Avaí x Grêmio: ingressos nesta segunda

Torcedores do Leão podem adquirir suas entradas a partir de 14h


A venda de ingressos para a partida entre Avaí e Grêmio, nesta quarta-feira, na Ressacada, às 19h30m, começa nesta segunda-feira. A partir de 14h, os torcedores poderão adquirir seus bilhetes para o jogão. O Leão vem de duas vitórias seguidas fora de casa, contra Goiás e Sport.

Quanto é?

Cadeira R$ 100,00
Arquibancada descoberta* R$ 50,00
Menor arquibancada descoberta R$ 5,00
Menor cadeira R$ 10,00

* Estudantes que apresentarem carteirinha têm direito a meia-entrada.

Onde comprar?

Leão Sport Shop
Futebol Mania
Planeta Sport
Avaí Store
Floripa Esportes
Pela internet, no site FUTEBOLCARD

Souza cumpre promessa e cobra aposta de amigo. Mas sem exageros

Com direito a pedir o que quiser em um café, meia consome somente um pão de batata e um café expresso com leite, que, somados, valem R$ 8,80


Um pão de batata com cheddar e um café latte (expresso com leite) que, somados, valem R$ 8,80. Este foi o “prejuízo” que Souza deu para Rafael Prante, 31 anos, proprietário de café em um shopping da zona sul da capital.

Após a vitória por 2 a 1 no Gre-Nal, o meia do Grêmio revelou a aposta realizada no meio da semana passada. Na realidade, uma tradição da dupla. Desde a primeira vez em que Souza frequentou o local, ainda em 2008, Prante, um gremista fanático, criou laços de amizade com o ídolo. Mostrou fotos, contou histórias do clube e passou a oferecer o salgado preferido de Souza (o pão de batata com queijo) a cada gol marcado. Tentou também com o Chocolatta puro, pedido frequente do mais ilustre cliente. Mas o jogador nunca aceitou nenhum, sempre pagou as dívidas. Prante, insistente, fazia uma ressalva.

– Se ele marcasse gol em Gre-Nal, poderia vir aqui no dia seguinte e quebrar tudo – contou.

Souza chegou ao shopping às 18h10m para cobrar a dívida. Vestia moletom branco, jeans e tênis verde. Antes, parou em uma loja de instrumentos musicais e comprou cordas novas para o violão. Está aprendendo a tocar. Entrou na loja onde o café fica localizado e logo ouviu agradecimentos de um funcionário pelo gol no clássico. Sentou sozinho em uma mesa para esperar Prante e garantiu:

– O pessoal está chegando. Não vou dar prejuízo sozinho. A família vem aí.

Por volta das 19h, os filhos Kevin e Julia, a mulher e um cunhado do jogador se juntaram a ele. Mas ninguém comeu com Souza. As mulheres foram passear. O sempre agitado Kevin estava abatido pela gripe e nem tocou na torrada. O cunhado apenas acompanhava, enquanto Souza chamava atenção dos clientes.

Quando Prante chegou, sorriu e cumpriu a promessa com gosto. Para se ter ideia do fanatismo: o dono do café foi a todos os jogos do Grêmio na Libertadores, inclusive no exterior. Está sempre no Olímpico. Imagine a felicidade por voltar a vencer Gre-Nais após sete clássicos. Reforçou que Souza podia “quebrar tudo” e dar o maior prejuízo ao caixa.

Para cumprir a rígida dieta de atleta, Souza recusou a variedade de bolos, cheesecakes, empadas e salgados. Pediu o café latte e o seu tão querido pão de batata com queijo. Barato pela importância do gol.

– Esse é o famoso pão de batata. Tem dado sorte. Vou comer e ver se sigo marcando – disse Souza antes de dar a primeira mordida.

Herrera elogia trabalho de Autuori e diz que é a hora de vencer fora de casa

Dupla de argentinos no ataque vem fazendo sucesso no Estádio Olímpico

Herrera acha que o time está mais equilibrado

O começo do trabalho de Paulo Autuori no Estádio Olímpico foi repleto de dificuldades. Depois de uma longa espera, o treinador conseguiu se desvincular do clube que trabalhava no Catar e assumiu o Grêmio ainda na Libertadores, mas que mostrava um futebol pobre, que não entusiasmava os torcedores. Menos de dois meses depois, o trabalho do comandante começa a aparecer.

Para o argentino Herrera, a forma como Paulo Autuori se dirige aos jogadores é fundamental para o bom entendimento entre atletas e comandante.

– A gente compreende o que ele pede. Não temos muito tempo para trabalhar, porque tem muitos jogos, mas aos poucos vamos pegando o que ele quer. A principal qualidade é a forma como se dirige ao grupo, é uma forma diferente, de falar as coisas de frente e como são. Para nós é muito bom. O professor pede para a gente jogar próximo, jogar curto, aos poucos vamos aprendendo – disse Herrera.

Agora, o clube gaúcho enfrenta o Avaí, em Florianópolis, na quarta-feira. O Grêmio já teve quatro partidas longe do Estádio Olímpico, e o retrospecto é preocupante: três derrotas e um empate.

– Para brigar por campeonatos, temos que vencer fora de casa. Acho que o time está bem para começar a vencer fora de Porto Alegre – opina Herrera.

Uma das armas do tricolor é o entrosamento dos dois argentinos no ataque. Herrera e Maxi López foram companheiros na seleção sub-20 da Argentina, em 2001, e sabem da importância de exercer uma forte marcação já na saída de bola do adversário:

– A gente sempre tenta ajudar na marcação, sempre pensa no grupo e não no individual, isso é importante – encerrou Herrera.