Grêmio lapida Borges mais forte com treino de Romário

Centroavante ganhou 5kg de massa muscular, e agora trabalha agilidade

Centroavante matador, Borges tem perdido gols que não costumava perder em seus tempos antigos. Dribla o goleiro, zagueiros, mas na hora de chutar no gol errava o alvo. Pois o mistério começa a tomar forma de solução no Estádio Olímpico com a revelação de que Borges ganhou cinco quilos de massa muscular desde que chegou ao Grêmio. Agora, treina para readquirir a mobilidade perdida com um trabalho realizado por Romário em 2005, no Vasco.

No clube gaúcho desde o início de 2010, o centroavante está mais forte. Com isso, perdeu sua agilidade. Já nesta terça, após diagnóstico conjunto entre o camisa 9 e o técnico Renato Gaúcho, o jogador iniciou treinamentos em separado para readquirir velocidade.

– Desde a minha chegada no Grêmio, ganhei cinco quilos de massa. Você fica mais forte, por isso que estava precisando dessa semana livre, para aproveitar para fazer trabalhos de agilidade. Assim que tivesse a semana, falei com o Renato e ele disse que me liberaria. Para que eu possa me desenvolver mais e ficar mais rápido dentro de campo – explicou Borges.

O comandante tricolor disseca o plano para Borges: se precisar liberá-lo inclusive de treinamentos táticos, vai o fazer.

– A gente tem feito finalizações até tirando o Borges de treinamento, fizemos isso semana passada com Borges e Escudero. Dou bastante conselhos de posicionamento. Conversamos na Bolívia e ele falou sobre o ganho de massa, e nós vimos que ele precisava de agilidade e mobilidade. Pedi para ele, e ele concordou, para fazer um treino específico para ele de piques curtos e de agilidade. Esse mesmo trabalho demos ao Romário e ele foi artilheiro do Brasileiro. Jogar ele sabe, e esperamos que ele volte a jogar tudo o que sabe – disse Renato.

Em 2005, comandado por Renato no Vasco da Gama, Romário acabou o Campeonato Brasileiro com 22 gols feitos. Foi o goleador isolado do Brasileirão, com 39 anos.´

Renato espera repetir o mesmo sucesso do trabalho do Baixinho. Nas últimas partidas, o centroavante gremista vem perdendo gols em sequência. Mas Borges nega que o rendimento tenha relação com o ganho de força física.

– Perder gol é natural, não podemos esquecer que não faço uma péssima temporada. Não comece a temporada com todos, alguns jogadores foram poupados de vários jogos. Temos dificuldade de repetir equipe. Em um contexto geral, a equipe não rende o que pode. Eu dependo de oportunidades, de toda a criação da equipe. Mudar o companheiro também atrapalha, são dois jogos, e a partir dessa semana as coisas vão voltar ao normal. Ninguém desaprende – defendeu-se Borges.

Com atenção já dada a Romário, Borges continua os treinamentos específicos durante a semana. Resta saber se o 9 gremista vai desandar a fazer gols no Gauchão e Libertadores.

Douglas e Carlos Alberto treinam e devem enfrentar o Ypiranga

Às 16h de domingo, o Grêmio decide vaga na semifinal da Taça Farroupilha

Renato Gaúcho ganha duas opções para o meio-campo do Grêmio, que às 16h de domingo enfrenta o Ypiranga em Erechim, pelas quartas de final da Taça Farroupilha – o segundo turno do Campeonato Gaúcho. Na tarde desta sexta-feira, no campo suplementar do Estádio Olímpico, Douglas e Carlos Alberto participaram da atividade com bola.

Ambos desfalcaram o Grêmio na derrota de 3 a 0 para o Oriente Petrolero, na noite de quinta-feira, em Santa Cruz de la Sierra. Douglas, gripado, foi preservado para se recuperar, enquanto Carlos Alberto permaneceu em Porto Alegre aprimorando a forma física após uma semana resolvendo problemas particulares no Rio de Janeiro.

