Willian Magrão renova até 2012

Volante se recupera de lesão e voltará aos gramados no segundo semestre

Ampliar Foto Agência/Estado Agência/Estado

Willian Magrão, em um dos jogos de 2009

O volante Willian Magrão renovou com o Grêmio até 2012. Desde janeiro deste ano se especulava a prorrogação de contrato, que foi divulgada na última terça, no Boletim Informativo (BID) da CBF.

Willian Magrão se recupera de uma cirurgia delicada no joelho e tem previsão de volta aos gramados para o segundo semestre, mais provavelmente em setembro, em meio ao Brasileirão 2009.

Grêmio está de olho em Lucio Flavio e Tulio

Jogadores reforçariam o time nas próximas fases da Libertadores

Ex-jogadores do Botafogo podem reforçar o Grêmio na Libertadores (Crédito: Arquivo)

LANCEPRESS!

Renato, ex-Flamengo, continuará no Al-Shabbab, dos Emirados Árabes, e Rafael Carioca, do Spartak Moscou, não voltará para o Olímpico. Sem conseguir trazer esses dois, o Grêmio pretende reforçar seu elenco para as próximas fases da Libertadores com dois jogadores que já brilharam no Botafogo: o volante Túlio, hoje no Corinthians, e Lucio Flavio, no Santos.

A direção do Grêmio não confirma, mas quer concretizar os negócios até esta sexta-feira. Renato e Rafael Carioca chegaram a ser inscritos na CBF antes do prazo de encerramento fixado para jogadores contratados no exterior. Mas, diante do fracasso, o Tricolor se voltou para o mercado interno.

Segundo especulações correntes no Estádio Olímpico, o nome de Lucio Flavio teria sido indicado por Paulo Autuori, que assumirá o comando do time a partir da segunda quinzena de maio. Lucio Flavio vem amargando o banco de reservas no Santos.

Além dele, a diretoria gremista pretende contratar um volante. E Túlio é o pretendido, por ter características semelhantes às de Rafael Carioca: é bom de desarme e sua saída de bola é de qualidade.

Grêmio garante melhor campanha da primeira fase com vitória sobre o Boyacá

Grêmio garante melhor campanha da primeira fase com vitória sobre o Boyacá

Tricolor faz 3 a 0 somente no primeiro tempo e chega aos 16 pontos

Ampliar Foto Agência/AFP Agência/AFP

Jogadores comemoram um dos gols de Souza

O Grêmio só precisou do primeiro tempo para construir a vitória de 3 a 0 sobre o Boyacá Chicó, nesta terça-feira, em Porto Alegre. Souza, duas vezes, e Léo marcaram os gols. O triunfo garantiu ao Tricolor a melhor campanha da fase de grupos da Taça Libertadores com 16 pontos, além da melhor defesa, sofrendo apenas um gol em seis jogos. O time colombiano (nove) acabou sendo ultrapassado pelo Universidad de Chile (dez) no Grupo 7 nesta última rodada e está eliminado. Brasileiros e chilenos aguardam o encerramento das demais chaves para conhecer seus adversários.

O jogo

O volume de jogo que o Grêmio teria durante todo o primeiro tempo foi mostrado logo aos dois minutos por Jonas. Ele entrou driblando na área e caiu. Pediu pênalti, mas o árbitro Jorge Larrionda não deu. Aos seis, Ruy aproveitou rebote no bico direito e pegou de primeira. O goleiro Velásquez espalmou para o lado.

Coube a Souza superar o goleiro do Boyacá e abrir a porteira. O meia avançou pela meia esquerda, viu Velázquez adiantado e mandou de trivela, no ângulo oposto, com 16 de jogo. Avalanche no Olímpico!

Quatro minutos depois, placar ampliado. Jonas trocou de posição com Souza e da intermediária lançou o meia, que desta vez apareceu pela direita. O chute de primeira colocou a bola no fundo do gol para deixar o placar já em 2 a 0.

Jonas viu seu companheiro marcar duas vezes e tentou correr atrás do “prejuízo”. Aos 23, Souza tabelou com Maxi López e deu passe para Jonas na área. O atacante girou e chutou por cima do gol. Com 28 minutos, o mesmo Jonas arriscou de fora da área e novamente a bola passou sobre o travessão.

Se Jonas não consegue fazer, os outros jogadores tinham aproveitamento melhor. Aos 29 minutos, Tcheco bateu falta para a área, Réver ajeitou e Léo completou para fazer o terceiro.

A vitória estava praticamente garantida, a melhor campanha também, mas Jonas não desistiu de tentar deixar a sua marca. Com 39 de jogo, Tcheco ganhou dividida na intermediária e deu passe rasteiro para a entrada de Jonas na área. Velásquez saiu do gol e fechou o ângulo, evitando que o chute do atacante fosse para dentro do gol.

Boyacá ensaia reação

A etapa final começou com um susto para a torcida tricolor. Léo derrubou Giron na área, cometendo pênalti aos sete minutos. Caneo foi para a cobrança e converteu. Entretanto, o árbitro uruguaio assinalou invasão, e o jogador do time colombiano teve que repetir. Na segunda tentativa, Caneo manteve o canto esquerdo, e Victor voou para fazer a defesa.

O Grêmio aguentou bem a pressão inicial dos visitantes e aos 20 minutos quase chegou ao quarto. Souza cruzou da direita, Maxi López não alcançou, e Fábio Santos chutou de primeira na segunda trave. O chute pegou o argentino na queda. A bola bateu no calcanhar do atacante e foi pela linha de fundo.

A melhora da equipe colombiana e a queda de rendimento no Grêmio resultaram em uma diminuição no ritmo da partida. Sem outras grandes emoções, o placar ficou mesmo nos 3 a 0.

Ficha técnica:

GRÊMIO 3 x 0 BOYACÁ CHICÓ
Victor; Leo, Rafael Marques e Réver; Ruy, Adilson, Souza, Tcheco (Orteman) e Fábio Santos (Jadilson); Jonas e Maxi López (Alex Mineiro). Velásquez; Pino, Tejera (Giron), García e Madera; Ramírez, Tapia (Rada), Núñez e  Caneo; Palacios e Pérez (Duran).
Técnico: Marcelo Rospide. Técnico: Alberto Gamero.
Gols: Souza, aos 12 e 16 minutos, Léo, aos 29 do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Tcheco e Rafael Marques (Grêmio); Nuñez, Pino e García (Boyacá Chicó).
Estádio: Olímpico, em Porto Alegre (RS). Data: 28/04/2009. Árbitro: Jorge Larrionda (Uruguai). Auxiliares: Pablo Fandiño (Uruguai) e Miguel Nievas (Uruguai).

Grêmio enfrenta Boyacá por melhor campanha

Com vitória, Tricolor decidirá todos os jogos do mata-mata em casa

LANCEPRESS!

