Mário Fernandes diz que prefere atuar como zagueiro

Destaque no Gre-Nal, jovem também não descarta seguir na lateral-direita


Uma das grandes surpresas do Gre-Nal deste domingo, o zagueiro Mário Fernandes, de 18 anos, recebeu na sexta-feira a confirmação de que seria o titular na lateral-direita do Grêmio no clássico que marcava os 100 anos da maior rivalidade do futebol gaúcho. Apesar da grande atuação, o jogador disse que sente melhor na defesa:

– Quando o Paulo Autuori conversou comigo na sexta-feira, fiquei feliz. Disse que poderia confiar em mim. Se aparecer a oportunidade de seguir na lateral, vou tentar aproveitar. Mas se tiver que escolher, prefiro atuar como zagueiro – disse Mário.

Muitos no Estádio Olímpico comparam o estilo de Mário ao do zagueiro Lúcio, pelas arrancadas que dá do campo defensivo. O jogador, que começou a carreira nas categorias de base do São Caetano como centroavante, admitiu que estava nervoso no primeiro tempo:

– Conversaram comigo no intervalo e tudo se acertou – revelou o jogador.

Famoso por ter abandonado Porto Alegre poucos dias depois de ter desembarcado para atuar com a camisa do Grêmio, Mário Fernandes garante que já está adaptado à cidade:

– Minha mãe estava aqui comigo, mas já foi para São Paulo. Já tenho uma namorada em Porto Alegre e estou completamente adaptado. Minha família foi fundamental para que eu desistisse de abandonar a carreira. Sempre me deram apoio.

Elenco vê o Grêmio em evolução após chegada de Paulo Autuori

Souza diz que equipe está mais compacta e comemora esquema 4-4-2. ‘Hoje, Grêmio é uma equipe equilibrada’, diz treinador


Conseguir vencer um Gre-Nal não é a única mudança no Grêmio desde a saída de Celso Roth e a chegada de Paulo Autuori. Os jogadores parecem mais confortáveis com o esquema 4-4-2, implantado pelo atual treinador, que abomina o sistema de jogo utilizado por seu antecessor. Os atletas afirmam que a equipe está mais equilibrada agora.

– A equipe está mais compacta. Temos o Túlio jogando muito bem, o Adilson, esses dois argentinos loucos (Herrera e Maxi López), que chegam a dar vontade em quem está lá atrás. Tenho um cara do lado agora (Tcheco), mais tabelamento. Temos dois meias que dividem responsabilidade – comentou Souza.

Com o 3-5-2, o Grêmio de Roth tinha dois volantes que saíam para o jogo, mas apenas um articulador. Agora, são dois jogadores com capacidade de criação.

– O que cresceu foi a conscientização tática da equipe – resumiu Tcheco.

O próprio Autuori está satisfeito com o time e vê evolução nele. Mas pede mais.

– Nenhum técnico pode ter a presunção de achar que está tudo bem. Hoje, o Grêmio é uma equipe mais equilibrada, que não faz faltas sem necessidade. Tenho que parabenizar os jogadores pelo compromisso que têm quando a equipe perde a bola. Marcação, para mim, é uma equipe bem posicionada em campo – comentou o treinador.