Além de Douglas e Carlos Alberto, outras duas boas alternativas para Renato são o meia-atacante Leandro e o volante Willian Magrão, que não foram inscritos na fase classificatória da Taça Libertadores, por isso não atuaram na Bolívia.

O lateral-esquerdo Gilson, com dores musculares, treinou em separado. Ele concorre com Bruno Collaço pela titularidade em Erechim. Na Bolívia, Collaço deixou o jogo com uma torção no tornozelo direito mas, segundo a assessoria de imprensa do clube, não houve lesão.

Titulares ou jogadores que atuaram por mais de 45 minutos em Santa Cruz de la Sierra fizeram um trabalho de recuperação física. Os demais atletas dividiram-se em disputas de três equipes, em campo reduzido.

Grêmio perde na Bolívia e passa às oitavas no segundo lugar do Grupo 2

Em Santa Cruz de la Sierra, Tricolor leva 3 a 0 do então lanterna da chave


Mesmo contra o lanterna do Grupo 2, que preservou titulares importantes priorizando o Campeonato Boliviano, o Grêmio foi derrotado pelo Oriente Petrolero por 3 a 0, em partida que se encerrou no início da madrugada desta sexta-feira, no Estádio Ramon Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra. Com o resultado, o Tricolor gaúcho confirma a classificação às oitavas de final da Taça Libertadores na segunda colocação da chave, com 10 pontos (o Junior Barranquilla ficou em primeiro, com 13), e agora espera o final da fase classificatória para conhecer seu adversário. Todos os gols foram marcados no segundo tempo, por Fernández, Saucedo e Arce, ex-Corinthians.

Gabriel na articulação
Renato Gaúcho surpreendeu ao escalar o Grêmio. Em vez do meia Vinicius Pacheco em lugar do gripado Douglas, que sequer viajou à Bolívia, o lateral-direito Gabriel foi escolhido para centralizar a articulação tricolor no 4-4-2 com meio-campo em losango. Mário Fernandes entrou na lateral.

De início o Grêmio mostrou-se melhor que o Oriente Petrolero. Gabriel, tecnicamente qualificado, organizou bons ataques com movimentação e assistências. O melhor lance do momento de protagonismo tricolor saiu em cobrança de falta por Fábio Rochemback, espalmada pelo goleiro Etulaín.

Mas o piso duro e o gramado ralo dificultaram as trocas de passes do Grêmio. Aos poucos o lanterna Oriente inverteu a ordem da partida, e assumiu o controle. Com maior agressividade ofensiva.

O goleiro Victor foi requisitado em pelo menos três difíceis intervenções, nos chutes do ex-corintiano Arce, de Hoyos e de Saucedo. Para piorar, o Grêmio perdeu Bruno Collaço, lesionado. O volante Fernando entrou no meio-campo, passando Lúcio à lateral esquerda.

Violência mal-sucedida

Durante o primeiro tempo, torcedores de uma barra-brava (torcida organizada) local tentaram invadir a área ocupada pelo menor número de gremistas – egressos de Porto Alegre.

Um grupo de aproximadamente 30 tricolores chegou atrasado, e não conseguiu acessar a área onde confraternizavam mais de 500 brasileiros – em sua maioria universitários que moram em Santa Cruz de la Sierra, muitos deles torcedores de outras equipes.

Com fogos de artifício arremessados contra os gremistas, os torcedores do Oriente foram contidos apenas pela ação da polícia, que no intervalo retirou sob escolta o grupo isolado do local, e o levou até a área onde estavam os demais brasileiros, em segurança.

Supremacia premiada

No início do segundo tempo, o Oriente Petrolero apostou nas jogadas sobre o lado esquerdo tricolor, modificado em função da lesão de Collaço. E logo aos cinco minutos, teve êxito. Arce recebeu de Saucedo, foi à linha de fundo e cruzou na cabeça de Fernández, que acertou o ângulo: 1 a 0.