Dono da melhor campanha entre os 32 disputantes da Libertadores, o Grêmio quer manter essa condição ao disputar sua última partida pelo Grupo 7, contra o Boyacá Chicó, às 19,30h desta terça-feira, no Olímpico. Com uma vitória, saltaria dos atuais 13 pontos para 16. Os concorrentes são Boca Juniors e Libertad, ambos com 12 pontos.

Como primeiro colocado, o Tricolor garantiria o segundo confronto em casa até o final da competição, que entra no sistema de mata-mata já na próxima fase. E com uma vantagem: nas oitavas-de-final, pegaria o pior colocado (16º) na fase de grupos. O adversário será um destes quatro: Defensor, do Uruguai, Universitário, San Martín (ambos do Peru) ou San Luís, do México.

— O Grêmio cresce nas decisões da Libertadores, e desta vez não vai ser diferente – afirmou Tcheco, o capitão.

Tradicional disputante de Libertadores, com dois títulos (1983 e 1995) e outras duas finais (1984 e 2007), o Grêmio fez o que se esperava ao cair num dos grupos mais fracos: em cinco jogos, venceu quatro e empatou um – este, o do incrível 0 a 0 da estréia, em casa, quando criou 14 chances de gol contra o Universidad de Chile. E se em 2007, quando foi vice sob o comando de Mano Menezes, venceu apenas uma vez como visitante, este ano o Tricolor já ganhou as três que disputou fora de casa.

Das quatro vitórias, as duas últimas foram conquistadas sob o comando do técnico interino Marcelo Rospide, substituto do demitido Celso Roth – sobre o Aurora no Olímpico e o Universidad em Santiago. O que afastou qualquer resquício de crise.

O time vai completo para cima do Boyacá. Ruy se recuperou de lesão muscular e voltará a ocupar a ala-direita. Alex Mineiro, que tinha o mesmo problema, também já está à disposição. Mas ficará no banco de reservas.

— Jonas já tem algum entrosamento com Maxi López, e será importante usar isso – explicou Rospide, que pretende utilizar Alex Mineiro no decorrer do segundo tempo.

Titular absoluto do ataque, Maxi López cresce de produção a cada jogo. Mais confiante, ele projeta uma vitória sobre os colombianos. E nem leva muito em conta o fato de o Grêmio fazer os segundos confrontos no Olímpico.

— Para sair campeão, um time tem de ser o mesmo como mandante ou visitante. Não pode esperar para resolver as coisas em casa. O Grêmio está provando que é dessa estirpe – afirmou o argentino, que se impressionou com a grande presença de público no treino da manhã de domingo.

— Nunca vi disso antes – comentou.

O Boyacá Chicó tem uma pequena esperança de se classificar. O técnico Alberto Gamero projeta um empate, esperando que o Aurora vença o Universidad de Chile. A equipe vem confiante. No fim de semana, goleou o Cúcuta por 4 a 0 no campeonato nacional.

— Não acredito que o time fure a defesa do Grêmio. O ataque é fraco, falta um goleador nato – disse Andrés Galvez, da Radio Boyacá, que acompanhou a delegação colombiana a Porto Alegre.

FICHA TÉCNICA

GRÊMIO X BOYACÁ CHICÓ

Local: Estádio Olímpico (Porto Alegre, RS)
Data-hora: 28/04/2009 – 19,30h (horário de Brasília)
Árbitro: Jorge Larrionda (URU)
Auxiliares: Pablo Fandiño e Miguel Nievas (URU).

GRÊMIO: Victor; Leo, Rafael Marques e Réver; Ruy, Adilson, Tcheco, Souza e Fábio Santos; Jonas e Maxi López. Técnico: Marcelo Rospide.

BOYACÁ CHICÓ: Velásquez; Pino, Tejera, García e Madera; Rada, Ramírez, Tapia e Núñez; Caneo e Pérez. Técnico: Alberto Gamero.

Rospide escala Maxi López contra o Boyacá Chicó

Treino deste domingo define equipe do Grêmio para jogo da Libertadores

Ampliar Foto Agência/AFP Agência/AFP

Maxi Lopez quer se firmar como titular do Grêmio

A manhã deste domingo foi de muito trabalho para os jogadores do Grêmio e serviu para definir a equipe que enfrentará o Boyacá Chico, da Colômbia, na próxima terça-feira, pela Copa Libertadores. O técnico Marcelo Rospide confirmou a presença do argentino Maxi López no ataque ao lado de Jonas. Assim, a equipe tricolor entrará em campo com: Victor, Leo, Rafael Marques e Rever; Ruy, Adilson, Tcheco, Souza e Fabio Santos; Jonas e Maxi López.

Em busca de espaço no time titular do Grêmio, Maxi López acredita que o confronto desta terça-feira será uma grande oportunidade de mostrar serviço.
– Eu estou confiante, o grupo me recebeu muito bem e isso é importante para mim, para que eu me sinta bem dentro de campo. Vou me esforçar ao máximo ao lado do Jonas, que é um jogador de muita movimentação. Mas o Grêmio tem muitos atacantes de qualidade, como o Herrera e o Alex Mineiro, que têm condições de serem titulares da equipe, por isso quero fazer o melhor para garantir o meu espaço – disse o atacante ao site oficial do clube.

A delegação gremista inicia a concentração para o jogo contra o Boyacá Chico na noite deste domingo. Na segunda-feira pela manhã, será realizado o último treinamento antes da partida que acontece às 19h30m desta terça-feira.

window.google_render_ad();

Libertadores: turma de trás tenta fugir do Grêmio

Tricolor gaúcho está perto de garantir a primeira colocação geral

LANCEPRESS!

O time do Grêmio depende apenas dele mesmo para garantir a primeira colocação geral na fase de grupos da Libertadores. Uma vitória simples sobre o Boyacá Chicó (COL), terça-feira, no Olímpico, concede à equipe gaúcha o privilégio de decidir todos os confrontos, até uma eventual final, da fase mata-mata dentro de seus domínios.

Caso se confirme o primeiro lugar geral, nas oitavas-de-final o Tricolor enfrentará a equipe de pior desempenho da segunda fase (grupos). São quatro os possíveis adversários: Defensor (URU), San Martín (PER), Universitario (PER) ou San Luis (MEX).

Destes, o confronto mais provável é contra o Defensor Sporting, do Grupo 4. Os uruguaios encerraram sua participação, quarta-feira passada, com oito pontos e nenhum gol de saldo. As outras três equipes têm mais uma rodada, que será disputada na próxima semana, para pontuar e fugir do time de melhor campanha.

Os peruanos San Martín e Universitario precisam apenas de um empate, fora de casa, contra River Plate (quinta-feira) e San Lorenzo (terça-feira) – eliminados –, respectivamente, para chegarem aos nove pontos e enfrentarem times teoricamente mais fracos nas oitavas.

