festa. O Palmeiras, com a eficiência que marcou os tempos de Luiz Felipe Scolari no Olímpico, bateu o Tricolor por 2 a 1 na noite desta quarta-feira, em Porto Alegre, e manteve a esperança de engrenar no Brasileirão. Foi o milésimo jogo gremista na história da competição.

Os gols de Marcos Assunção e Ewerthon alimentam o sonho palmeirense de alcançar uma vaga na Libertadores. E amortecem a recuperação do Grêmio, que não perdia há cinco jogos – Jonas marcou para o time da casa. Com o resultado, o Palmeiras subiu para 29 pontos, consolidado na zona de classificação para a Sul-Americana, em décimo lugar, momentaneamente. O Tricolor, com 26, sente a reaproximação do grupo de rebaixamento, e está 13º.

Felipão volta, e “representante” põe Palmeiras na frente

Há dez anos, era ele quem mandava no Olímpico. À frente do Grêmio, foi o comandante em conquistas importantes durante os anos 90 – a Libertadores (1995), o Brasileiro (1996), a Recopa Sul-Americana (1996), só para citar alguns. Mas no retorno ao estádio gremista, Luiz Felipe Scolari deixou o sentimento pelo Tricolor de lado e fez valer sua estima pelo Palmeiras. Ele abriu mão dos três zagueiros e colocou Ewerthon para compor o ataque ao lado de Kleber. E sofreu, como previsto, durante o primeiro tempo.

Embalado por uma série de cinco jogos sem derrotas, o Grêmio procurou tomar a iniciativa. Apoiado por quase 40 mil torcedores que lotaram e chacoalharam o Olímpico, o time de Renato Gaúcho assustou o Alviverde a todo instante. André Lima e Jonas fizeram com que a defesa se desesperasse e tentasse afastar a bola a qualquer custo. Gabriel, pelo lado direito, também deu trabalho, já que Rivaldo, lateral-esquerdo improvisado, não deu conta da marcação. O Grêmio, que já foi de Felipão, dominou seu ex-treinador.

O contragolpe foi a arma palmeirense. Virou a alternativa para conter a euforia que dominava o Olímpico. E foi nele que o time paulista conseguiu abrir o marcador. Com velocidade, Ewerthon se lançou ao ataque e foi derrubado por Neuton. Uma faltinha perto da área era tudo o que Felipão queria para poder acionar um de seus representantes em campo. O pé direito de Marcos Assunção foi preciso pela segunda vez neste Campeonato Brasileiro. Com carinho, o camisa 28 ajeitou a bola e bateu, aos 14 minutos, sem chances para Victor. No ângulo direito, com perfeição. Alívio para Scolari.

Mas o Imortal não se rendeu. Persistiu nas investidas contra Deola. Sempre com Jonas e André Lima. Já o Palmeiras, quando tinha a bola, tentava esfriar a partida e pensar mais as jogadas. Em um lance de velocidade, o Alviverde quase ampliou. Ewerthon novamente arrancou e chutou contra Victor, obrigando o gremista a fazer bela defesa para afastar o perigo, aos 24 minutos.

A resposta tricolor veio logo em seguida. Percebendo o goleiro Deola um pouco adiantado, André Lima cabeceou firme. Mas o arqueiro palmeirense conseguiu dar um passo para trás e rivalizar com Victor em uma defesa igualmente bonita – que garantiu a vantagem aos paulistas durante o primeiro tempo.

Eficiência no estilo Felipão: 2 a 1

A bola passeou pelos pés dos gremistas durante quase todo o segundo tempo. E foi o Palmeiras que fez o gol. A típica eficiência de Felipão teve novo episódio aos dois minutos da etapa final. O Alviverde trocou passes no campo de ataque até a bola ficar com Marcos Assunção. O cruzamento foi fabricado sob medida para Ewerthon subir bonito e, de cabeça, causar dois efeitos psicológicos ao jogo: tranquilidade para o Palmeiras, descrença para o Grêmio.

O gol transformou a missão azul em sonho quase impossível. Não faltaram tentativas. André Lima tentou, Souza tentou. Teve cruzamento, escanteio e chute de longe. E nada de a bola entrar. Jonas, de cabeça, acertou a trave do goleiro Deola. E nada…

Conforme corriam os ponteiros do relógio tricolor, o time ia ficando mais ofensivo. Lúcio entrou no lugar de Fábio Santos, Roberson pegou a vaga de Adílson, Maylson ocupou o espaço de Souza. E nada…

O Palmeiras se defendeu de mãos dadas e atacou com pernas livres. Teve solidez na zaga e velocidade no ataque. Produziu na medida para avisar ao Grêmio que deixar espaços lá atrás poderia não ser uma boa ideia. Os gaúchos atacaram, mas não pressionaram; avançaram, mas não apavoraram. Mesmo assim, marcaram.

