Melhor Grêmio do ano detona o Corinthians no Olímpico

Tricolor joga muito e anula o campeão da Copa do Brasil, que volta a sofrer no estádio onde foi rebaixado


Rafael Marques comemora o terceiro gol do Grêmio

O Corinthians viveu o maior pesadelo de sua história quase centenária no Olímpico, onde foi rebaixado para a Segundona em dezembro de 2007. E agora viu o mesmo estádio ser o ponto final em um mundo de sonhos pós-título da Copa do Brasil. O Grêmio jogou muito, mais do que jamais jogou em 2009, e atropelou Ronaldo, Mano Menezes e quem mais tivesse o escudo corintiano na camisa, na tarde deste domingo. A vitória por 3 a 0, incontestável, foi a prova definitiva de que a queda nas semifinais da Libertadores não causou qualquer tipo de trauma no clube gaúcho.

Em ascensão, o Grêmio entrou de vez no Campeonato Brasileiro. E o Corinthians voltou à realidade de uma competição que exige competitividade máxima em cada segundo. Com a vitória na 10ª rodada, o Tricolor subiu momentaneamente para a sétima colocação, com 15 pontos, acima do próprio Timão, o oitavo, com 14.

Assista os Golls da Partida:

Os gaúchos voltam a campo na quarta-feira, fora de casa, contra o Coritiba. No domingo, tem Gre-Nal no Olímpico. Os paulistas recebem o Sport na quinta.

Um substituto incomoda muita gente. Três incomodam muito mais…

O Grêmio foi a campo sem três titulares: Réver, lesionado, Herrera, suspenso, e Maxi López, gripado. Por uma dessas maluquices do futebol, cada um dos substitutos fez um gol no primeiro tempo. Começou com Alex Mineiro, passou por Jonas e terminou em Rafael Marques. Mas eles não foram necessariamente os destaques do jogo.

É que Tcheco jogou demais. Foi o destaque que sua camisa 10 exige. O meia teve papel fundamental em um dos principais méritos do time gremista na etapa inicial, a capacidade de incomodar a saída dos qualificados volantes do Corinthians. Cristian e Elias, acossados também por Jonas e Souza, não conseguiram levar o time de Mano Menezes ao ataque. E Tcheco ainda criou. Criou muito.

Criou o primeiro gol, por exemplo. Pela esquerda, o capitão tricolor acionou Fábio Santos na esquerda. O cruzamento foi no pé de Alex Mineiro. No momento em que o atacante encostou na bola, ele sabia que era obrigado a fazer o gol. O jejum era longo, desde 1º de março. Mas acabou naquele momento. Felipe nada pôde fazer. O Grêmio estava na frente.

Tcheco também criou o segundo gol: de novo pela esquerda, de novo em jogada direcionada à ponta, mas desta vez para Adílson. O cruzamento do volante resultou em cabeceio certeiro, forte, preciso de Jonas (que também teve atuação fora do comum). Estava encaminhada, com um belo gol, a vitória azul.

O Corinthians, enquanto sofria atrás, pouco criava na frente. Douglas esteve sumido, prejudicado pela prisão dos volantes na marcação gaúcha. Como consequência, Ronaldo foi pouco acionado. Quando tocou na bola, o Fenômeno esteve perto de fazer estragos. Ele dominou uma bola pela direita, na entrada da área, e engatilhou um chute que provavelmente entraria. Mas o Grêmio contou com um anjo da guarda que apareceu para fazer a falta na hora certa. Era Tcheco, que levou um cartão amarelo a ser comemorado como se fosse gol.

A tentativa de reação dos alvinegros foi prejudicada pela expulsão de Jean. O jogador fez falta, reclamou com o árbitro e foi para a rua. Eram 29 minutos do primeiro tempo. Aos 37, o Grêmio ampliou. Souza, pela direita, mandou na área para Rafael Marques, que só teve o trabalho de encerrar a jogada: 3 a 0, banho de bola gremista e festa no Olímpico. A torcida até começou a gritar “olé”.

Controlado, Corinthians não reage

O Corinthians não teve muito a fazer no segundo tempo. Mano Menezes se viu obrigado a colocar Renato no lugar de Jorge Henrique para reorganizar a defesa. O ataque, com menos gente, continuou frágil. Ronaldo e Dentinho não conseguiram superar a marcação.

O Grêmio esteve mais perto de fazer o quarto gol do que de levar o primeiro. Jonas, aos oito, cabeceou com perigo. Perea, aos 29, recebeu livre na direita, mas foi abafado pelo goleiro Felipe. Tcheco seguiu mandando na zona de articulação. Faltou o melhor encaixe no último passe para o placar ficar mais elástico.

Com o jogo morno, o time gaúcho controlou o adversário e os ponteiros do relógio. Assim, sem dificuldades, o melhor Grêmio do ano consolidou uma vitória que já era quase certa desde o primeiro tempo e deixou para o Corinthians o aviso de que a Tríplice Coroa só será possível com muito futebol.