Correndo por fora, no Grupo 8, a equipe mexicana do San Luis precisa vencer o Libertad (terça-feira), no Paraguai, e torcer por uma derrota do Universitario para se classificar com oito pontos. Se tiver pelo menos um gol de saldo, se livra do Grêmio na próxima fase.

Ruy diz que time do Grêmio é mais equilibrado do que o de 2007

Lateral lembra da importância de terminar com a melhor campanha na fase de grupos: jogar a segunda partida do mata-mata em casa

Ampliar Foto Divulgação/Site Oficial do Grêmio Divulgação/Site Oficial do Grêmio

Ruy: ‘É preciso ter cuidado’

Depois de 21 dias parado por causa de uma lesão, o lateral-direito Ruy está recuperado e volta ao time do Grêmio no jogo contra o Boyacá Chicó, nesta terça-feira, pela Libertadores. Em entrevista à Rádio Gaúcha, o jogador declarou que é preciso ter cuidado na próxima fase da competição:

— Não adianta nada largar bem e na fase eliminatória não apresentar um bom futebol. Depois da fase de grupos, é outra Libertadores — disse.

Ruy mencionou algumas equipes que costumam crescer em confrontos eliminatórios, como o São Paulo e o Boca Juniors. Além do próprio Grêmio:

— São equipes que têm muita torcida, que crescem muito. É preciso ter cuidado com todas, mas essas pesam mais — afirmou.

O jogador também falou sobre a importância de decidir os confrontos em casa, e que o time está ciente da importância de consolidar a melhor campanha na fase de grupos. Ele lembrou do time do Grêmio vice-campeão em 2007, que usou o apoio da torcida para superar os adversários, e comparou com o grupo atual:

— Esse ano a equipe está um pouco mais equilibrada (do que a de 2007). Os jogadores experientes estão fazendo a diferença — declarou.

Alex Mineiro espera voltar em melhor fase do que quando saiu do time com lesão

Jogador revelou que o tempo parado serviu para aprimorar a parte física

Ampliar Foto Agência/Estado Agência/Estado

Alex Mineiro conta que a ansiedade atrapalhou no passado e espera melhorar suas atuações agora

Depois de quase um mês parado, Alex Mineiro voltou a trabalhar junto com os companheiros na manhã desta quarta e está à disposição do técnico Marcelo Rospide para o confronto frente ao Boyacá Chicó, dia 28, em jogo válido pela última rodada da primeira fase da Taça Libertadores. O jogador espera voltar em melhor fase do que quando foi obrigado a deixar a equipe.

– Eu estava muito ansioso, já que os gols não vinham saindo. Nada melhor do que o trabalho para que as coisas aconteçam, para que você possa pensar naquilo que está certo ou errado. Esta lesão serviu para que eu possa aprimorasse melhor a parte física – disse Alex Mineiro.

O atacante garante que a indefinição em relação ao técnico não está atrapalhando a equipe. Alex elogiou a atitude da diretoria, que dá respaldo ao interino Marcelo Rospide. O jogador, que já trabalhou com o provável novo técnico em duas oportunidades – no Kashima Antlers, em 2006, e no Cruzeiro, em 2007 – disse que é muito fácil falar do profissional:

– Por tudo o que ele representa no futebol brasileiro, fica fácil falar dele. Vamos torcer para que ele acerte e nos ajude bastante – salientou.

Grêmio usa semanas sem jogos para chegar ao Brasileirão em forma

Clube adianta planejamento e faz avaliações físicas dos jogadores

Ampliar Foto divulgacao/Site Oficial do Grêmio divulgacao/Site Oficial do Grêmio

Jogadores tem trabalhado mais a parte física

Ninguém no Olímpico queria ser eliminado do Gauchão, tanto que a última derrota para o Inter custou o emprego do técnico Celso Roth. Porém, com o fim da participação no campeonato estadual, o Grêmio tem apenas os jogos pela Libertadores, e, por isso, projeta benefícios na parte física. A ideia é já começar o Campeonato Brasileiro com o condicionamento do time perto do ideal, enquanto outras equipes ainda estarão se recuperando de outras disputas.

– A ênfase dos trabalhos agora é física. Acreditamos que no início do campeonato já tenhamos esta resposta. Temos o exemplo do ano passado, quando, infelizmente, ficamos fora do Gauchão, mas arrancamos muito bem no Brasileirão. Aquele foi um diferencial da boa campanha – afirma o preparador físico interino, Luciano Ilha.

Agora, por exemplo, o time está com um intervalo de quase duas semanas entre a vitória contra o Universidad do Chile em Santiago e a próxima partida, contra o Boyacá Chicó, no Olímpico. Para aproveitar isto, o departamento físico do clube montou um planejamento que não seria possível em uma época de jogos às quartas e domingos.

Mais calma para fazer ajustes
No fim de semana, os jogadores tiveram dois dias de folga, algo incomum para o meio da temporada. No retorno aos trabalhos, passaram os dois primeiros dias da semana fazendo avaliações físicas paralelas aos treinos. Estes testes indicam quais aspectos precisam ser aprimorados.

– A vantagem é que podemos utilizar este período tanto para recuperação quanto para investimento em alguma variável da parte física, mas isso pode ser incorporado em um trabalho com bola. Como os resultados dos testes foram satisfatórios, não chega a ser como uma pré-temporada. Apesar de ter jogado muito e treinado pouco, a equipe está num nível muito bom, então não há necessidade de investimento na parte física, só manutenção – explica o fisiologista do clube, Luis Cesar Martins.

Na verdade, o planejamento feito no início da temporada já previa um período de ajustes antes do início do Brasileirão. A mudança de planos causada pela eliminação no Gauchão apenas adiantou este trabalho.

– O benefício que ficar é ter um tempo maior para estar afinado nesta etapa importante: o mata-mata da Libertadores e o início do Brasileirão – diz Ilha.

Por isto, nestes dias, é comum ver no campo suplementar do Olímpico aqueles trabalhos físicos com cones, estacas e borrachas. De acordo com Luciano Ilha, são exercícios de força e velocidade, com distâncias curtas e intensidade alta. A partir desta quarta, porém, a parte técnica e tática volta a equilibrar a programação. É que a comissão técnica já projeta o jogo contra os colombianos, na próxima terça-feira.


Grêmio: Mauro Galvão promete reforços

Diretor-executivo diz que time não poupará titulares no Brasileiro

LANCEPRESS!

O Grêmio já garantiu a vaga na segunda fase da Libertadores. Porém, o elenco que conquistou a classificação antecipada poderá receber novos atletas nas oitavas-de-final. O diretor-executivo Mauro Galvão disse que as portas do clube estão abertas e reforços podem chegar ao Olímpico.