Foi com Jonas. A bola ficou viva na área palmeirense até o atacante emendar o chute. O azar do Grêmio foi o gol ter saído aos 46 minutos, tarde demais para a reação gremista. O jogo terminou com esperança renovada para o Palmeiras de Felipão.

As duas equipes voltam a campo no domingo. O Palmeiras tem clássico contra o São Paulo no Pacaembu. O Grêmio visita o Avaí em Florianópolis.

GRÊMIO 1 X 2 PALMEIRAS
Victor, Gabriel, Paulão, Neuton e Fábio Santos (Lúcio); Adílson (Roberson), Fábio Rochemback, Souza (Maylson) e Douglas; Jonas e André Lima. Deola; Vitor, Danilo, Maurício Ramos e Rivaldo; Edinho, Márcio Araújo, Marcos Assunção e Tinga (Pierre); Kleber e Ewerthon (Valdivia).
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Luiz Felipe Scolari.
Gols: Marcos Assunção, aos 14 minutos do primeiro tempo; Ewerthon, aos dois, e Jonas, aos 46 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Souza, Lúcio, André Lima (Grêmio); Kleber, Márcio Araújo, Valdivia, Edinho (Palmeiras).
Estádio: Olímpico, em Porto Alegre. Data: 15/09/2010. Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (RJ). Assistentes: Ricardo de Almeida e Guilherme Dias Camilo.

Felipão estraga bolo de aniversário gremista: 2 a 1 para o Palmeiras

Com gols de Marcos Assunção e Ewerthon, Alviverde cresce na tabela. Felipão é aplaudido no milésimo jogo gremista no Brasileirão

Lá no fundo, bem lá no fundo, talvez Felipão não tenha ficado tão feliz por colocar o dedo no bolo de aniversário do Grêmio. No dia em que completou 107 anos de vida, o time gaúcho reencontrou um de seus maiores ídolos. E viu o convidado estragar a festa. O Palmeiras, com a eficiência que marcou os tempos de Luiz Felipe Scolari no Olímpico, bateu o Tricolor por 2 a 1 na noite desta quarta-feira, em Porto Alegre, e manteve a esperança de engrenar no Brasileirão. Foi o milésimo jogo gremista na história da competição.

Os gols de Marcos Assunção e Ewerthon alimentam o sonho palmeirense de alcançar uma vaga na Libertadores. E amortecem a recuperação do Grêmio, que não perdia há cinco jogos – Jonas marcou para o time da casa. Com o resultado, o Palmeiras subiu para 29 pontos, consolidado na zona de classificação para a Sul-Americana, em nono lugar, momentaneamente. O Tricolor, com 26, sente a reaproximação do grupo de rebaixamento, e está 13º.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Felipão volta, e “representante” põe Palmeiras na frente

Há dez anos, era ele quem mandava no Olímpico. À frente do Grêmio, foi o comandante em conquistas importantes durante os anos 90 – a Libertadores (1995), o Brasileiro (1996), a Recopa Sul-Americana (1996), só para citar alguns. Mas no retorno ao estádio gremista, Luiz Felipe Scolari deixou o sentimento pelo Tricolor de lado e fez valer sua estima pelo Palmeiras. Ele abriu mão dos três zagueiros e colocou Ewerthon para compor o ataque ao lado de Kleber. E sofreu, como previsto, durante o primeiro tempo.

Embalado por uma série de cinco jogos sem derrotas, o Grêmio procurou tomar a iniciativa. Apoiado por quase 40 mil torcedores que lotaram e chacoalharam o Olímpico, o time de Renato Gaúcho assustou o Alviverde a todo instante. André Lima e Jonas fizeram com que a defesa se desesperasse e tentasse afastar a bola a qualquer custo. Gabriel, pelo lado direito, também deu trabalho, já que Rivaldo, lateral-esquerdo improvisado, não deu conta da marcação. O Grêmio, que já foi de Felipão, dominou seu ex-treinador.

