Estreia confirmada: Carlos Alberto joga pelo Grêmio no domingo

Jogador teve o nome publicado no BID da CBF nesta quinta-feira


Assim que Carlos Alberto foi apresentado pelo Grêmio como novo reforço, na última segunda-feira, Renato Gaúcho determinou: o ex-vascaíno estrearia no próximo domingo, dependendo apenas de sua regularização.

E nesta quinta-feira chegou a confirmação, com a publicação do nome de Carlos Alberto no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF.

Emprestado pelo Vasco ao Grêmio até 31 de dezembro deste ano, Carlos Alberto tem condições de jogo, e já pode estrear pelo Grêmio.

Sua partida inaugural pelo tricolor está marcada para as 17h de domingo, no Estádio do Vale, contra o Novo Hamburgo. O confronto fecha a fase classificatória da Taça Piratini – o primeiro turno do Campeonato Gaúcho.

Segundo Renato, Carlos Alberto deve jogar ao menos um tempo, colocando-se em condições de brigar pela titularidade também na Taça Libertadores – em 17 de fevereiro começa a disputa no Grupo 2, contra o Oriente Petrolero-BOL, no Estádio Olímpico.

Antes de confirmar-se a inscrição de Carlos Alberto, o jogador treinou normalmente durante a tarde desta quinta-feira. Ele foi utilizado no time titular, ao lado do argentino Escudero, que ainda não teve a documentação regularizada.

Grêmio vence fora e garante melhor campanha da primeira fase

Em Ijuí, time misto de Renato Gaúcho bateu o São Luiz por 1 a 0

Com um gol de Maylson, o Grêmio venceu o São Luiz por 1 a 0, nesta noite de quarta-feira, recuperando partida atrasada da sexta rodada da Taça Piratini – o primeiro turno do Campeonato Gaúcho. A disputa ocorreu no Estádio 19 de Outubro, em Ijuí, região Noroeste do Rio Grande do Sul.

O resultado confirma o Grêmio na primeira colocação do Grupo 2, a uma rodada do fim da fase classificatória. O Grêmio assegurou, ainda, a melhor campanha na soma geral das duas chaves. Isso garante aos tricolores a vantagem de jogar em casa nos confrontos eliminatórios da Taça Piratini. Em sete jogos, o Grêmio soma 17 pontos – é o único invicto entre os 16 integrantes da primeira divisão. O São Luiz segue na lanterna do Grupo 1, com 7 pontos.

Pouca emoção
No gramado irregular do 19 de Outubro, Grêmio e São Luiz não empolgaram no primeiro tempo os torcedores que ocuparam em bom número as arquibancadas – gremistas em maioria. Com apenas quatro titulares da escalação que iniciou a vitória sobre o Liverpool-URU pela pré-Libertadores na semana passada (Paulão, Rafael Marques, Adilson e Bruno Collaço), os visitantes mantiveram a posse de bola, sem criar muitas chances.

Na primeira que se ofereceu, entretanto, o Grêmio marcou. Maylson recebeu cruzamento de Mário Fernandes, aos 7, e cabeceou. Vanderlei defendeu, mas o próprio meio-campista tricolor apanhou o rebote e chutou enquanto o goleiro do São Luiz tentava se reerguer: 1 a 0.

Com jogadas pelos lados, o São Luiz tentou pressionar pelo empate, mas a zaga tricolor soube livrar-se do bombardeio aéreo sem abrir a guarda do goleiro Marcelo Grohe.

Repete-se a tranquilidade
Pouco mudou na segunda etapa. Com a vitória parcial conquistada no início da partida, o controle da partida seguiu nas mãos tricolores. Bem posicionado, o Grêmio evitou o desgaste trocando passes e arrefecendo a velocidade.

Ao São Luiz restou novamente apostar nos cruzamentos, sem sucesso. Nem Marcelo Grohe nem Vanderlei tiveram trabalho. Nos minutos finais, o zagueiro Bronzatti foi expulso por repetição de faltas – no total, o time da casa recebeu seis amarelos.

O marasmo foi quebrado nos acréscimos, quando Borges recebeu na área, girou, passou pelo goleiro, mas teve a conclusão interceptada pela defesa quase sobre a linha do gol.

Próximos jogos
Às 17h de domingo o Grêmio visita o Novo Hamburgo, no Estádio do Vale, pela última rodada da fase classificatória da Taça Piratini. No mesmo horário, o São Luiz recebe o Cruzeiro-Poa, em Ijuí.