– Temos a possibilidade de trazer alguns reforços para a segunda fase da Libertadores e também para o Brasileirão. Os que jogam no Exterior, só poderemos trazer quem está pré-inscrito e nós temos dois nesta situação (Rafael Carioca e Renato). Vamos procurar reforçar também nosso grupo para o Brasileirão, já que é uma competição muito longa e precisamos de um grupo forte. Mas vamos esperar um pouco mais para entrar em contato com o treinador que iremos contratar e entrar em sintonia com o que ele pensa, pois o novo técnico tem que participar desta decisão – disse Galvão.

Apesar de ter a Libertadores como grande objetivo no ano, Mauro Galvão garantiu que os titulares não serão poupados no início do Brasileirão mesmo com o time estiver na maior competição internacional:

– O Grêmio vai com o que tiver de melhor, com todo o time titular. Entendemos que o Brasileirão é uma competição muito difícil, que dá aos primeiros colocados a condição de ir a Libertadores. Vamos com toda a força, mesmo disputando a Libertadores.

Renato fala sobre rejeição do Grêmio a seu nome

Técnico rompe o silêncio e irá conceder entrevista coletiva

LANCEPRESS!

Renato Portaluppi vai conceder entrevista coletiva para esclarecer o que anda sendo dito a seu respeito desde a demissão de Celso Roth e, também, falar sobre os apelos da torcida para que ele, o herói de Tóquio, seja o técnico do Grêmio.

A informação é da coluna online “No Ataque”, de Diogo Olivier, no ClicRBS. Ela diz que Renato tem apenas uma dúvida, que será dirimida conforme os fatos evoluírem: ele não sabe se esclarecerá apenas a questão da dívida do clube com ele ou se tratará também da rejeição a seu nome entre os dirigentes.

Nos últimos dias, as críticas a Renato tornaram-se pesadas. Tcheco, o capitão, viu-se obrigado a negar a existência de veto por parte dos jogadores ao maior ídolo da história do Grêmio.

Renato se aborreceu com uma informação que, ele acredita, partiu de algum canto do Olímpico: a de que exigiu o pagamento à vista da dívida de R$ 1,1 milhão para aceitar sua sua volta ao clube.

No fim dos anos 90, o clube recorreu a Renato para saldar débitos. O ex-jogador atendeu ao apelo e, em troca, recebeu parte dos passes de Ronadinho e Tinga. Não foi ressarcido. E aceitou entrar no condomínio de credores criado na gestão do presidente Paulo Odone para receber a longo prazo.

Ele promete romper o silêncio até o fim do mês.

Tcheco estima em 80% a participação de Celso Roth nas vitórias

Meia tricolor faz o cálculo dos jogos treinados por Rospide

Ampliar Foto Agência/EFE Agência/EFE

Tcheco comemora gol contra o Aurora

Segundo o meia Tcheco, o ex-técnico gremista Celso Roth teve altíssima taxa de contribuição nas vitórias do Grêmio sobre Aurora e Universidad de Chile, pela Taça Libertadores. O jogador chegou a fazer uma projeção percentual da influência do trabalho do treinador, substituído pelo auxiliar Marcelo Rospide nas duas partidas.

– Dá para dividir em uns 80%, 75%, a participação do Celso nesses dois jogos – avalia.

Mas Tcheco fez questão de ressaltar a importância de Rospide na orientação de variações no posicionamento dos jogadores, embora a base tática tenha sido mantida.

Neste assunto, o capitão Tricolor evita se arriscar em sugerir ao futuro técnico do Grêmio qual caminho deve ser seguido: o 4-4-2 ou o 3-5-2:

– Isso é coisa que não se faz para o treinador, sugerir o que deve ser feito. Com certeza o que for decidido poderá ser cumprido – avalia.

Tcheco e os demais atletas do Grêmio que venceram pela Taça Libertadores a Universidad de Chile apenas fazem nesta sexta-feira um treinamento regenerativo, enquanto os reservas trabalham no Campo Suplementar do Estádio Olímpico.

No final de semana, os jogadores recebem folga geral.

Jonas não teme concorrência no ataque

Jogador espera ser titular na disputa com Alex Mineiro e Maxi López

Ampliar Foto Nabor Goulart/Agência Free Lancer Nabor Goulart/Agência Free Lancer

Jonas comemora gol pelo Tricolor gaúcho

O atacante Jonas, que teve um bom início de temporada pelo Grêmio, não teme a disputa de posição com os companheiros. Mas também evita dar uma opinião definitiva sobre o assunto:

– Com qualquer um o Grêmio vai estar bem servido – pondera.

Sobre as parcerias com Alex Mineiro ou Maxi López, ou então sobre a possibilidade de ficar de fora, Jonas recorda o começo de ano com gols.

– Não digo que isto me dá alguma vantagem, mas com certeza estou treinando forte para ser o titular – afirma.

Maxi López cresce com mais um gol. ‘Tem a cara do Grêmio’, diz Tcheco

Argentino dificilmente deixará a equipe, mesmo quando Alex Mineiro voltar. Dirigente lembra que ele veste o número 16, o mesmo de Jardel em 1995

Ampliar Foto Agência/AFP Agência/AFP

Maxi López comemora o seu gol contra o Universidad do Chile

‘É a oportunidade ideal para mim’, disse Maxi López um dia antes de ir a campo contra o Universidad de Chile. O argentino imaginava que, com outra boa atuação, encaminharia a condição de titular absoluto do Grêmio. E ele acertou na mosca. Ao marcar o segundo gol tricolor na vitória de 2 a 0 no Estádio Nacional, em Santiago, o cabeludo cresceu ainda mais na parada. Ele começa a provar que o clube gaúcho fez bem em investir pesado nele.

– O Maxi primeiro teve que entrar em forma, depois ganhar ritmo de jogo. É um processo normal. Aos poucos, ele começa a ser aquele Maxi que todos querem ver. É um jogador que tem a cara do Grêmio, esse espírito de luta. Ele incorpora isso – comentou o capitão Tcheco.

“La Barbie”, como o atleta é chamado na Argentina, já havia feito gol contra o Aurora, na partida anterior. Em crescimento, ele ainda não se considera titular absoluto e comemora o carinho que já recebe da torcida.

– Temos muitos atacantes qualificados no elenco. Estamos com dois atletas lesionados, o Alex Mineiro e o Perea, que logo poderão nos ajudar, e ainda temos Jonas e Herrera, que são grandes jogadores. Ao torcedor, eu digo que vou sempre lutar muito para fazer cada vez mais gols – comentou o gringo.

O bom desempenho do argentino já contagia até os dirigentes do Grêmio, que deram a ele a camisa 16 na inscrição da Libertadores, mesmo número utilizado pelo lendário centroavante Jardel no bi continental, em 1995.

– A camisa 16 voltou a brilhar na Libertadores. Isso é muito importante para nós – derreteu-se o assessor de futebol do Grêmio, Luiz Onofre Meira.

