Dupla de ataque marca, e Grêmio se recupera na Libertadores

No Estádio Olímpico, Tricolor bate o León de Huánuco (Peru) por 2 a 0, com gols de André Lima e Borges


Ter dois centroavantes no time titular pode ser uma vantagem. Principalmente se ambos estiverem em boa fase. Na noite desta quinta-feira, mais uma vez André Lima e Borges marcaram e foram decisivos para uma vitória gremista.

No Estádio Olímpico, o Grêmio fez 2 a 0 no León de Huánuco (Peru), pela terceira rodada do Grupo 2 da Taça Libertadores. Com o resultado, a equipe gaúcha recupera-se da derrota na rodada anterior, para o Junior de Barranquilla (Colômbia), e agora soma seis pontos, mesmo número do time colombiano, que tem um jogo a menos. O time peruano tem três em três partidas.


A terceira rodada se completa na próxima quarta-feira, dia 9, quando Oriente Petrolero-BOL, ainda sem ponto, e Junior Barranquilla se enfrentam na Bolívia. Pelo saldo de gols, o Grêmio retoma a liderança provisória da chave.

Uma chance, um gol

Sem o lateral Lúcio, machucado, e o zagueiro Paulão, negociado com o clube chinês Guangzhou, o Grêmio manteve-se no 4-4-2, com o meio-campo em losango. Carlos Alberto permaneceu no time titular, atuando mais à esquerda, com os centroavantes Borges e André Lima na frente.

saiba mais

E o León reprisou fórmula adotada pelo Oriente Petrolero na primeira rodada, no Olímpico: 4-4-2 em duas linhas, adiantando-se para tirar espaços e velocidade da articulação gremista. Também deu certo.

Não fossem as encenações para matar tempo nas cobranças de tiro de meta, e o goleiro Flores sequer seria notado. Frente a oito jogadores distribuídos na intermediária em dois pelotões, o Grêmio nada conseguiu criar. A torcida ficou impaciente. Sem vaias, mas com princípios de murmúrios nas arquibancadas. Lamentos a cada passe errado, a cada desarme sofrido.

Mas, também a exemplo da partida de estreia, o Grêmio salvou-se em gol de bola parada no final do primeiro tempo. Se contra o Oriente Petrolero, o meia Douglas marcou de pênalti, desta vez ele cruzou em falta lateral para o centroavante André Lima fazer de cabeça, aos 41, na única oportunidade gremista no primeiro tempo.

Mais bola parada

A indefinição sugerida pelo parcial 1 a 0 se desfez cedo na etapa final. E o alívio mais uma vez se apresentou graças a uma bola parada. Carlos Alberto foi derrubado na lateral direita, Douglas repetiu a precisão no cruzamento, e André Lima sofreu pênalti.

O próprio autor do primeiro gol requisitou a cobrança. De imediato, ainda ao chão enroscado com o zagueiro Araújo que o impediu de cabecear, André Lima ergueu o braço esquerdo, como quem pretende se fazer visto. Depois, chegou a conversar com Renato Gaúcho à beira do campo. Mas coube a Borges a batida: forte, sem chance para o goleiro: Grêmio 2 a 0, aos nove minutos.

Coube ao León arriscar mais, finalmente abrindo os espaços ocupados durante metade da partida. Dessa forma, o Grêmio cresceu, com as passagens dos laterais Gilson e Gabriel, e com as assistências de Douglas.

André Lima desperdiçou boa chance, concluindo para fora. Insistindo para ampliar, embora sem perder a segurança defensiva, o Grêmio manteve o 2 a 0 e conquistou sua segunda vitória em três jogos na fase de grupos da Libertadores 2011.

Próximos jogos
Durante o carnaval, os jogadores do Grêmio recebem folga de três dias. O próximo jogo está marcado para as 21h50m de quarta-feira, dia 9 de março, no Estádio Olímpico. Será contra o Caxias, pela decisão da Taça Piratini – o primeiro turno do Campeonato Gaúcho.

O próximo duelo pela Taça Libertadores, contra o próprio León, está indefinido. Inicialmente marcado para 15 de março, o Grêmio tenta confirmar o confronto para o dia 17, no Peru.