Sem titubear, Renato Gaúcho recorreu ao banco de reservas. Entraram o meia Vinicius Pacheco e o atacante Diego Clementino, para as saídas de Adilson e Mário Fernandes. Gabriel passou à lateral direita, e se configurou um 4-4-2 em duas linhas.

A tentativa de reação apareceu apenas aos 24, quando Borges recebeu cruzamento livre na área, passou pelo goleiro, e perdeu o ângulo de conclusão e chutou no poste direito. Um minuto depois, Gabriel invadiu a área e cruzou forte demais.

Melhor em campo, entretanto, o Oriente Petrolero tratou de assegurar a vitória. Em uma aula de contra-ataque, afastando escanteio cobrado pelo Grêmio, Saucedo recebeu livre e encobriu Victor, aos 29. Cinco minutos depois, Arce disparou uma bomba, e novamente marcou: 3 a 0, placar final.

Olé e vermelho
Animados, os torcedores do Oriente Petrolero passaram a entoar ‘olé’ em cada troca de passes ou drible. Sem conseguir contra-atacar, o Grêmio ainda perdeu um jogador. Aos 40 o zagueiro Rodolfo cometeu falta forte, interrompendo as provocações da torcida, mas foi expulso de forma direta pelo árbitro.

Próximo jogo
Encerrada a fase de grupos da Taça Libertadores, o Grêmio volta-se agora ao Campeonato Gaúcho. Às 16h de domingo, no Estádio Colosso da Lagoa – em Erechim – a equipe tricolor disputa com o Ypiranga uma vaga na semifinal da Taça Farroupilha, o segundo turno do estadual.

ORIENTE PETROLERO 3 X 0 GRÊMIO
Etulaín; Miguel Hoyos, Caamaño, Schiapparelli e Luis Gutiérrez; Fernando Saucedo, Diego Terrazas, Aguirre e Wálter Veizaga (Penã); Nicolás Fernández (Campos) e Juan Carlos Arce (Meleán). Victor; Mário Fernandes (Vinicius Pacheco), Rafael Marques, Rodolfo e Bruno Collaço (Fernando); Fábio Rochemback, Adilson (Diego Clementino), Lúcio e Gabriel; Borges e Escudero.
Técnico: Ariel Cuffaro. Técnico: Renato Gaúcho.
Data: 14 de abril de 2011. Local: Estádio Ramon Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra (Bolívia). Árbitro: Omar Ponce, auxiliado por Juan Cedeño e Christian Lescano (trio equatoriano).
Gols: Fernández (Oriente Petrolero), aos 5m; Saucedo (Oriente Petrolero), aos 30m; e Arce (Oriente Petrolero), aos 34m, todos no segundo tempo.
Cartão amarelo: Fábio Rochemback (Grêmio). Cartão vermelho: Rodolfo (Grêmio).

Rodolfo conversa com médico, mas participa de rachão na Bolívia

Zagueiro do Grêmio sente dores musculares e ainda é dúvida para quinta


O treino de reconhecimento do gramado do Estádio Ramon Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra, começou com um motivo de preocupação para os gremistas, na tarde desta quarta-feira. O zagueiro Rodolfo deixou o campo boliviano logo no início dos exercícios de aquecimento, mancando.

Discretamente, o auxiliar Alexandre Mendes chamou o médico Felipe do Canto. Ambos conversaram com Rodolfo, que reclamou das dores na panturrilha direita que já haviam o impedido de treinar na terça-feira, ainda em Porto Alegre.

Depois da breve assembleia, entretanto, Rodolfo retornou à atividade normal. Participou do restante do treino físico, e disputou normalmente o rachão.

Provavelmente o zagueiro vai defender o Grêmio na partida das 22h45m (horário de Brasília) de quinta, contra o Oriente Petrolero – pela rodada final do Grupo 2 da Taça Libertadores. Como apenas 18 jogadores viajaram à Bolívia, se Rodolfo for vetado o Grêmio terá em súmula um jogador a menos no banco de reservas.