Mesmo 100%, técnico interino não tem sonho de ser efetivado

Marcelo Rospide ganha elogios da diretoria, tem o respaldo do elenco, mas sabe que deixará o cargo em breve

Ampliar Foto Divulgação/Site Oficial do Grêmio Divulgação/Site Oficial do Grêmio

Marcelo Rospide concede entrevista aos jornalistas

Dois jogos, duas vitórias. O interino Marcelo Rospide tem 100% de aproveitamento como técnico do Grêmio. O rendimento dele na Libertadores seria suficiente para despertar o sonho de ser mantido no cargo. Mas ele não tem esperanças. O profissional sabe que deixará o posto de comandante em breve.

– Tenho a dimensão de como são as coisas. Sou funcionário do clube há muito tempo. Sei que a diretoria está trabalhando para buscar um treinador mais consagrado – afirmou o interino, auxiliar de Celso Roth até o antigo treinador ser demitido.

Enquanto o clube não fecha com o novo técnico, a diretoria enche o interino de elogios.

– O técnico do momento é o Rospide, que é 100%. Ele está de parabéns pelo excelente trabalho realizado – disse o diretor de futebol do Grêmio, André Krieger.

O presidente Duda Kroeff deu discurso parecido e disse que o profissional, no futuro, será um dos melhores treinadores do Brasil. Até lá, ele terá que ver o posto de comandante rumar para outra pessoa, mesmo que tenha o elenco ao seu lado.

– O Rospide poderia ser mantido, sim. Por que não? Ele é um treinador que já nos conhece muito bem, mas isso é uma escolha da direção – comentou o zagueiro Léo.

A diretoria trabalha com três nomes para a sucessão de Celso Roth. A preferência é por Paulo Autuori, mas ele não consegue se desvincular do Al-Rayyan, clube que dirige no Qatar. Renato Portaluppi, pelo carinho que recebe da torcida, também é uma alternativa, mas ele não conta com a convicção da diretoria de que é a escolha certa. O terceiro nome é incerto. Os dirigentes negam interesse em Toninho Cerezo, do Al-Shabbab, dos Emirados Árabes.

O presidente Duda Kroeff deu discurso parecido e disse que o profissional, no futuro, será um dos melhores treinadores do Brasil. Até lá, ele terá que ver o posto de comandante rumar para outra pessoa, mesmo que tenha o elenco ao seu lado.

– O Rospide poderia ser mantido, sim. Por que não? Ele é um treinador que já nos conhece muito bem, mas isso é uma escolha da direção – comentou o zagueiro Léo.

Makelelê feliz por vencer no estádio do bi do Brasil em Copas do Mundo

Seleção disputou semifinal e final no estádio Nacional

Agência/Reuters Agência/Reuters

Jogadores comemoram gol de Maxi López

O Grêmio venceu o Universidad de Chile por 2 a 0 nesta quarta-feira e garantiu o primeiro lugar do Grupo 7 da Libertadores. O volante Makelelê, que foi titular na partida, lembrou outros feitos do futebol brasileiro no estádio Nacional, local da partida contra La U.

– Fico feliz com a conquista dos três pontos e também por termos mantido a tradição do Brasil no Chile, já que a nossa seleção foi bicampeã mundial aqui. Agora, é dar seqüência ao nosso trabalho e mostrar, cada vez mais, que esse grupo tem muita qualidade e vai brigar pelo título da Libertadores. É manter o espírito da imortalidade – disse o jogador.

No dia 28, o Grêmio volta a campo pela competição. Terá pela frente o Boyacá Chicó em confronto que será disputado no Estádio Olímpico.


Grêmio vence La U e se classifica em primeiro

Vitória nos Andes: Grêmio faz 2 a 0 no Universidad e garante título do grupo

Com milagres de Victor e gols de Léo e Maxi López, Tricolor dá passo importante para conquistar Libertadores pela terceira vez

Ampliar Foto Agência/Reuters Agência/Reuters

Jogadores comemoram um dos gols do Grêmio

O caminho para libertar a América é longo, mas o Grêmio sabe atalhar como poucos. O time tricolor foi a Santiago na noite desta quarta-feira, teve atuação irregular, foi ameaçado durante boa parte do tempo e superou todas as adversidades para vencer o Universidad de Chile por 2 a 0, gols de Léo e Maxi López. Com o resultado, os gaúchos asseguraram o título do Grupo 7 da Libertadores com uma rodada de antecedência.

O Grêmio chegou a impressionantes 13 pontos conquistados em 15 disputados. Foram três jogos como visitante e três vitórias. Basta vencer os colombianos do Boyacá Chicó daqui a duas semanas, no Olímpico, para o Tricolor colocar o carimbo em uma das melhores (ou até a melhor) campanhas da primeira fase.

A vitória em Santiago também dá ao clube brasileiro a garantia de jogar em casa o segundo duelo das oitavas-de-final, que será contra uma equipe, ainda indefinida, classificada em segundo lugar em sua chave. Como conseqüência, terá um oponente teoricamente mais fácil.

Mal em campo, bem no placar

Pouco importa que não tenha sido merecido. Se o Grêmio jogou mal no primeiro tempo e conseguiu sair na frente mesmo assim, azar do Universidad de Chile e de sua fanática torcida, que quase lotou o Estádio Nacional. O time gaúcho foi pressionado, pouco criou, não foi vazado por detalhes, mas alcançou aquilo que faltou a La U na etapa inicial. Fez o gol.

E fez com Léo, a figura mais importante dos primeiros 45 minutos, para o bem e para o mal. O defensor exagerou nas faltas, mereceu ser expulso pelo árbitro Carlos Amarilla e cometeu erros que poderiam ter custado caro. Em vez de punido, ganhou o maior dos presentes. Foi aos 31 minutos, em uma rara investida tricolor ao ataque. Souza cobrou falta na área para Jonas desviar de cabeça, de costas. A bola bateu no travessão do goleiro Pinto. No rebote, Léo, também de cabeça, fez o gol.

Os gremistas explodiram em alegria no estádio enquanto o zagueiro, após ser abraçado pelos colegas, atravessou o campo e ergueu os braços ao céu. Dentro da crença dele, o atleta não tinha dúvidas de que havia sido abençoado.

Foi um momento de alívio, uma exceção em um período de constantes perigos para o gol de Victor. O goleirão precisou agir para não ver sua rede balançar. Com oito minutos, Hernández bateu cruzado. O camisa 1 tricolor espalmou.

Bom goleiro também tem sorte. Com 23 minutos, Léo deu um bico na bola, mas ela estourou em Cuevas e voltou contra o gol gaúcho. Victor só teve uma alternativa: torcer. E deu certo. Ele viu a trave balançar com a bolada que ela recebeu.

Depois do gol, o Grêmio melhorou um pouco e passou a apostar nos contra-ataques, especialmente com a velocidade de Jonas. O atacante pediu pênalti aos 34 minutos, mas a arbitragem mandou o jogo seguir.