O contragolpe foi a arma palmeirense. Virou a alternativa para conter a euforia que dominava o Olímpico. E foi nele que o time paulista conseguiu abrir o marcador. Com velocidade, Ewerthon se lançou ao ataque e foi derrubado por Neuton. Uma faltinha perto da área era tudo o que Felipão queria para poder acionar um de seus representantes em campo. O pé direito de Marcos Assunção foi preciso pela segunda vez neste Campeonato Brasileiro. Com carinho, o camisa 28 ajeitou a bola e bateu, aos 14 minutos, sem chances para Victor. No ângulo direito, com perfeição. Alívio para Scolari.

Mas o Imortal não se rendeu. Persistiu nas investidas contra Deola. Sempre com Jonas e André Lima. Já o Palmeiras, quando tinha a bola, tentava esfriar a partida e pensar mais as jogadas. Em um lance de velocidade, o Alviverde quase ampliou. Ewerthon novamente arrancou e chutou contra Victor, obrigando o gremista a fazer bela defesa para afastar o perigo, aos 24 minutos.

A resposta tricolor veio logo em seguida. Percebendo o goleiro Deola um pouco adiantado, André Lima cabeceou firme. Mas o arqueiro palmeirense conseguiu dar um passo para trás e rivalizar com Victor em uma defesa igualmente bonita – que garantiu a vantagem aos paulistas durante o primeiro tempo.

Eficiência no estilo Felipão: 2 a 1

A bola passeou pelos pés dos gremistas durante quase todo o segundo tempo. E foi o Palmeiras que fez o gol. A típica eficiência de Felipão teve novo episódio aos dois minutos da etapa final. O Alviverde trocou passes no campo de ataque até a bola ficar com Marcos Assunção. O cruzamento foi fabricado sob medida para Ewerthon subir bonito e, de cabeça, causar dois efeitos psicológicos ao jogo: tranquilidade para o Palmeiras, descrença para o Grêmio.

O gol transformou a missão azul em sonho quase impossível. Não faltaram tentativas. André Lima tentou, Souza tentou. Teve cruzamento, escanteio e chute de longe. E nada de a bola entrar. Jonas, de cabeça, acertou a trave do goleiro Deola. E nada…

Conforme corriam os ponteiros do relógio tricolor, o time ia ficando mais ofensivo. Lúcio entrou no lugar de Fábio Santos, Roberson pegou a vaga de Adílson, Maylson ocupou o espaço de Souza. E nada…

O Palmeiras se defendeu de mãos dadas e atacou com pernas livres. Teve solidez na zaga e velocidade no ataque. Produziu na medida para avisar ao Grêmio que deixar espaços lá atrás poderia não ser uma boa ideia. Os gaúchos atacaram, mas não pressionaram; avançaram, mas não apavoraram. Mesmo assim, marcaram.

Foi com Jonas. A bola ficou viva na área palmeirense até o atacante emendar o chute. O azar do Grêmio foi o gol ter saído aos 46 minutos, tarde demais para a reação gremista. O jogo terminou com esperança renovada para o Palmeiras de Felipão.

As duas equipes voltam a campo no domingo. O Palmeiras tem clássico contra o São Paulo no Pacaembu. O Grêmio visita o Avaí em Florianópolis.

GRÊMIO 1 X 2 PALMEIRAS
Victor, Gabriel, Paulão, Neuton e Fábio Santos (Lúcio); Adílson (Roberson), Fábio Rochemback, Souza (Maylson) e Douglas; Jonas e André Lima. Deola; Vitor, Danilo, Maurício Ramos e Rivaldo; Edinho, Márcio Araújo, Marcos Assunção e Tinga (Pierre); Kleber e Ewerthon (Valdivia).
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Luiz Felipe Scolari.
Gols: Marcos Assunção, aos 14 minutos do primeiro tempo; Ewerthon, aos dois, e Jonas, aos 46 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Souza, Lúcio, André Lima (Grêmio); Kleber, Márcio Araújo, Valdivia, Edinho (Palmeiras).
Estádio: Olímpico, em Porto Alegre. Data: 15/09/2010. Árbitro:Gutemberg de Paula Fonseca (RJ). Assistentes: Ricardo de Almeida e Guilherme Dias Camilo.

Grêmio enfrenta Palmeiras em noite histórica

Clube gaúcho completa 107 anos e revê Felipão e Renato Gaúcho juntos

O Grêmio recebe o Palmeiras na noite desta quarta-feira, às 19h30, no Olímpico, em uma noite que promete ser histórica para a torcida tricolor. Além de comemorar o aniversário de 107 anos do clube, que se completam nesta quarta, os gremistas deverão se emocionar com a seguinte cena. Dois dos maiores ídolos da História do Grêmio estarão no mesmo gramado: Renato Gaúcho e Felipão.