Renato Gaúcho faz mistério. Sem Douglas, gripado, Vinicius Pacheco é o substituto natural, mas o treinador do Grêmio não deu pistas do time titular. O Grêmio deve ter Victor; Gabriel, Rafael Marques, Rodolfo e Bruno Collaço; Fábio Rochemback, Adilson, Lúcio e Vinicius Pacheco; Escudero e Borges.

Renato Gaúcho confirma desfalques de Douglas e Gilson na Bolívia

Meia e lateral-esquerdo ficam em Porto Alegre recuperando-se de problemas


Gripado, o meia Douglas está fora da rodada de encerramento do Grupo 2 da Taça Libertadores. Às 22h45m (horário de Brasília) de quinta-feira o Grêmio enfrenta o Oriente Petrolero, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia.

Com 10 pontos, o Grêmio garantiu classificação antecipada às oitavas de final da competição, e está na segunda colocação.

Para chegar ao primeiro lugar precisa vencer os bolivianos e torcer para que o líder Junior Barranquilla, com 12, no máximo empate com o León de Huánuco na Colômbia.

Ao final do treino desta terça-feira o técnico Renato Gaúcho confirmou que Douglas desfalcará o Grêmio, em função da gripe que o impediu de trabalhar normalmente durante a semana.

– O Douglas vai ficar, ele está muito resfriado, está com febre, precisa de repouso por 48 horas, foi isso que o especialista e o departamento médico passaram. Ele vai ficar para estar melhor na volta.

Mas o treinador evitou projetar o substituto. Segundo Renato, a definição da equipe acontecerá na tarde de quarta-feira, já na Bolívia:

– Aí é outro departamento, outra história. Vamos aguardar essas 48 horas, a partir de amanhã lá vamos definir a equipe. Tem alguns jogadores com dores musculares, vamos conversar com o médico.

Outro desfalque confirmado é o lateral-esquerdo Gilson, que sofreu uma pancada no empate em 1 a 1 com o Santa Cruz, domingo, pelo Campeonato Gaúcho.

– O Gilson também não está viajando, ele sofreu uma pancada em Santa Cruz e ainda está bastante inchado. Ele não está conseguindo nem caminhar direito.

Carlos Alberto é outro que não viaja para a Bolívia.

– Não, o Carlos Alberto está fora da viagem, ele foi para o Rio de Janeiro e não está bem na parte física ainda. No momento que você coloca um jogador que não está 100% ele pode estourar com uma lesão muscular. Ele vai ficar aqui se preparando.

Carlos Alberto se irrita com ‘mentiras’ e promete empenho de corpo e alma

Jogador critica comportamento de jornalistas e pede respeito a ele e à família


Durante uma semana Carlos Alberto ausentou-se dos treinos do Grêmio, liberado pela comissão técnica e pela diretoria do clube para resolver problemas particulares no Rio de Janeiro.

Segundo o técnico Renato Gaúcho, estes empecilhos estavam prejudicando a concentração do meia em Porto Alegre.

O próprio jogador confirmou que se mostrava ansioso em campo – cometendo faltas, errando lances ou discutindo com árbitro e adversários – devido ao problema, não citado para preservar sua privacidade. Agora, Carlos Alberto promete se dedicar ao Grêmio não apenas de corpo, mas também de alma.

– Eu estava bem nervoso e ansioso por causa desses problemas, e isso estava indo para o campo, com mais vontade ainda de ganhar. Antes eu estava aqui só de corpo, agora estou de corpo e alma. Meu espírito estava enfraquecido, agora tudo isso está bem. Logo que resolvi essas coisas, dei sequência ao meu trabalho lá. Cheguei bem aqui hoje, estou preparado para ajudar o Grêmio – afirmou, para completar:

– Explicação eu não tenho que dar, nenhuma. Já fui bem claro na nota, o Renato e os dirigentes também, já fui bem claro sobre isso. Aqui no Grêmio só tenho a agradecer ao Renato, que me deixou bem tranquilo para resolver os problemas, depois o Vicente e o presidente, sem contar os jogadores, que estavam todos ao meu lado – disse, referindo-se à nota oficial que divulgou reiterando que se afastava para resolver problemas particulares.