Novos sustos, novo gol: Maxi López faz 2 a 0

Sabe-se lá o que seria do Grêmio sem Victor. O goleiro voltou a praticar sua especialidade no segundo tempo: milagres. Com quatro minutos, ele deixou um estádio inteiro boquiaberto. González concluiu com força, certeiro. Seria gol se o Tricolor não tivesse um goleiraço. O arqueiro caiu rápido, com todo o reflexo do mundo, para espalmar a escanteio.

Mais seis minutos, mais destaque para Victor. Aos dez, Cuevas mandou o chute de fora da área. A bola mirou o ângulo do goleiro e decidiu que entraria lá. Mas Victor não deixou. O voo virou defesa, e a defesa virou salvação. Era a noite do Grêmio.

Mas faltava um detalhe para a torcida tricolor ficar feliz de vez. Um detalhe nascido na Argentina, de cabelos longos, número 16 às costas. Aos 20 minutos, Souza fez linda jogada pelo meio, deixou dois adversários a ver navios e mandou para Maxi López. O gringo entrou na área em diagonal e desviou do goleiro Pinto. Golaço.

Aí foi só controlar. La U perdeu fôlego, se descoordenou e ainda ficou sem o atacante Olivera, expulso após se enroscar com William Thiego. Herrera perdeu gol feito. Souza ameaçou novamente de longe. O terceiro gol esteve perto, mas não saiu. Pouco importa. O Grêmio seguiu na boa até o final para, sob o olhar da Cordilheira dos Andes, embolsar mais três pontos no estádio onde o Brasil foi bicampeão mundial de futebol em 1962.

Ficha técnica:

UNIVERSIDAD DE CHILE 0 x 2 GRÊMIO
Pinto, Diaz, Olarra, González e Rojas; Iturra, Estrada e Contreras; Cuevas (Gomez), Hernandéz (Villalobos) e Olivera. Victor, Léo (Thiego), Réver e Rafael Marques; Makelele, Adílson, Tcheco, Souza e Fábio Santos; Jonas (Herrera) e Maxi López (Orteman).
Técnico: Sergio Markarián. Técnico: Marcelo Rospide.
Gols: Léo, aos 31 minutos do primeiro tempo; Maxi López, aos 20 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Olivera (Universidad de Chile); Léo, Réver, Makelelê, Tcheco e Adílson (Grêmio). Cartão vermelho: Olivera (Universidad de Chile).
Estádio: Nacional, em Santiago (Chile). Data: 15/04/2008. Árbitro: Carlos Amarilla (Paraguai). Auxiliares: Emigdio Ruiz (Paraguai) e Milcíades Saldívar (Paraguai).

Ex-volante cava uma vaguinha no Grêmio

Presidente Duda Kroef afirma: ‘Tenho o nome dele na cabeça’

Perfil de China no site de relacionamentos

Perfil de China no site de relacionamentos (Crédito: Reprodução da internet)

Para conseguir uma vaguinha no clube de coração vale tudo. Em forma de desabafo, o ex-jogador do Grêmio China, campeão Mundial em 1983, pediu um lugarzinho no clube de coração em um site de relacionamentos. Agora treinador, ele lembra que está há 14 anos na profissão e nunca teve uma oportunidade em um clube grande.

Na mensagem em seu perfil ele diz “Eu aqui em Poa, tão perto, e eles (direção) só pensam em buscar treinadores. 14 anos e nenhuma oportunidade. Quero uma chance, só!”. Após a frase ele deixou seu telefone para contato. China sonha em ser técnico do Grêmio um dia, quer a oportunidade em breve e o presidente, Duda Kroef, não descarta a tão sonhada vaguinha de China no clube. Porém, o cargo que China deseja ainda está um pouco distante.

– Ele fez uma visita e colocou a disposição se o Grêmio precisar de ajuda. Tenho sempre o nome dele na minha cabeça, até porque foi um grande jogador, é um bom sujeito, um cara que eu gosto. Mas para treinador ele ainda não está preparado. Ele teria que passar por um outro time e no futuro pode ser – disse o presidente gremista, que ainda brincou sobre uma oportunidade como auxiliar do futuro treinador do time gaúcho:

– O que acontece é que os treinadores já têm um auxiliar. Mas se não tiver, quem sabe?

O ex-volante não esconde a vontade de voltar ao Olímpico. Como ele próprio definiu, este sonho começou junto com a carreira de treinador.

– Desde que peguei minha primeira apostila, estudando para ser treinador, a partir do momento que botei o apito no peito, meu desejo é treinar o Grêmio. Trabalho como treinador há 14 anos e nunca tive uma oportuniade em um time grande. Tem que ter méritos, mas ao mesmo tempo oportunidades. Meu objetivo sempre foi o Grêmio. Passa um presidente, passa outro, mas um dia pinta essa chance – falou o esperançoso treinador.

Companheiro de China no time campeão do mundo, Tita, que hoje em dia também é treinador e comandou o Vasco no ano passado, elogiou o amigo.

– O China é um cara com experiência como jogador, sabe o que é uma Libertadores. Além do mais, é um ex-atleta que conhece o clube. Não sei qual é o perfil que o Grêmio quer. Mas o China sempre foi sensato, equilibrado, calmo. Como treinador não sei se teria a experiência para dirigir o time nesse momento – avaliou.

No entanto, Tita disse que não faria o mesmo que o ex-volante do Grêmio:

– As pessoas pensam diferente e cada um tem uma cabeça, mas eu não faria o mesmo.

Desafio nos Andes: Grêmio encara Universidad para avançar na Libertadores

Empate coloca o clube brasileiro nas oitavas-de-final e vitória garante título do Grupo 7. Deve ser o último jogo sem o novo técnico

Ampliar Foto Alexandre Alliatti/GLOBOESPORTE.COM Alexandre Alliatti/GLOBOESPORTE.COM

Tricolores sorriem durante treino do Grêmio

Passa por Santiago do Chile, vizinha da Cordilheira dos Andes, cidade com pinta de Europa e terra de bons vinhos, uma das missões mais decisivas do Grêmio no projeto de libertar a América pela terceira vez. Às 22h (de Brasília), o time tricolor vai a campo contra o Universidad de Chile, no Estádio Nacional. Objetivo: garantir pelo menos um ponto para assegurar matematicamente a classificação às oitavas-de-final da Libertadores e ter na palma das mãos a chance de terminar a primeira fase com a melhor campanha do Grupo 7. O título da chave estará assegurado com uma vitória nos Andes.

La U, como é chamado o clube chileno, foi o único oponente que passou incólume pelo Grêmio. E em pleno Olímpico. No primeiro jogo das duas equipes, os gaúchos bateram o recorde mundial de gols perdidos e tiveram que amargar empate por 0 a 0. Nos três duelos seguintes, o Tricolor bateu o Boyacá Chicó e o Aurora (duas vezes). Com isso, chegou a dez pontos, na liderança da chave, três à frente do Universidad.