O primeiro fez História como jogador e atualmente é o treinador gremista, e o segundo conquistou sete títulos comandando o Tricolor Gaúcho. Entre eles, a Copa Libertadores de 1995.

Até por isso, Renato Gaúcho pediu para que a torcida homenageasse Luiz Felipe Scolari assim que ele entrasse em campo nesta quarta.

E para a comemoração, o técnico do time da casa ganhou alguns problemas. O atacante Borges e os zagueiros Vilson e Rafael Marques suspensos, não enfrentam o Verdão. Em seus lugares, entrarão André Lima, Paulão e Neuton, respectivamente. Os dois últimos, defensores, estarão juntos pela primeira vez na equipe do Grêmio. Paulão, inclusive, fez a sua estreia com a camisa tricolor na partida contra o Corinthians, no último sábado.

E a vitória contra o Timão, que até então estava invicto em seus domínios, deu um ânimo extra. Dos últimos 15 pontos disputados, o Grêmio conquistou 11 e, hoje, já ocupa a 12 posição do Brasileirão.

No Palmeiras, o mistério reina para definir a escalação da equipe que enfrenta o Grêmio. Após mudar o que considerava a formação ideal, com três zagueiros, Felipão parece ter se arrependido de utilizar o esquema com três atacantes e não deve repetir a formação que não saiu do zero contra o Vasco.

Sendo assim, o Verdão deve ser escalado no tradicional 4-4-2, com Ewerthon e Kleber formando a dupla de ataque, já que Luan, após entrar mal, segue desprestigiado. Márcio Araújo, que segue na equipe titular, garantiu que o grupo está motivado.

– O clima aqui não é ruim. O Felipão sempre nos lembra da importância de vestir a camisa do Palmeiras e nós estamos conscientes disso, com o desejo de acertar, de melhorar. Sempre sonhamos em ser jogador de futebol, e estar realizando esse sonho em um clube como o Palmeiras é a nossa grande motivação – disse.

Luiz Felipe Scolari irá ter as voltas dos volantes Pierre e Marcos Assunção. Com isso, os dois devem formar o meio de campo com Edinho e Tinga. No gol, Deola segue como titular, já que Marcos ainda não se recuperou das dores no joelho esquerdo.


FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO X PALMEIRAS

Estádio: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 14/10/2010 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (RJ)
Auxiliares: Ricardo M. F. De Almeida (RJ) e Guilherme Dias Camilo (MG)

GRÊMIO: Victor, Gabriel, Paulão, Neuton e Fábio Santos; Fábio Rochemback (Ferdinando), Adilson, Souza e Douglas; Jonas e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

PALMEIRAS: Marcos, Márcio Araújo, Maurício Ramos, Danilo e Rivaldo; Edinho, Pierre, Marcos Assunção e Tinga; Ewerthon e Kleber. Técnico: Felipão.

Renato usa jogo contra o Corinthians como molde para ir à Libertadores

Técnico do Grêmio espera repetir aproveitamento dos últimos cinco jogos para poder até brigar pelo título nacional

Cinco jogos sem derrotas. Onze pontos conquistados em 15 disputados. Vitória fora de casa, com um jogador a menos, sobre o Corinthians. O Grêmio cresce na tabela e começa a firmar sonhos maiores. Em vez de apenas escapar da zona de rebaixamento, quer beliscar uma vaga na Libertadores. E o técnico Renato Gaúcho tem um molde para chegar lá.

– Eu disse que é vitória (sobre o Corinthians) de time que quer chegar na Libertadores. Se jogar todos os jogos assim, vai chegar. É algo quase impossivel de repetir. Não quero iludir. Quem sou eu para iludir? Deixamos a zona do rebaixamento, estamos na metade da tabela. Se o Grêmio jogar todos os jogos como jogou contra o Corinthians, vai brigar por vaga – disse o técnico.

Renato até aumenta o otimismo. Ele acredita que a repetição do aproveitamento dos últimos jogos colocará o Grêmio na luta pelo título.

– Se o campeonato tivesse começado há três rodadas, o Grêmio estaria brigando pelo título. É um aproveitamento excepcional. O difícil é manter essa média. Se a cada 15 pontos, conquistar 11, vai brigar pelo campeonato. Agora, a cada rodada, pode ganhar três ou quatro posições, como pode perder também. O Grêmio está em um bolo da tabela com todo mundo junto – afirmou Renato.