Pela Libertadores, o Grêmio estreia no Grupo 2 recebendo o Oriente Petrolero-BOL, às 19h30m de quarta-feira – dia 17 de fevereiro – no Estádio Olímpico.

sÃO LUIZ 0 X 1 GRÊMIO
Vanderlei; Bronzatti, Faccin (William) e Glauber; Fernando (Anderson Oliveira), Daril, Baiano, Jean Paulo (André Luís) e Neguete; Alexandre e Sharlei. Marcelo Grohe; Mário Fernandes, Paulão, Rafael Marques e Bruno Collaço; Mateus Magro, Adilson, Maylson (Vinicius Pacheco) e Roberson (Mithyuê); Diego Clementino (Wesley) e Borges.
Técnico: Beto Campos. Técnico: Renato Gaúcho.
Data: 09 de fevereiro de 2011. Local: Estádio 19 de Outubro, em Ijuí (RS). Árbitro: Fabrício Neves Corrêa, auxiliado por Paulo Ricardo Conceição e Edemar Palmeira.
Gol: Maylson (Grêmio), aos 7m do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Neguete, Baiano, Bronzatti, Glauber, Faccin e Daril (São Luiz); Mateus Magro e Mário Fernandes (Grêmio). Cartão vermelho: Bronzatti (São Luiz).

Com os reforços, sistema tático do Grêmio pode sofrer variações

Renato Gaúcho cogita alternativas após as chegadas de Carlos Alberto e Escudero


Na contabilidade gremista, a janela de transferências custou a perda do atacante Jonas para o Valencia, mas rendeu contratações: chegaram o zagueiro Rodolfo e os meias Vinícius Pacheco, Carlos Alberto e Escudero. Principalmente após as contratações dos últimos dois reforços listados, Renato Gaúcho passou a cogitar alterações no sistema tático tricolor.

Desde 28 de outubro do ano passado o Grêmio está invicto. São 14 jogos, com dez vitórias e quatro empates, sempre utilizando-se do 4-4-2 com meio-campo em losango. Estrutura que pode mudar a partir do aproveitamento de Carlos Alberto e Escudero, meias ofensivos que também podem atuar no ataque, embora com características diferentes na comparação com Jonas.

– Nenhum deles sabe jogar de costas para o adversário. O Jonas sabe. São características diferentes. O Carlos Alberto e o Escudero fazem o segundo atacante, mas diferente, é vindo detrás. Não conseguem jogar de costas para o adversário. Fazem o segundo atacante, mas não fazem o pivô como o Borges e o André Lima, e como o Jonas fazia – explicou Renato, no final da manhã desta terça-feira.

Sem Jonas, e com os reforços, na Taça Libertadores o Grêmio deve mudar. Tudo depende, é claro, dos desempenhos de Carlos Alberto e Escudero no treino, justificando suas escalações. A partir desta premissa, ambos podem levar o Grêmio a um 4-4-2 com outro modelo no meio-campo, ou até a um 4-2-3-1. Outra circunstância levada em consideração é o local da partida.

– Veremos as possibilidades, podem jogar dois ali no meio, ou três ali no meio. Nós temos o nosso sistema, nossa maneira, mas mudar não terá problema algum. Mas os jogadores terão de me provar que é preciso mudar. Se eles provarem, não importa quem vai jogar no ataque ou no meio, e como será. Temos muitos jogadores de qualidade, infelizmente todo mundo não poderá jogar. Vai jogar quem estiver melhor. Quem vai me dar a resposta são eles, mostrando quem deve jogar, aproveitando as oportunidades – afirmou, para completar:

– Tudo é possível. Nos treinos eles precisam provar que podem jogar juntos. Vamos ver as condições físicas e técnicas deles, para saber quanto tempo eles poderão aguentar o jogo. Vamos ver a importância do jogo, contra quem, aonde, a necessidade. Essas coisas todas vamos pesar. De repente podemos ter um esquema dentro de casa, outra equipe fora de casa. Tudo pode acontecer. Mas quem vai me dar a resposta serão os jogadores.

Ofensivo em suas convicções táticas, Renato admite que essa variação tática – principalmente com o uso de três meias, deixando André Lima ou Borges no ataque – pode obedecer a uma cautela maior em jogos fora de casa pela Taça Libertadores.

– Você não pode se expor em uma Libertadores. Vocês sabem que eu gosto de jogar para frente. Mas tem horas e tem horas para isso. Isso não quer dizer que não vamos manter a forma de jogar que vínhamos utilizando. Temos muitos jogadores de qualidade e alguns ficarão de fora. Em primeiro lugar, para eu mexer no esquema de jogo, todos precisam estar bem – concluiu.