Caso perca no Chile, o Grêmio irá para a última rodada empatado em pontos com os andinos, mas atrás nos critérios. Como é provável que os brasileiros batam o Boyacá no Olímpico e é quase inconcebível um tropeço de La U diante do Aurora, mesmo na Bolívia, o primeiro lugar seria decidido no saldo de gols. É justamente por isso que o Tricolor precisa pelo menos de um empate em Santiago. Se conseguir, será campeão do grupo com uma vitória simples sobre o Boyacá na rodada decisiva. Os lideres de cada chave ganham a vantagem de decidir em casa nas oitavas.

O GLOBOESPORTE.COM está ao lado do Grêmio no Chile e acompanha todos os detalhes da partida em Tempo Real. O SporTV mostra ao vivo para todo o Brasil. A RBS TV transmite para o Rio Grande do Sul.

Confira a tabela da Taça Libertadores

Em busca de um técnico

Pode ser o último jogo do Grêmio sem técnico. A equipe será novamente comandada por Marcelo Rospide, auxiliar nos tempos de Celso Roth, que agora orienta o time interinamente. É possível que a diretoria comunique, logo depois da partida, o acerto com Paulo Autuori, campeão do mundo pelo São Paulo. O treinador tenta convencer os donos do Al-Rayyan, do Qatar, a liberá-lo antes de maio, quando termina o contrato.

Enquanto o novo chefe não vem, o jeito é deixar tudo nas mãos de Rospide, que já comandou a turma tricolor na vitória de 3 a 0 sobre o Aurora, semana passada, no Olímpico. Para o duelo em Santiago, o treinador tem duas ausência na formação considerada titular. O ala Ruy e o atacante Alex Mineiro, lesionados, seguem fora. Os substitutos são, respectivamente, Makelele e o argentino Maxi López. Jonas, após cumprir suspensão, volta ao time para acompanhar La Barbie no ataque.

Jogo mais difícil

Ampliar Foto Alexandre Alliatti/GLOBOESPORTE.COM Alexandre Alliatti/GLOBOESPORTE.COM

Maxi López espera dificuldades nesta quarta

O Grêmio não tem dúvidas de que o jogo contra o Universidad em Santiago será o mais difícil da primeira fase da Libertadores. A qualidade do adversário, considerado superior a Boyacá e Aurora, e o clima de decisão da partida deixam o clube gaúcho alerta.

– Acredito que será nosso jogo mais difícil. O Universidad é uma equipe forte, com jogadores em nível de seleção chilena. O treinador também é bastante rodado. Pelo que demonstrou até aqui, é um time que pode nos oferecer maior dificuldade, sim – afirmou Rospide.

O Universidad vive uma semana movimentada. Não bastasse o duelo decisivo com o Grêmio, o time chileno tem no domingo o clássico com o Colo-Colo. O técnico Sergio Markarián chegou a dizer que perder para o rival de Santiago seria mais doloroso do que ser derrotado pelo Grêmio. Mesmo assim, La U vai com o melhor time possível para o duelo desta quarta-feira. O meia Walter Montillo, lesionado, está fora.

UNIVERSIDAD DE CHILE GRÊMIO
Pinto, Diaz, Olarra, González e Rojas; Iturra, Seymour, Estrada e Contreras; Hernandéz e Olivera. Victor, Léo, Réver e Rafael Marques; Makelele, Adílson, Tcheco, Souza e Fábio Santos; Jonas e Maxi López.
Técnico: Sergio Markarián. Técnico: Marcelo Rospide.
Estádio: Estádio Nacional, em Santiago (Chile). Data: 15/04/2008. Horário: 21h50m (de Brasília). Árbitro: Carlos Amarilla (Paraguai). Auxiliares: Emigdio Ruiz (Paraguai) e Milcíades Saldívar (Paraguai).
Transmissão: O SporTV mostra ao vivo para todo o Brasil. A RBS TV transmite para o Rio Grande do Sul.
Tempo Real: O GLOBOESPORTE.COM acompanha a partir de 21h50m (de Brasília).

Pressão, casa cheia e rival difícil: Tricolor tem seu maior desafio na Libertadores

Grêmio aponta o duelo desta quarta-feira, contra o Universidad de Chile, em Santiago, como o mais complicado da primeira fase da competição

Ampliar Foto Alexandre Alliatti/GLOBOESPORTE.COM Alexandre Alliatti/GLOBOESPORTE.COM

Maxi López espera um jogo muito difícil

Não será apenas mais um jogo. O Grêmio colocou na cabeça, e com bons argumentos, que a partida desta quarta-feira, contra o Universidad de Chile, em Santiago, será a mais casca grossa da primeira fase da Libertadores da América. Três elementos pesam na convicção tricolor: a possibilidade de La U entrar de vez na briga pela liderança do Grupo 7, a forte presença de público no lendário estádio Nacional (deve receber mais de 40 mil pessoas), e a qualidade do adversário, superior ao Boyacá Chicó e ao Aurora.

– Vai ser nossa partida mais complicada. O adversário vai jogar a vida contra nós. Teremos que trabalhar muito bem para sair com um bom resultado – alertou o argentino Maxi López, em entrevista no saguão do hotel em que o Tricolor está concentrado em Santiago.

O técnico interino Marcelo Rospide, que ocupa o cargo desde a saída de Celso Roth, concorda com Maxi. Ele chega a falar em jogo viril em Santiago.

Jornal chileno diz que Maxi López tenta fugir da sombra de Wanda Nara

Jogador tenta recuperar no Grêmio o bom futebol apresentado no River

Ampliar Foto reprodução/Reprodução reprodução/Reprodução

Reprodução – jornal Las Últimas Notícias

Em todos os jogos do Grêmio fora de casa na Libertadores, Maxi López é o jogador mais assediado pela imprensa estrangeira. Não só pela fama conquistada dentro de campo, mas também pelo casamento com a modelo Wanda Nara, celebridade na Argentina. O jornal chileno Las Últimas Notícias destaca na edição desta terça-feira a relação do casal e afirma que o jogador ainda tenta desvincular o seu trabalho em campo da imagem da esposa.

A matéria diz que, nos últimos meses, Maxi só tinha espaços nos jornais quando estava acompanhado da modelo. Porém, desde que chegou ao Grêmio, o jogador tenta recuperar a forma e o bom futebol apresentado no River Plate, no início da carreira.

Autuori tentará liberação do Catar mais uma vez

Técnico espera por resolução da situação para comandar o Grêmio

Paulo Autuori já pediu a rescisão de seu contrato com o Al Rayyan

Paulo Autuori já pediu a rescisão de seu contrato com o Al Rayyan (Crédito: André Brant)

LANCEPRESS!