O Grêmio é o 12º colocado no Campeonato Brasileiro, com 26 pontos, 11 atrás do Cruzeiro, que fecha a zona de classificação para a Libertadores. Nesta quarta-feira, o Tricolor recebe o Palmeiras no Olímpico.

Aniversário, milésimo jogo, Felipão: Grêmio tem jogo especial na quarta

No dia em que festeja 107 anos de vida, Tricolor completa mil jogos no Campeonato Brasileiro e reencontra ídolo histórico

Grêmio x Palmeiras. A reedição de um clássico de sair faísca nos anos 90. E no aniversário do Tricolor. E na noite em que o clube gaúcho alcança a marca de mil jogos no Campeonato Brasileiro. E com Luiz Felipe Scolari na beira do campo – mesmo que como adversário. Não faltam elementos para o jogão de quarta-feira, no Olímpico. O Tricolor, há cinco jogos sem derrotas, tenta deixar a data ainda mais especial. Uma vitória confirmará a ambição azul de brigar por vaga na Libertadores.

O Grêmio completa 107 anos de vida na quarta-feira, 15 de setembro. O clube espera casa cheia contra o Palmeiras e pede que os torcedores levem cartazes ao estádio. As cinco melhores mensagens renderão uma camiseta oficial aos gremistas que as produzirem. Além disso, é o milésimo jogo do Tricolor no Campeonato Brasileiro.

Em 38 edições na Primeira Divisão do torneio, o clube gaúcho somou 421 vitórias, teve 268 empates e sofreu 310 derrotas. Marcou 1331 gols e sofreu 1087. Não será apenas mais um jogo, e os atletas percebem isso.

– É um jogo diferente para quem vem ao estádio presenciar o espetáculo. Podemos usar isso como motivação, mas a vontade de jogar tem que partir de cada um, independentemente desses ingredientes – disse Victor, goleiro do Grêmio.

A partida também encerrará quase dez anos de ausência de Luiz Felipe Scolari em jogos no Olímpico. O treinador é um ídolo histórico do clube. Foi tricampeão gaúcho (87, 95 e 96) e ganhou a Copa do Brasil (94), a Libertadores (95), a Recopa (96) e o Brasileirão (96).

Em 17 de setembro de 2000, o treinador, no comando do Cruzeiro, empatou por 0 a 0 com o Grêmio no estádio tricolor. Um ano depois, já no comando da seleção brasileira, Felipão apelou à parceria dos gaúchos para vencer o Paraguai por 2 a 0 e encaminhar a presença do Brasil na Copa de 2002, que renderia o pentacampeonato mundial à equipe verde-amarela. Foram as últimas vezes em que ele esteve na área técnica do Olímpico.

Victor pega pênalti e Grêmio tira invencibilidade do Timão em casa

Corinthians não perdia em casa havia 23 partidas; Grêmio não vencia fora de casa havia quase um ano

E caiu a invencibilidade do Corinthians. Após 23 partidas sem perder no Pacaembu, o Timão foi derrotado pelo Grêmio na noite deste sábado pelo placar de 1 a 0, em jogo válido pela 21ª rodada do Brasileirão. O resultado a favor dos visitantes ainda representou outro fato significante: o Grêmio, que não vencia fora de casa pelo Brasileirão havia praticamente um ano (desde 13 de setembro de 2009), finalmente conseguiu uma vitória.

Às vésperas da partida contra o líder Fluminense, a derrota em casa ainda fez a distância entre o Timão e o líder permanecer igual, uma vez que o Flu também foi derrotado . Sem Ronaldo e Roberto Carlos na noite deste sábado, poupados para o confronto da próxima quarta-feira, o Corinthians ainda desperdiçou um pênalti em cobrança de Iarley, que Victor defendeu.

E o carrasco do Corinthians neste sábado foi justamente um jogador que já defendeu o Timão. Douglas, inclusive, disse sentir saudade do clube do Parque São Jorge . Mas o meia não perdoou o seu ex-clube ao marcar um belo. Em respeito, não comemorou.

O jogo:

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Grêmio não se intimidou com os quase 30.000 torcedores presentes no Pacaembu na noite deste sábado. Sem medo, logo tomou conta do meio de campo nos primeiros minutos de jogo, conseguindo manter a posse de bola por mais tempo, porém, sem conseguir criar chances.