Carlos Alberto chega ao Grêmio contestando fama de ‘bad boy’

Jogador atende a imprensa gaúcha com muita personalidade


Cercado pelo treinador Renato Gaúcho, pelo vice de futebol Antônio Vicente Martins, e pelo jogador argentino Damián Escudero, o meia Carlos Alberto foi oficialmente apresentado pelo Grêmio no final da tarde desta segunda-feira.

Emprestado pelo Vasco durante uma temporada, o jogador chega ao Grêmio com a perspectiva de ser aproveitado na Taça Libertadores como um dos três reforços para a fase de grupos – o Grêmio estreia dia 17 de fevereiro, contra o Oriente Petrolero-BOL, no Estádio Olímpico.

Carlos Alberto foi mais de uma vez questionado pelos repórteres na sala de conferências do Estádio Olímpico sobre a fama de ‘bad boy’, em função do histórico de rompimentos conturbados em outras equipes – o mais recente no próprio Vasco, onde foi afastado pelo presidente Roberto Dinamite.

E não fugiu das perguntas, respondendo com olhar firme, sem alterar o tom de voz nem demonstrar qualquer insatisfação.

– Vocês vão me conhecendo no dia a dia. Dentro do campo eu luto e brigo, não vou mudar isso. Mas no futebol às vezes a gente é mal-interpretado por ter opinião. Sempre tive opinião, sempre tive personalidade, não tenho porquê mudar isso. Estou muito feliz de estar aqui. Tenho certeza que me enquadro no estilo gaúcho – esclareceu.

Segundo Carlos Alberto, embora conteste a fama, ele não se incomoda:

– Não incomoda porque sempre onde eu chego sou perguntado sobre isso. Só vão parar de perguntar quando eu parar de jogar.

Vitória, liderança e classificação: Grêmio faz 2 a 1 no Caxias

Com gols de Douglas e Vilson, Tricolor garante vaga nas quartas de final do primeiro turno do Campeonato Gaúcho

Teve vitória, liderança e vaga antecipada para os tricolores na tarde deste sábado, em um Olímpico que mais parecia um forno em formato de estádio, tamanho o calor em Porto Alegre. O Grêmio, com toda tranquilidade do mundo, bateu o Caxias por 2 a 1 e assumiu a ponta do Grupo 2 do Gauchão, com 14 pontos – dois à frente do Juventude, que pode retomar o primeiro lugar neste domingo, quando recebe o Novo Hamburgo.

Os gols marcados por Douglas e Vilson garantiram a classificação matemática do Grêmio para as quartas de final da Taça Piratini, o primeiro turno do Gauchão, mesmo com dois jogos a disputar. O Tricolor só teve sustos no final da partida e conseguiu conduzir a vitória com relativa tranquilidade. Teve, especialmente no primeiro tempo, ampla soberania sobre o Caxias, que pode perder a liderança do Grupo 1 do Estadual. Edson Rocha marcou para os grenás.

O Grêmio volta a campo na próxima quarta-feira, quando visita o São Luiz em Ijuí. O Caxias, no domingo, recebe o Porto Alegre.

Fácil, fácil: 2 a 0 no primeiro tempo

O sol parecia emanar seu calor de poucos metros acima do teto do Olímpico. Em tarde de calor quase desumano, seria natural esperar um Grêmio em marcha lenta, se poupando e, consequentemente, com dificuldades na partida. Mas não foi nada disso. Desde o início, o Tricolor mostrou que mandaria em campo.

O jogo teve um patrão claro. Na largada da partida, André Lima, de cabeça, já poderia ter colocado a equipe de Renato Gaúcho na frente. Não fez falta, porque Douglas, com seis minutos de partida, fez a torcida comemorar. André Lima acionou Willian Magrão dentro da área. O cruzamento encontrou o camisa 10 sozinho. Fazer o gol foi fácil, fácil.

E fácil, fácil foi seguir controlando a partida. Sem apuros, o Grêmio tocou bola até marcar o segundo gol. Fábio Rochemback mandou na área, o estreante Rodolfo desviou de cabeça e Vilson girou para a rede: 2 a 0.