Até quarta-feira: segundo o diretor-executivo Mauro Galvão esse é o prazo estipulado pela diretoria do Grêmio para que o técnico Paulo Autuori consiga sua liberação junto ao Al Rayyan, do Catar.

E não está fácil. Autuori admitiu nesta segunda-feira estar tão ansioso quanto o Grêmio pela solução do problema. O xeque dono do time, Abdulla bin Hamad Al Thani, quer sua permanência para a Copa do Príncipe, de 17 a 27 de abril. A competição é importante porque dá vaga na Copa da Ásia, que por sua vez leva ao Mundial de Clubes.

Se o xeque bater pé na reunião marcada para o final desta segunda-feira, a contratação de Autuori estará praticamente inviabilizada. E estará aberto o caminho para Renato Gaúcho.

Apesar de marcar prazo até quarta-feira, o Grêmio toparia estendê-lo. Os dirigentes tricolores desejam tanto contar com Autuori, que aceitariam que ele chegasse a Porto Alegre com apenas uma semana de antecedência do último confronto pela fase de grupos da Libertadores: dia 28 deste mês, contra o Boyacá Chicó, no Olímpico.

O empate em 1 a 1 com o Al Sadd, sábado passado, tirou o Al Rayyan da disputa pelo título da Liga do Catar. O Al Gharafa, equipe de Fernandão, ex-Inter, se consagrou campeão faltando uma rodada para o término da competição.

Com a eliminação de seu time do campeonato nacional, Autuori pediu a rescisão de seu contrato, que vai até maio. O xeque negou. Mas uma nova reunião foi marcada para esta segunda-feira.

Ney Franco descarta Grêmio e avisa que não sai do clube

Treinador lembra que, à exceção do Ipatinga, sempre cumpriu seus contratos

Ney Franco será do Fogão até o fim da temporada

Ney Franco será do Fogão até o fim da temporada (Crédito: Paulo Sérgio)

Um suposto contato do Grêmio fez a diretoria se mobilizar para evitar que Ney Franco deixasse o clube em meio às disputas do Campeonato Carioca e da Copa do Brasil. Prontamente, porém, o treinador descartou o rumor e já garantiu ao vice-presidente de futebol, André Silva, que fica.

– Não existiu nem sequer uma sondagem do Grêmio, já conversei com o André sobre isso. Sempre fiz por onde cumprir meus contratos. Com exceção da minha passagem pelo Ipatinga, quando fui para o Flamengo, saí por vontade dos clubes. Estou há dez meses no Botafogo e pretendo seguir – esclareceu Ney, que chegou a “indicar” alguns nomes para os gaúchos.

– Escutei que estão negociando com o (Paulo) Autuori, que é um grande treinador. Há outros bons nomes também, como o próprio Renato Gaúcho, que é identificado com o clube – lembrou.

Para confirmar seu discurso de que, ao menos até o fim da temporada, não deixará General Severiano, Ney revelou que dois times já o procuraram anteriormente. Ele, no entanto, nem ouviu a proposta.

– Interrompi logo no primeiro momento. Nem cheguei a discutir valores – disse.

Dívida impede que Renato treine o Grêmio

Tricolor teria pedido empréstimo ao ex-jogador no final dos anos 90

LANCEPRESS!

Não seriam apenas critérios técnicos que estariam atravancando a contratação de Renato Portaluppi pelo Grêmio. Uma dívida de R$ 1,1 milhão do clube com seu ex-jogador seria outro empecilho para um possível acerto.

No final dos anos 90, cheio de dívidas a serem quitadas, o Tricolor teria pedido um empréstimo a Renato. Em troca, o ex-camisa 7 gremista receberia uma porcentagem na venda dos jogadores Tinga e Ronaldinho. Até o ano passado, ele não havia sido ressarcido.

No final de 2008, Renato se reuniu com a direção do clube e entrou em acordo para integrar o condomínio de credores, criado pelo então presidente Paulo Odone, e suspender a ação que corria na Justiça para receber a quantia emprestada ao Grêmio. Mas ainda não viu a cor do dinheiro – que depende da venda de jogadores para ter parte repassada aos credores.

O ídolo do campeonato mundial de 1983 é o preferido dos gremistas em todas as enquetes. E também de Fábio Koff, ex-presidente do Tricolor e presidente do Clube dos 13. Principal cabo eleitoral do atual presidente Duda Kroeff, ele usou essa condição para apontar Renato como “único capaz de harmonizar as relações entre torcida e diretoria”.

Mesmo assim, o ídolo não tem recebido muitos elogios nos bastidores do Olímpico. Luiz Onofre Meira, diretor de futebol, por exemplo, questionou se Renato Portaluppi estaria, neste momento, preparado para assumir o Grêmio.

– Renato é um técnico em crescimento. Quem sabe ainda não é o momento dele? – disse o dirigente. O preferido é Paulo Autuori, atualmente no Al Rayyan, do Catar.

Autuori também é alternativa para o clube

Treinador tem contrato com o Al-Rayyan até maio. Ele encaminhou renovação de um ano, mas não descarta voltar ao Brasil

Ampliar Foto Agência/Divulgação Agência/Divulgação

Paulo Autuori está dirigindo time da Arábia

O Grêmio tentou Geninho, do Atlético-PR, e não levou. Aí tentou Nelsinho Baptista, do Sport, também sem sucesso. Com duas respostas negativas, a diretoria tricolor aumentou a dose de pensamentos no ídolo gremista Renato Portaluppi, mas ele não é consenso na cúpula, que vê em Paulo Autuori, do Al-Rayyan, clube do Qatar, uma alternativa interessante. O treinador está na reta final da liga local. Ele tem contrato encerrado em maio e já encaminhou verbalmente a renovação, mas não descarta retornar ao Brasil.

Os valores podem ser um empecilho. O Grêmio não quer pagar ao novo treinador mais do que bancava para Celso Roth, demitido no domingo. O clube busca um comandante experiente em Libertadores, algo que Autuori tem de sobra. Ele venceu a competição duas vezes, por Cruzeiro e São Paulo.

Paralelamente ao sonho de ter Autuori, o Grêmio sabe que Renato Portaluppi seria uma opção que acalmaria a torcida. É o desejo também do ex-presidente Fábio Koff, principal dirigente da história tricolor, que apoiou o grupo político que hoje comanda o clube nas últimas eleições.

A diretoria inclusive já moldou o discurso à possibilidade de anunciar Renato, dizendo que ele é um treinador experiente, com vivência de Libertadores – foi vice com o Fluminense no ano passado.

– Tem currículo – resumiu o assessor de futebol Luiz Onofre Meira.

O nome do substituto de Roth não deve ser anunciado antes do jogo desta terça-feira, contra o Aurora, pela Libertadores. Gauchinho, empresário de Renato, diz que não foi procurado pelo Grêmio.