MAIS BRASILEIRO

Logo aos 13 minutos do confronto, após entrada de carrinho de Douglas, o volante Ralf teve de deixar o campo, às lágrimas, com uma aparente lesão no tornozelo esquerdo, para a entrada de Boquita.

O Corinthians foi equilibrando a partida, mas até a metade da etapa inicial só havia criado apenas uma chance concreta de gol, após finalização de Elias, defendida pelo goleiro Victor.

Com Bruno César sem conseguir encostar nos atacantes para construir investidas ofensivas, o Timão pouco conseguiu criar até então. Do outro lado, o Grêmio respondia com Gabriel, que exigiu excelente defesa de Julio Cesar após chute com força em um rebote de cobrança de escanteio.

Motivado pelo bom momento do Grêmio na partida, o meia Douglas, que já atuou pelo Corinthians, marcou um golaço aos 33 minutos. Vindo do lado direito do campo, aplicou uma caneta no zagueiro Paulo André antes de finalizar com um chute com força, no ângulo, sem chances para Julio Cesar.

Após o revés, o Corinthians tentou reagir, e quase conseguiu o empate com Bruno César, em cobrança de falta. Porém, foi o time visitante que cresceu ainda mais nos minutos finais do primeiro tempo e quase ampliou o placar com Borges, após boa saída do goleiro alvinegro, que fechou o ângulo para impedir o segundo gol dos gaúchos, antes de os jogadores descerem para os vestiários.

Na volta do intervalo, o técnico Adilson Baptista já promoveu sua segunda alteração, mas, desta vez, por opção tática. Moacir, apagado na lateral direita, deu lugar ao meia Danilo, em uma tentativa de povoar um pouco mais o meio corintiano e criar mais chances de gol.

A entrada de Danilo surtiu efeito logo nos primeiros minutos da etapa complementar. Mais ofensivo, o Corinthians passou a pressionar o adversário e chegou a criar mais chances de gol. Tanta pressão logo criou a chance de o Timão empatar a partida. Após disputa de bola entre Vilson e Bruno César na área, o meia do Corinthians caiu e o árbitro Francisco Carlos Nascimento marcou pênalti. Apesar de duvidoso, o lance ainda levou o juiz a dar o segundo amarelo ao zagueiro gremista e, consequentemente, expulsá-lo. Porém, na cobrança, o chute de Iarley parou nas mãos do goleiro Victor, que caiu bem no canto esquerdo para fazer a defesa. Logo após a cobrança, o atacante corintiano ainda perdeu um gol em cima da linha, após interceptação de Rafael Marques.

Com um a menos, o Grêmio teve de mudar sua composição tática para conseguir se manter no jogo. Para isso, o técnico Renato Gaúcho colocou Paulão e Roberson em campo, nos lugares de Douglas e Jonas, respectivamente. Mesmo assim, nos minutos seguintes o que se viu foi um Corinthians mais ousado e dominando o jogo.

O time da casa foi criando boas chances pelas laterais do campo e quase chegou ao empate por diversas vezes. Nas bolas paradas, Bruno César foi quem mais levou perigo ao gol gremista. Porém, o goleiro Victor se destacou e foi segurando a vitória gaúcha.

Sem restar outra opção, o Grêmio foi se fechando ainda mais. Após a saída de Borges, o Tricolor Gaúcho ficou com todos os seus jogadores no campo defensivo, apenas segurando o placar.

Até os minutos finais, o Timão continuou pressionando, mas não conseguiu chegar ao gol de empate. Com a vitória, o Grêmio se distancia em definitivo da zona de rebaixamento. Na próxima rodada, o Tricolor Gaúcho enfrenta o Palmeiras, no Olímpico, enquanto o Corinthians enfrenta o líder, Fluminense, no Maracanã.

FICHA TÉCNICA:
CORINTHIANS 0 X 1 GRÊMIO

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 10/9/2010 – 18h30
Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Auxiliares: Pedro Jorge Santos de Araújo (AL) e Guilherme Dias Camilo (MG).
Renda e público: R$ 966.465,00 / 29.533 pagantes.

Cartões amarelos: Boquita (COR); Ferdinando, Rafael Marques, Victor, Vilson e Borges (GRE)
Cartões vermelhos: Vilson 12’/2ºT
GOLS: Douglas 33’/1ºT (0-1)

CORINTHIANS: Julio Cesar, Moacir (Danilo, int.), Paulo André, William (Defederico 18’/2ºT) e Leandro Castán; Ralf (Boquita 18’/1ºT), Jucilei, Elias e Bruno César; Jorge Henrique e Iarley. Técnico: Adilson Batista.