Todo mundo que falou besteira
de mim vai ter que provar, e
alguns na Justiça. Quem falou
que eu vim aqui e briguei com algum companheiro no
vestiário está mentindo”
Carlos Alberto

Mas o meia exasperou-se com notícias veiculadas durante seu período de ausência. Em vez de problemas particulares, cogitou-se que ele teria sido liberado devido a uma briga no vestiário do clube. Carlos Alberto afirmou que as notícias são “mentiras cabeludas” e também prometeu cobrar na Justiça a comprovação por parte dos jornalistas responsáveis.

– Todo mundo que falou besteira de mim vai ter que provar, e alguns na Justiça. Quem falou que eu vim aqui e briguei com algum companheiro no vestiário está mentindo. Eu estava no exame antidoping, nem poderia ter voltado ao vestiário. É uma mentira cabeluda. Essas pessoas serão chamadas a provar isso ao juiz. Tudo o que acontece eu fico sabendo, tenho uma equipe que trabalha para mim. Essas pessoas precisam saber que eu também sou um ser humano. Mas até agradeço por terem falado isso de mim, porque isso me deu ainda mais motivação – disse.

Carlos Alberto pediu respeito ao “ser humano” e à família dele:

– Por trás do Carlos Alberto jogador tem o Carlos Alberto que tem família, que tem um filho que precisa ser criado com o melhor caráter. Todos têm problemas. Um dia vou contar minha história de vida, e quem fez chacota comigo vai se arrepender. Eu não desejo nada de mal para essas pessoas, que Deus tenha misericórdia delas, porque não se pode brincar com essas coisas.

Após mais de vinte minutos de forte crítica ao trabalho dos jornalistas responsáveis pelas matérias sobre motivos alheios aos problemas particulares para sua liberação, Carlos Alberto discutiu com um em especial. O bate-boca durou alguns segundos, apenas, e teve o fim abreviado pela retirada do jogador, que deixou a sala de conferências do Estádio Olímpico enquanto o repórter encaminhava nova pergunta.

Grêmio derruba invencibilidade do líder e garante vaga nas oitavas

No Olímpico, Lúcio e Borges marcam no 2 a 0 sobre o Junior Barranquilla


Até esta noite de quinta-feira apenas um entre os 32 integrantes da fase de grupos da Taça Libertadores ostentava uma campanha irrepreensível. Era o Junior Barranquilla, soberano nas quatro primeiras rodadas, com o aproveitamento de 100% construído sempre com vitórias pelo placar de 2 a 1. Graças ao Grêmio, entretanto, os colombianos não podem mais se orgulhar da invencibilidade irretocável. No Estádio Olímpico, pela quinta rodada do Grupo 2, o Grêmio venceu por 2 a 0 o Junior Barranquilla, que segue líder da chave com 12 pontos. Mas o Tricolor, agora com 10 pontos, assegura a classificação antecipada às oitavas de final. León de Huánuco e Oriente Petrolero estão eliminados. Lúcio e Borges fizeram os gols.

Paciência
Para bloquear o Grêmio, o Junior Barranquilla posicionou-se no 4-1-4-1, com duas linhas de quatro jogadores e um volante entre elas. Pela esquerda, o camisa 10 Giovanni Hernández era o responsável pela organização dos contra-ataques, aproximando-se do centroavante Carlos Bacca.

Frente ao duplo paredão, formado por jogadores com predileção pelo contato físico – como Juan Valencia e Barahona – o Grêmio precisou de paciência para trocar passes e encontrar espaços. Douglas, interessado e participativo, concentrou a articulação tricolor com muita movimentação.

