Renato prevê leilão e sugere que Grêmio corra para renovar com ele

Treinador não garante prioridade ao clube que defende. ‘Lógico que gosto muito do Grêmio, mas depende da valorização’

Se o Grêmio quiser renovar com Renato Gaúcho, que corra. O comandante tricolor, alicerce da recuperação azul no Campeonato Brasileiro, tem contrato com o clube do Olímpico até o fim do ano. A mudança de diretoria deixa incertezas sobre a permanência do treinador. E ele, embora fale com todo o carinho de sua atual casa, não garante prioridade ao Grêmio na renovação.

Na prática, vai depender da proposta que ele receber – se é que ela existirá. O futuro presidente do Grêmio, Paulo Odone, já manifestou que pretende manter Renato, mas as negociações não começaram ainda.

– Quando fui chamado, a conversa que tive com o Alberto Guerra (diretor de futebol) era de ficar até o final do Campeonato Brasileiro. Não quis entrar em detalhes para o próximo ano, porque não sabia o que iria acontecer. O que tenho que fazer é continuar trabalhando até 5 de dezembro. O que pode me tirar do Grêmio? Bom, estou empregado, mas, ao mesmo tempo, estou livre, porque não tenho cláusula. Quem tem que dar o primeiro passo é o presidente, porque sou um profissional – afirmou Renato.

O treinador vai exigir valorização. E imagina que uma eventual classificação para a Libertadores poderá render um leilão em torno dele.

– Se chegamos em uma Libertadores, aí é leilão. Se vai comprar um carro, é quem dá mais… Lógico que gosto muito do Grêmio, mas depende da valorização. Quando vim para o Grêmio, coloquei muita coisa em jogo. Não me aproveitei de nada. Não coloquei cláusula, não pedi nada absurdo, mas falei que isso era até dia 5 de dezembro. Depois, é depois…

Renato Gaúcho diz que nem prioriza, nem afasta o Grêmio. Para ele, o momento é de pensar no Campeonato Brasileiro. Se o clube quiser mantê-lo, tem que dar o primeiro passo, avisa o treinador.

– A prioridade do Grêmio é eu estar aberto ao diálogo. Minha preocupação é o Brasileiro. Quem tem que me fazer uma proposta é o Grêmio. Vou escutar. Mas minha prioridade é o Brasileiro. Se não me procurarem, respeitarei o presidente, mas seguirei meu caminho. No dia 5 de dezembro, pego minha mala e vou para o Rio de Janeiro – afirmou o comandante tricolor.