Grêmio 2 x 0 León de huánuco-per
Victor; Gabriel, Rafael Marques, Rodolfo (Mário Fernandes) e Gilson; Fábio Rochemback, Adilson, Carlos Alberto (Bruno Collaço) e Douglas; André Lima (Escudero) e Borges. Flores; Espinoza, Jorge Araújo, Cardoza e Suárez; Ferrari (Cevasco), Zegarra, Céspedes e Orejuela; Carlos Elias (Otálvaro) e González Vigil (Rodríguez).
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Franco Navarro.
Data: 03 de março de 2011. Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre. Árbitro: Enrique Osses, auxiliado por Patricio Basualto e Sergio Román (trio chileno).
Gols: André Lima (Grêmio), aos 41m do primeiro tempo. Borges (Grêmio), aos 9m do segundo tempo.
Cartões amarelos: Fábio Rochemback, Gabriel e Gilson (Grêmio); Ferrari, Zegarra e Araújo (León de Huánuco-PER).
Público: 28.605 torcedores. Renda: R$ 612.469,00.

Melhor do returno, Grêmio faz 4 a 2 no São Paulo e rouba a 9ª colocação

No Estádio Olímpico, Grêmio vence por 4 a 2 e ultrapassa o São Paulo

Em alta velocidade, o Grêmio confirmou nesta noite de quarta-feira a melhor campanha do segundo turno do Brasileirão 2010 – são 16 pontos em sete jogos. Apesar da vultuosa lista de desfalques, a equipe treinada por Renato Gaúcho bateu o São Paulo por 4 a 2, em jogo emocionante disputado no Estádio Olímpico, pela 26ª rodada.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Com o resultado, os tricolores invertem as posições. O Grêmio ultrapassa o próprio adversário, e assume a 9ª colocação, com 36 pontos; o São Paulo cai para 10º, com 34.

André Lima – duas vezes – Jonas (de pênalti) e Diego marcaram os gols do Grêmio. Rogério Ceni, também em cobrança de pênalti, e Marlos fizeram para o São Paulo.

Improvisações
Renato Gaúcho e Sérgio Baresi surpreenderam nas escalações. O técnico gremista não deu lugar ao meia Roberson, chamando ao jogo o zagueiro Paulão; o treinador são-paulino mais uma vez manteve Dagoberto entre os suplentes.

Nas duas equipes também foi preciso improvisar. O lateral-esquerdo Lúcio iniciou como articulador no Grêmio, e o zagueiro Vilson foi volante. Já Rodrigo Souto deixou o meio-campo rumo à ala-direita do São Paulo, substituindo Jean – ausente devido a uma amigdalite, ele sequer ficou no banco.

Desacerto inicial
Tamanho número de peças deslocadas de suas funções originais comprometeu o desempenho do 4-4-2 gremista no início. Vilson corria de lado a outro sem saber quem exatamente ele deveria marcar. Lúcio abria pela esquerda mesmo não sendo mais um lateral.

Mas o desacerto durou 15 minutos. A despretensão do São Paulo, no ortodoxo 3-5-2 sem apego à posse de bola, encorajou os anfitriões. E assim Rogério Ceni abriu os trabalhos, espalmando em sequência dois violentos chutes de Lúcio.

Dez minutos para André Lima

Sem Rochemback, lesionado, Douglas recebeu de Renato a capitania do tricolor gaúcho. E aquela faixa amarela atada a seu braço esquerdo fez dele um interessado e participativo organizador, percorrendo o campo todo, driblando, arriscando lançamentos precisos.

Este predomínio foi recompensado aos 29 minutos, com dois ex-jogadores do São Paulo. Lúcio cobrou escanteio do lado direito e André Lima, que nos questionários do Censo responde ‘centroavante’ no item ‘profissão’, atirou-se para marcar de carrinho: Grêmio 1 a 0. Ele, que entre 2008 e 2009 disputou 28 jogos pelo São Paulo, sendo em boa parte da temporada um mero reserva no Morumbi, fez mais um. Desta vez de cabeça, dez minutos depois, André Lima escorou cruzamento de Edilson, para ampliar.

Mas não houve tempo para muita comemoração. Logo em seguida Marlos deixou o próprio corpo cair na área gremista, cavando pênalti cuja marcação do árbitro mineiro Ricardo Marques Ribeiro enfureceu os torcedores.