Mas uma epidemia de passes errados tirou a velocidade do ímpeto gremista. Bacca, artilheiro colombiano, quase marcou – passou por Rafael Marques e Victor, mas foi parado por Rodolfo. Mas a equiparação das forças não apressou nem impacientou os tricolores.

Aos 33, a insistência deu bons frutos. Borges saiu da área, recebeu pela direita, e cruzou. A bola desviou no caminho, encontrando Lúcio completamente livre pela esquerda. E o meia bateu de primeira, por baixo do goleiro Viera: 1 a 0.

Antes do intervalo Bacca ainda teve outra chance semelhante àquela impedida por Rodolfo. Novamente o centroavante colombiano driblou Victor, mas desta vez foi Bruno Collaço quem atirou-se para salvar.

Classificação
No segundo tempo o Junior Barranquilla apresentou pequenas mudanças táticas. O primeiro volante passou a ser Amaya, que substituiu ainda na etapa inicial o lesionado Macías. E Giovanni Hernández adiantou-se, ganhando maior liberdade para se movimentar de lado a outro, cada vez mais próximo de Bacca.

Com a vitória parcial, o Grêmio não acelerou seus movimentos. Valorizou a posse de bola. Paciente, mais uma vez, trocou passes tentando desorganizar o sistema defensivo colombiano. Sempre sob a regência de Douglas.

O ‘Maestro’ teve participação fundamental no segundo gol tricolor. Cobrou escanteio do lado direito, aos 15, e Borges com um leve toque na bola saiu para comemorar. Logo depois, o centroavante tricolor foi derrubado por Romero em contra-ataque rápido, e o lateral do Junior recebeu cartão vermelho.

Mais tranquilo, com a classificação praticamente assegurada, Renato Gaúcho recorreu ao banco de reservas. Fábio Rochemback, desgastado, deu lugar a Vinicius Pacheco. E Escudero deu lugar a Diego Clementino.

Porém, mesmo com um a menos, o Junior não se acovardou. Victor, goleiro de Seleção Brasileira, brilhou em defesas de chutes desferidos por Barahona e Giovanni Hernández – em belíssima conclusão de bicicleta – garantindo o 2 a 0. Até o árbitro Héctor Baldassi cumprimentou o camisa 1. Nas arquibancadas, só festa.

Próximos jogos
Na quinta-feira, dia 14 de abril, o Grêmio visita o Oriente Petrolero na Bolívia, fechando a fase de grupos da Libertadores. Antes, pelo Campeonato Gaúcho, os tricolores jogam fora de casa contra o Santa Cruz, às 16h de domingo, na última rodada da Taça Farroupilha.

GRÊMIO 2 X 0 JUNIOR BARRANQUILLA
Victor; Gabriel, Rafael Marques, Rodolfo e Bruno Collaço; Fábio Rochemback (Vinicius Pacheco), Adilson, Lúcio (Fernando) e Douglas; Escudero (Diego Clementino) e Borges. Viera; Romero, Macías (Amaya), De Almeida e Fawcett; Otálvaro, Garcia, Juan Valencia, Barahona e Giovanni Hernández (Victor Cortés); Carlos Bacca (Caneda).
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Héctor Quintabani.
Data: 07 de abril de 2011. Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre. Árbitro: Héctor Baldassi, auxiliado por Ricardo Casas e Diego Bonfa (trio argentino).
Gols: Lúcio (Grêmio), aos 33m do primeiro tempo. Borges (Grêmio), aos 15m do segundo tempo.
Cartões amarelos: Fábio Rochemback, Borges, Adilson e Rodolfo (Grêmio); Otálvaro, Romero, Macías e Barahonda (Junior Barranquilla). Cartão vermelho: Romero (Junior Barranquilla).
Público: 31.836 torcedores. Renda: R$ 705.906,50.