Gremio esta fora das semifinais

Colorado vira o jogo e garante vaga nas semifinais do Gauchão

LANCEPRESS!

O Internacional realizou na tarde deste domingo, no Beira-Rio, o evento mais importante de todos que produziu desde sexta-feira, para celebrar o Centenário: ganhou do Grêmio. Por 2 a 1, e de virada. Foi a terceira no Gauchão sobre o rival – e a mais importante do ano, como salientou D’Alessandro, que entrou faltando 26 minutos e foi decisivo.

Confira a opinião de Benja sobre o Gre-Nal

Com o triunfo, o Colorado enfrentará no próximo domingo, pela semifinal, o vencedor de Ulbra x Inter-SM, jogo desta segunda-feira em Canoas. Mais de 40 mil colorados cantaram o “Parabéns a Você” e gritaram “é campeão, é campeão”.

Foi justo. O Grêmio entrou muito bem armado, marcou muito forte e acertou duas bolas na trave. Mas foi o Inter que sempre tentou botar a bola no chão e construiu sua vitória na base do talento.

Celso Roth surpreendeu com uma mexida geral no sistema defensivo do Grêmio: o zagueiro Réver cedeu o lugar a Thiego e foi atuar de volante, ao lado de Adilson; Souza saiu do meio-campo e foi ser ala-direita, quando todos esperavam Makelelê pelo lado do campo.

Com isso, o Tricolor povoou sua intermediária e impediu que o Inter pusesse em prática o que tem de melhor – o toque de bola envolvente pelo meio, pelo menos no primeiro tempo. E Souza, pelo lado, impediu os avanços de Kleber. Roth deixou espaço para Bolívar, cujo forte não é o apoio.

Em termos ofensivos, Roth, como sempre, concebeu o trivial: bola alta para a área adversária. Em dois momentos, conseguiu criar perigo. Aos 10, num entrevero que se seguiu a um escanteio, Leo foi derrubado por Sandro. Gaciba não marcou o pênalti, preferindo compensar num lance discutível, aos 19: Fábio Santos cruzou da esquerda e, Tcheco, ao disputar com Kleber, caiu na área. O próprio Tcheco bateu, no canto direito, deslocando Lauro.

Depois disso, o Inter pressionou mais forte. Aos 26, Guiñazú arriscou de fora da área e a bola raspou o poste direito. Aos 31, pressionado na defesa, Indio chutou para a frente. Havia espaço para a corrida de Nilmar. Thiego se precipitou e, no carrinho, derrubou o atacante. Andrezinho bateu mal, no canto direito. Victor tocou na bola. Mas ela passou por baixo de seu corpo.

Um duelo interessante envolveu Magrão e Tcheco. Aos 3, o colorado levou vantagem, entrou livre pela esquerda e, em vez de bater rasteiro para Nilmar, cruzou alto. Mas, no geral, no primeiro tempo o gremista levou vantagem: marcou bem e conseguiu espaço para armar.

Mas no segundo tempo o panorama mudou. O Inter colocou os nervos no lugar e tratou de valorizar a posse de bola. Na base do toque, manteve-se quase sempre no ataque, até conseguir o seu gol, aos 32.

O Grêmio nunca se entregou. Mas criou suas chances apostando na cavação de faltas e em bolas alçadas.

Aos 8, quando só o Colorado jogava, Nilmar ganhou de Thiego na corrida e perdeu gol feito: precipitou-se e chutou fraco, para defesa de Victor. O Grêmio reagiu com cobrança de falta de Souza no travessão, aos 12. Este, já atuando pelo meio, enquanto Adilson ia para a ala, até que tentava tabelas com Tcheco. Mas o meio-campo colorado, com Sandro e Guiñazú em alto nível, bloqueava e saía armando.

Aos 17, Victor saiu mal e Magrão quase desempatou. O Grêmio criou duas chances magníficas em seqüência, aos 23 e aos 24, e aparando de cabeça duas cobranças de falta por Tcheco. Na primeira, Jonas cabeceou no poste esquerdo; na segunda, Réver cabeceou e Guiñazú tirou em cima da linha.

D’Alessandro, que substituíra Andrezinho aos 19, foi centro de um rolo aos 27. Caiu, foi agredido por Rafael Marques, e Taison reagiu por ele. O zagueiro e o atacante foram expulsos, mas D’Alessandro continuou em campo para, junto com Indio, decidir o clássico. Aos 32, o argentino fez uma cavadinha brilhante por cima do paredão de zagueiros: Indio partiu de trás. Victor saiu do gol esperando ser encoberto e saltando na frente do colorado; mas Indio bateu pelo lado.

O zagueiro mostrou categoria de atacante. E não por acaso. Foi seu quinto gol nos últimos sete clássicos, de um ano para cá.

Depois, foi defender o resultado – bloqueando na entrada da área e saindo em toques.

O Grêmio ainda criaria a chance que, se convertida, levaria a decisão para os pênaltis. Tcheco cobrou nova falta, da direita. Lauro saiu mal. O ala Fábio Santos, livre, mas sem a categoria de Indio, chutou para fora.