GRÊMIO: Victor, Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Ferdinando, Adilson, Souza e Douglas (Paulão 15’/2ºT); Jonas (Roberson 21’/2ºT) e Borges (Lúcio 37’/2ºT). Técnico: Renato Gaúcho.

Imbatível no Pacaembu, Grêmio pega o Corinthians

Corinthians pode chegar à segunda maior sequência de invencibilidade mandando jogos no estádio

Além de perseguir a liderança do Brasileirão, o Corinthians também busca alcançar um recorde neste sábado, contra o Grêmio, no Pacaembu. Se não for derrotada na partida, a equipe de Adilson Batista irá atingir a segunda maior sequência sem perder atuando no estádio, com 24 jogos. O maior período que já ficou sem derrotas foi entre 2 de agosto de 2008 e 6 de maio de 2009, quando, sob comando de Mano Menezes, o Timão ficou 26 partidas sem saber o que era derrota.

No primeiro turno deste Brasileirão, o Corinthians venceu todas as partidas em que foi mandante, algo inédito na História da competição disputada por pontos corridos. Na última partida, massacrou o Goiás com uma vitória por 5 a 1 no estádio.

Até mesmo Adilson Batista tenta entender o motivo de tamanha força corintiana atuando no Pacaembu.

– No Pacaembu, não sei se é a força da torcida, o conhecimento do campo ou o ambiente. Mas os jogadores se sentem melhor – disse o treinador, durante a entrevista coletiva na última sexta-feira, no Parque São Jorge.

Para conseguir atingir esse objetivo, Adilson mantém o mistério para escalar a equipe. Sem Dentinho e Chicão, machucados, e Alessandro, suspenso, Adilson manteve o suspense sobre Roberto Carlos e Ronaldo.

– Isso a gente tem conversado com o departamento médico, com os fisiologistas, os preparadores e também com os atletas. Ainda temos um tempo hábil para decidir se vão jogar ou não – afirmou Adilson ontem.

Mesmo na lista dos relacionados para a partida, a dupla ainda tem presença duvidosa. Ronaldo esteve me campo no ontem, no Parque São Jorge, mas Roberto Carlos apenas trabalhou na academia do clube.

Se o Grêmio derrotar o Corinthians, se livrará de mais uma gozação dos colorados: a de que estaria completando um ano sem vencer fora de casa no Brasileirão. A última vitória aconteceu em 13 de setembro de 2009: 2 a 0 sobre o Náutico, nos Aflitos, com gols de Souza e Jonas.

Os dois estarão em campo no Pacaembu. No caso de Souza, não se sabe qual será sua função – se a de meia, dividindo a armação com Douglas, ou a de segundo-volante, ajudando Adilson a carregar o piano.

– Só vou revelar o time pouco antes da partida – desconversou o técnico Renato Gaúcho na entrevista coletiva que se seguiu ao rachão da sexta-feira.

Souza,que gosta de jogar solto, foi volante na vitória de 2 a 0 sobre o Atético-GO, quarta-feira, no Olímpico. E se comportou com invejável disciplina tática: ficou recuado, fechando espaços. Depois, aprovou a ousadia de Renato, dizendo que é hora do sacrifício para tomar distância da zona de degola.

Todas essas dúvidas se devem ao desfalque de Fábio Rochemback, volante titular, com lesão no tornozelo esquerdo. Outros meio-campistas freqüentam o departamento médico: Willian Magrão, com lesão muscular, e Leandro, cortado da viagem para São Paulo devido a dores ciáticas.

O Grêmio está invicto há quatro partidas: empates com Atlético-PR e Botafogo fora de casa e vitórias sobre Guarani e Atlético-GO no Olímpico. Ocupa a 14ª posição, com 23 pontos.


FICHA TÉCNICA:
CORINTHIANS X GRÊMIO

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 10/9/2010 – 18h30
Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Auxiliares: Pedro Jorge Santos de Araújo (AL) e Guilherme Dias Camilo (MG).

CORINTHIANS: Julio Cesar, Moacir, Paulo André, William e Roberto Carlos (Leandro Castán); Ralf, Jucilei, Elias e Bruno César; Jorge Henrique e Ronaldo. Técnico: Adilson Batista.

GRÊMIO: Victor, Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Adilson, Souza, Douglas e Roberson; Jonas e Borges. Técnico: Renato Gaúcho.