Outros gols poderiam ter saído ainda nos 45 minutos iniciais. Júnior Viçosa foi antagônico no mesmo lance: participou de linda tabela com Mário Fernandes (que entrou no lugar de Gabriel, com dores na virilha) e protagonizou um chute tenebroso para a linha de fundo. André Lima, segundos antes de terminar o período, matou a bola no peito dentro da área e mandou o chute cruzado, mas o goleiro Matheus defendeu.

Caxias desconta

Bateu o cansaço nos jogadores no segundo tempo. A velocidade da partida caiu radicalmente, e a qualidade despencou no mesmo compasso. O Grêmio freou seu ritmo. Com isso, o Caxias conseguiu equilibrar um pouco, especialmente por causa da entrada de Pedro Henrique.

O jogador de 20 anos colocou correria para cima da zaga gremista. Não conseguiu criar nada decisivo, mas incomodou. O sonho de buscar o empate fez o técnico Lisca apostar em dois jogadores com passagem pela dupla Gre-Nal: o lateral-direito Patrício e o atacante Rodrigo Paulista.

Mesmo com passada bem mais lenta, o Grêmio teve chance de ampliar o placar. Júnior Viçosa, com 30 minutos, recebeu cruzamento de Vinícius Pacheco e mandou o cabeceio. Matheus defendeu. Em seguida, Renato Gaúcho chamou Borges, recuperado de lesão, de volta ao time após quatro meses de inatividade.

O Caxias, enquanto nuvens pesadas se aproximavam do Olímpico, conseguiu reagir. Houve duas ameaças antes do gol. Primeiro, Balthazar mandou chute cruzado, para fora. Depois, Pedro Henrique entrou voando na área e tentou a conclusão, mas Victor defendeu com o pé. Aos 39 minutos, saiu o gol grená. Edson Rocha subiu muito alto dentro da área tricolor e mandou o cabeceio. O goleiro gremista não teve o que fazer.

Inter de Santa Maria derrota o Ypiranga

No outro jogo deste sábado, o Inter de Santa Maria venceu o Ypiranga por 3 a 2 na Baixada Melancólica e chegou à quinta posição do Grupo 2 do Gauchão com cinco pontos somados. O clube da cidade de Erechim é o quarto colocado do Grupo 1 com 11 pontos ganhos.

grêmio 2 x 1 caxias
Victor, Gabriel (Mário Fernandes), Vilson, Rodolfo e Gilson; Fábio Rochemback (Vinícius Pacheco), Willian Magrão, Lúcio e Douglas; Júnior Viçosa (Borges) e André Lima. Matheus, Alisson (Patrício), Edson Rocha, Neto e Gerley; Marcos Rogério, Felipe (Pedro Henrique), Itaqui (Rodrigo Paulista) e Edenílson; Balthazar e Lima.
T: Renato Gaúcho T: Lisca
Local: Olímpico, em Porto Alegre (RS). Data: 05/02/2011. Árbitro: Ronaldo Santos da Silva. Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison e Júlio Cesar Espinoza de Freitas.
Gols: Douglas, aos seis, e Vilson, aos 24 minutos do primeiro tempo; Edson Rocha, aos 39 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Alisson, Pedro Henrique, Itaqui (Caxias); Lúcio (Grêmio).
Público: 9.094. Renda: R$ 123.775,50.

Vinícius Pacheco dedicou primeiro gol pelo Grêmio ao filho esperado

Esposa do meia tricolor está grávida de Benjamin, que nascerá em junho

Aos 12 do segundo tempo o capitão Fábio Rochemback recuperou a posse de bola e disparou na direção da área uruguaia. O Grêmio empatava com o Liverpool-URU em casa, na noite de quarta-feira, e mesmo com o resultado suficiente para chegar à Libertadores, buscava tranquilizar-se em partida até então arriscada.

Com força, Rochemback venceu zagueiros e deixou Vinicius Pacheco livre. Ele teve calma para dominar, escolher o canto, e marcar o gol da virada. Na comemoração, Pacheco saltou, socou o ar, e na aterrisagem improvisou o embalo do neném inaugurado por Bebeto na Copa de 1994.

Em entrevista exclusiva ao GLOBOESPORTE.COM, na tarde desta quinta-feira, Pacheco explicou o gesto. Foi uma homenagem ao primeiro filho, esperado para junho. A esposa, Joyce Pacheco, está grávida há quatro meses, de Benjamin.

Segundo Pacheco, nada foi planejado. A comemoração saiu na hora do gol, de improviso.