FICHA TÉCNICA

INTERNACIONAL 2 X 1 GRÊMIO

Estádio: Beira-Rio (Porto Alegre, RS)
Data-hora: 05/04/2009 – 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba
Auxiliares: Altemir Hausmann e Júlio César dos Santos
Renda e público: R$ 535.444,00 e 44.590 (público total)
Cartão amarelo: Álvaro, Kleber (I), Thiego (G)
Cartão vermelho: Taison (I) e Rafael Marques (G) 27 do segundo tempo
Gols: Tcheco (G) 19, Andrezinho (I) 33 do primeiro tempo; Indio 32 do segundo.

INTERNACIONAL: Lauro; Bolívar, Indio, Álvaro e Kleber; Sandro, Magrão (Marcelo Cordeiro 46/2T), Guiñazú e Andrezinho (D’Alessandro 19/2T); Taison e Nilmar (Alecsandro 41/2T). Técnico: Tite

GRÊMIO: Victor; Leo, Rafael Marques e Thiego; Souza, Réver, Adilson (Makelelê 22/2T), Tcheco e Fábio Santos; Herrera (Reinaldo 22/2T) e Jonas (Maxi López 37/2T). Técnico: Celso Roth.

Inter e Grêmio decidem vaga no Gaúcho

Internacional defende invencibilidade contra força máxima do Grêmio

LANCEPRESS!

Todos esperavam que o Gre-Nal fosse o jogo da decisão do segundo turno do Gauchão. Os dois grandes eliminariam seus adversários na quarta-de-final e na semifinal e se encontrariam para decidir essa fase (o Colorado, por ter conquistado o primeiro turno, seria declarado campeão com uma vitória). Mas a derrota para o Caxias, quinta-feira, por surpreendentes 4 a 0, deslocou o Grêmio do primeiro para o quarto lugar do Grupo 2, o que o obrigará a enfrentar o Inter, primeiro do Grupo 1, na quarta-de-final. O Gre-Nal 376, assim, acontecerá às 17h deste domingo, no Beira-Rio.

Se houver empate nos 90 minutos, cobranças de pênaltis decidirão quem irá para a semifinal, no fim-de-semana seguinte. O adversário sairá de Ulbra x Inter-SM, segunda-feira à noite, em Canoas.

Os reservas escalados por Roth atuaram mal além da conta contra o Caxias. Repetir a escalação de Caxias do Sul seria expor o clube ao risco de um vexame ainda maior. Por isso, a diretoria e o técnico Celso Roth optaram por força máxima no clássico, mesmo tendo jogo da Libertadores dois dias depois – contra o Aurora, no Olímpico. A liderança do Grupo 7 e a fragilidade do adversário boliviano facilitaram a tomada dessa decisão.

Mas o time atuará desfalcado de dois titulares: o ala-direita Ruy e o atacante Alex Mineiro, ambos com lesão muscular.

Para a vaga de Ruy, Roth tem Makelelê, uma espécie de curinga, que tem atuado na ala e no meio-campo. E com destaque: ele criou as jogadas dos dois gols da última vitória – sobre o São Luiz, segunda-feira passada, com titulares – e foi um dos poucos que se salvaram no desastre de Caxias do Sul.

Alex Mineiro recebeu críticas pela escassez de gols, apenas quatro na temporada. Mas pelo menos estava entrosado. As alternativas disponíveis não são animadoras, pelo que têm rendido. Os argentinos Herrera e Maxi López ainda não estão em plena forma e Reinaldo nunca se firmou. O provável parceiro de Jonas é Herrera, por ser o mais aguerrido dos três.

O Inter exibe uma reluzente invencibilidade no Gauchão, com 15 vitórias e três empates. Sua única derrota na temporada foi para o União, por 1 a 0, em Rondonópolis, MT, pela Copa do Brasil. Vai para este clássico como favorito também pelas vitórias nos dois confrontos anteriores pelo Gauchão, ambas por 2 a 1. Mas principalmente pelo momento: as jogadas fluem e a dupla de ataque, formada por Taison (14 gols, artilheiro do campeonato) e Nilmar (10 gols), tem dado trabalho às defesas adversárias.

O único desfalque, se é que se pode chamar assim, será D’Alessandro, em recuperação de lesão muscular na coxa direita. Substituído por Andrezinho ao longo do segundo turno, o argentino não deixou saudade, inclusive porque não reprisava as atuações de 2008.

Tite fechou os portões do estádio do São José, nesta sexta-feira (o Beira-Rio estava interditado para a festa do Centenário), faz mistério inclusive sobre D’Alessandro e, claro, esconde a escalação. Mas ela deverá ser a mesma dos últimos jogos. O volante Sandro, expulso contra o Juventude, cumpriu suspensão na rodada do meio da semana, quando na verdade todos os titulares foram poupados. E Kleber, de volta da Seleção, estará firme na lateral-esquerda.

FICHA TÉCNICA

INTERNACIONAL X GRÊMIO

Estádio: Beira-Rio (Porto Alegre, RS)
Data-hora: 05/04/2009 – 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba
Auxiliares: Altemir Hausmann e Júlio César dos Santos
INTERNACIONAL: Lauro; Bolívar, Indio, Álvaro e Kleber; Sandro, Magrão, Guiñazú e Andrezinho; Taison e Nilmar. Técnico: Tite

GRÊMIO: Victor; Leo, Réver e Rafael Marques; Makelelê, Adilson, Tcheco, Souza e Fábio Santos; Herrera (Reinaldo) e Jonas. Técnico: Celso Roth.