Douglas trata Corinthians com carinho, mas se diz feliz no Grêmio

No sábado, meia estará pela primeira vez diante da torcida corintiana desde sua saída do clube paulista, para onde pretende voltar no futuro

Douglas será um sujeito com o coração dividido no sábado. Ao ir a campo para o jogo contra o Corinthians e encontrar a Fiel pela primeira vez desde sua saída do clube paulista, o jogador do Grêmio precisará se equilibrar entre o saudosismo dos tempos em que vestia a camisa alvinegra e a necessidade de agora dar tudo pela vestimenta tricolor. Ele sabe que seu compromisso é com o clube gaúcho, mas não esconde que pretende voltar a defender o Corinthians no futuro.

No Timão, Douglas tinha a admiração da Fiel. No Grêmio, ele ainda convive com críticas. Mesmo assim, ele se diz feliz no Olímpico.

– Tenho uma admiração enorme pela torcida do Corinthians, pelo time, mas tenho contrato com o Grêmio. No futuro, posso voltar, posso jogar. Se fosse para voltar agora, não dependeria de mim. Mas estou feliz aqui, tenho um carinho enorme pela torcida do Grêmio, me sinto em casa. Devo muito ao Grêmio, que tem uma estrutura maravilhosa, que paga em dia. (…) Gosto das duas torcidas, me sinto em casa com as duas – disse o jogador.

Douglas, em seu perfil no Twitter, descontentou alguns gremistas ao manifestar o desejo de jogar novamente no Corinthians. Ele não viu problema na declaração.

– Só falei que no futuro gostaria de voltar ao Corinthians. Não tem nada de polêmico nisso.

O jogador acredita que viverá um momento especial ao reencontrar a torcida corintiana. Mas promete dar tudo pelo Grêmio.

– Vai ser legal, vai ser importante. O torcedor corintiano é fanático, me incentivou muito. Tenho só lembranças boas da torcida. Mas vou estar defendendo o Grêmio. A festa é antes e depois do jogo. Durante, vou defender o meu – disse ele.

Douglas: ‘Aqui no Sul, se não der carrinho, não é jogador’

Meio-campista diz que passou a buscar uma adaptação ao estilo do Grêmio quando recebeu ‘vaia para caramba’

As vaias saídas da arquibancada do Olímpico soaram como um aviso para o meia Douglas. Jogador de estilo cadenciado, do tipo que poupa espaços, que prefere só correr atrás das bolas úteis, ele percebeu que teria problemas com a torcida do Grêmio se não mudasse sua característica. O camisa 10 afirma que está tentando modificar seu jeito de jogar.

– Foi algo que percebi quando recebi vaia para caramba nos jogos. O futebol, hoje em dia, está mais dinâmico, mais pegado. Aqui no Sul, se não der carrinho, não é jogador – disse o meia.

O técnico Renato Gaúcho disse que não quer ver Douglas marcando os adversários. Ele entende que o meia é craque. E craques, opina Renato, precisam criar. Mas o jogador, para abafar a fama de preguiçoso, afirma que pretende ajudar na marcação.

– Aqui, tem que marcar, tem que jogar. Tenho que me adaptar. Não posso ficar querendo só jogar, porque vão achar que sou preguiçoso, que só jogo com bola no pé. Tenho que me adaptar a essa postura. Aos pouquinhos, vou pegando o jeito – afirmou Douglas.

O camisa 10 diz que ganhou confiança com a chegada do treinador. Ele teve uma conversa com Renato e soube que tinha liberdade para criar, para ser ofensivo.

– Ele me deu a tranquilidade para poder jogar, me deu total liberdade para armar, para jogar, me passou confiança. Não foi nada muito diferente. E eu fui adquirindo essa confiança durante os jogos e os treinamentos.

Renato Gaúcho disse que o futebol de Douglas sempre foi dos melhores. Na visão do treinador, o que mudou foi a cabeça do atleta. Mas Douglas garante que segue o mesmo de sempre.

– Não mudou nada. Meus hábitos não mudaram. Continuo fazendo o que fazia antes, pensando da mesma forma. Futebol é confiança. Se não tiver, não vai jogar. Se entrar em campo pensando no que vai acontecer se errar, não dá certo. Se tem confiança, pode fazer o que quiser, pode ir para a noite, que vai dar certo.

Douglas foi o melhor em campo na vitória de 2 a 0 sobre o Atlético-GO, nesta quarta-feira, no Olímpico. Ele fez um golaço em cobrança de falta combinada com Souza.

– Foi um belo gol. Peguei muito bem na bola – comemorou o articulador.