Aconteceu naturalmente, foi totalmente involuntário. Tanto que de início eu dei o soco no ar, e só depois saiu o embalo”
Vinicius Pacheco, meia do Grêmio

– Eu já tinha pensado em dedicar um gol para eles, para minha esposa e para meu filho. Mas não sabia quando aconteceria. Aconteceu naturalmente, foi totalmente involuntário. Tanto que de início eu dei o soco no ar, e só depois saiu o embalo. Legal que o Gabriel e o André Lima vieram participar, e a gente não tinha combinado nada antes – afirmou.

Em Porto Alegre há duas semanas, Pacheco recém escolheu apartamento para morar. Ele deixa o hotel ainda nesta quinta-feira para se instalar na nova residência.

Do Rio de Janeiro, aguarda Joyce e Benjamin chegarem, mas a permanência da esposa na capital gaúcha tem prazo determinado:

– Ela ficará aqui comigo só até completar sete meses, que é o tempo máximo para poder viajar. Depois volta ao Rio de Janeiro, vai ter o filho por lá, com a família.

Pacheco celebra um momento de realizações na vida – novo clube, nova cidade, filho a caminho…- Estou muito feliz, estávamos planejando esse primeiro filho. No exame de sangue descobrimos que será menino, e já batizei de Benjamin. Mas o time é ele quem vai escolher para torcer, eu não vou influenciar – brincou.

Aproximando-se aos poucos dos companheiros, Pacheco já se mostra mais à vontade com André Lima, Rafael Marques, Lins, Diego Clementino e Rodolfo. Ele garante que foi bem acolhido pelo grupo, esperando aproveitar este período de um ano emprestado pelo Flamengo ao Grêmio para conquistar também a torcida tricolor durante a Taça Libertadores.

– Fui muito bem recebido pela comissão técnica, pelo Renato que me indicou, pelos companheiros todos. Isso facilita para se adaptar. E em todos os treinos temos torcedores nos apoiando. É uma torcida de massa, que comparece sempre. A maior demonstração foi quando sofremos o gol do Liverpool-URU, a torcida começou a cantar e nos incentivou para a virada. Continuaram apoiando.

Renato Gaúcho orienta jogadores com demonstrações nos treinos

Treinador cobra jogadores e entra em campo para mostrar como fazer


Em treino tático realizado na tarde de terça-feira, Renato Gaúcho definiu a equipe do Grêmio que enfrenta o Liverpool-URU às 22h desta quarta, no Estádio Olímpico, pela pré-Libertadores. Participativo, entrou em campo e por diversas vezes orientou os jogadores não apenas com palavras.

Minuciosamente, Renato demonstrou aos atletas como se posicionar, como observar a linha defensiva para não entrar em impedimento, e como se desvencilhar da marcação. Com a experiência de quem atuou como atacante por quase duas décadas.

– A minha parte eu faço, mostro como eu quero que eles se comportem em campo. Já joguei ali por 20 anos, sei como tem que ser feito, e peço para o bem deles que façam isso. A defesa deles (Liverpool-URU) joga em linha, aí você tem que jogar com inteligência. Se você quiser correr mais que a bola, alguma coisa está errada. Hoje (terça) orientei na prática para que eles não entrem em impedimento – explicou.

Renato lembrou ainda que não cobrou dos jogadores erros técnicos, de passes, chutes ou domínios, no empate em 2 a 2 com os uruguaios. Isso porque o gramado do Estádio Centenário, em Montevidéu, apresenta falhas e desníveis. Mas no Olímpico ele vai exigir precisão:

– Lá eu ainda aliviei algumas jogadas que desperdiçamos porque o gramado nos fazia perder tempo para o domínio. Mas aqui não, se a bola bater na canela não pode jogar no Grêmio. O Olímpico tem o melhor gramado do Brasil. É um tapete.

Júnior Viçosa receberá contra o Liverpool-URU a derradeira chance de mostrar que pode substituir Jonas, negociado com o Valencia. Se repetir a atuação da partida da última quarta-feira, pode perder lugar no time. Borges, centroavante de característica diferente da exercida por Jonas e Viçosa, ainda recupera-se de lesão e por enquanto não tem condições de concorrer pela posição.

– Quem se escala é o jogador. Tem que mostrar que está bem, que está fazendo gols. Daqui a pouco estará todo mundo inteiro, vai jogar quem estiver melhor. O Borges vai fazer um coletivo amanhã (quarta) pela manhã, vamos ver como ele vai reagir. Se passar em todos os testes, na quinta eu converso com ele para utilizá-lo pelo menos um tempo no sábado contra o Caxias – disse, em entrevista concedida após o treino da última terça.