Os gremistas xingaram o juiz, incentivaram Victor, mas não adiantou. Com imensa categoria, Rogério Ceni venceu o colega de profissão e arrefeceu as manifestações das arquibancadas, aos 42m, marcando o gol derradeiro do primeiro tempo.

Empate e desempate
Com Cléber Santana em lugar de Carleto, o São Paulo não alterou a estrutura tática no segundo tempo. Richarlyson passou para a ala-esquerda, e o trio de zagueiros persistiu.

Não houve, entretanto, claro esboço de reação. O Grêmio, ap esar da vitória parcial, seguiu pressionando. As melhores combinações partiram dos canhotos Lúcio e Douglas, sobre o improvisado Rodrigo Souto.

Mas uma conhecida história dos gremistas nos jogos recentes em Porto Alegre se repetiu. Ansioso pela marcação de um terceiro gol, o Grêmio abriu-se ao contra-ataque. Foi desta forma que, aos 6m, Marlos recebeu de Cléber Santana e disparou o gol de empate do São Paulo, no canto direito.

O mesmo Cléber Santana da assistência a Marlos atrapalhou-se na área são-paulina. Deixou a bola bater em sua mão, e mais um pênalti foi marcado na partida, desta vez para o Grêmio.

Aos 23m Jonas cobrou forte, e recolocou o Grêmio em vantagem. Foi o 14º gol do artilheiro do Brasileirão 2010. No total, Jonas soma 66 gols pelo tricolor gaúcho, igualando-se ao ponta-esquerda Éder como o 10º maior goleador da história do clube.

Raridade no Olímpico
Sofrer o terceiro gol logo após tanto esforço pelo empate desnorteou o São Paulo. O baque foi tão grande que os torcedores presentes assistiram a uma cena rara: Rogério Ceni falhou, aos 28m. O canhoto Lúcio cortou para a direita, bateu fraco, e o goleiro são-paulino ofereceu o rebote deixando a bola escapar por entre as luvas.

Quem aproveitou foi o estreante Diego. O atacante recém substituíra André Lima. Egresso do América-MG, ele precisou de poucos minutos em campo para fazer do erro de Ceni o gol definitivo da vitória gremista por 4 a 2. Nas arquibancadas, irrompeu o coro ‘frangueiro, frangueiro’.

Diego ainda teve tempo para provocar a expulsão de Alex Silva, por falta violenta. Depois de três vitórias consecutivas longe do Olímpico, e de frustrantes resultados em casa, o Grêmio voltou a fazer a festa, comemorando com a torcida a melhor campanha do returno aos gritos de ‘Olé, Olé’ em troca de passes qualificada, que teve até toque de calcanhar.

Próximos Jogos
Pela 27ª rodada do Brasileirão 2010, os dois tricolores voltam a jogar no sábado. Às 16h o Grêmio visita o Vitória, em Salvador; e às 21h o São Paulo emenda mais uma partida fora de casa, contra o Avaí, em Florianópolis.

GRÊMIO 4 X 2 SÃO PAULO
Victor; Edilson, Paulão, Rafael Marques e Gilson; Vilson, Adilson (Willian Magrão), Lúcio e Douglas (Maylson); Jonas e André Lima (Diego). Rogério Ceni; Xandão (Bruno), Alex Silva e Miranda; Rodrigo Souto, Casemiro, Richarlyson, Marlos e Carleto (Cléber Santana); Lucas e Ricardo Oliveira.
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Sérgio Baresi.
Estádio: Olímpico, em Porto Alegre. Data: 29/09/2010 Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa/MG). Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Jair Albano Felix (MG).
Gols: André Lima (Grêmio), aos 29m e aos 39m; Rogério Ceni (São Paulo), aos 42m, todos no 1º tempo Marlos (São Paulo), aos 6m; Jonas (Grêmio), aos 23m, e Diego (Grêmio), aos 28m, no 2º tempo.
Cartões Amarelos: Paulão, André Lima, Douglas, Vilson e Rafael Marques (Grêmio); Alex Silva, Xandão, Cléber Santana e Casemiro (São Paulo). Cartão vermelho: Alex Silva (São Paulo).
Público total: 25.322 torcedores. Renda: R$ 317.277,50