Maxi López salva atuação ruim do Grêmio contra o Goiás: 2 a 2

Argentino, de cabeça, faz gol da igualdade aos 47 minutos do segundo tempo. Tricolor liga alerta com nova atuação fraca


Ramalho, do Goiás, e Herrera, do Grêmio, disputam jogada no Olímpico

Para o Goiás, é um sinal de que o futuro no Brasileirão pode ser interessante. Para o Grêmio, é o aviso definitivo de que o time precisa melhorar, e muito, se quiser avançar na Libertadores. O time esmeraldino controlou os gaúchos no primeiro tempo neste sábado, no Olímpico, e aproveitou bobeadas da zaga adversária na etapa final para abrir 2 a 1 e quase vencer o jogo. Maxi López, de cabeça, deu o empate aos gaúchos no último minuto. Os gols dos visitantes foram marcados por Felipe e Felipe Menezes. Tcheco, de pênalti, marcou o outro do Grêmio.

Com o empate, o Goiás pulou para oito pontos, longe do G-4, em 11º. O Tricolor, agora com nove, também começa a se distanciar dos líderes – é o oitavo. As duas equipes podem perder posições neste domingo, com o complemento da rodada.


Passado o jogo, é tudo Libertadores da América para o Grêmio. Na próxima quarta-feira, no Mineirão, o time de Paulo Autuori faz o primeiro jogo das semifinais contra o Cruzeiro. O próximo compromisso pelo Brasileirão é no domingo, diante do Sport, no Recife. O Goiás visita o Botafogo no sábado.

Goiás controla, Grêmio ameaça

O Goiás controlou o Grêmio no primeiro tempo. Se fosse mais eficiente no setor ofensivo, teria largado na frente no placar. A boa presença de Ramalho, a qualidade de Felipe Menezes e a velocidade de Iarley formaram a superioridade esmeraldina na etapa inicial. Os visitantes tiveram o controle da bola, triangularam, envolveram o sistema defensivo gremista com dribles e passearam ao redor da área gaúcha. E só. Nada de chutar a gol, que é aquilo que realmente vale.

Claro, a zaga gremista contribuiu para manter os goianos longe de Marcelo Grohe. Réver, nenhuma novidade, cortou todas. O problema para o Grêmio na etapa inicial não esteve na defesa. Foi mais na frente. O ataque, desta vez com Jonas e Herrera, voltou a ser improdutivo.

O Grêmio insiste em uma estratégia claramente equivocada. Na dúvida, manda balão para o ataque. É uma tática frágil mesmo quando Maxi López está em campo. Sem ele, pior ainda. É quase desnecessário dizer que Jonas e Herrera, coitados, sofreram nas mãos da zagueirada goiana, muito mais apta a vencer as jogadas aéreas.

Sem criatividade e perdendo por cima, restou ao Grêmio arriscar de longe. Tcheco quase marcou duas vezes, em pancadas de fora da área. Harlei defendeu uma delas. Jonas também arriscou, sem sucesso.

O Goiás, com muita costura e pouca finalização, ameaçou com mais força aos 41 minutos. O Grêmio errou na saída de bola para o ataque. Iarley, pela direita, mandou rasteiro na área, mas ninguém alcançou. Do outro lado, a bola sobrou para Felipe Menezes, que bateu cruzado, mas teve a tentativa muito bem interrompida pelo goleiro Marcelo Grohe.

Dois gols para cada lado

O Grêmio mudou no intervalo. Autuori trocou Fábio Santos por Jadilson na lateral esquerda e colocou Rafael Marques no lugar de Adílson. Réver virou volante. O objetivo era melhorar a saída para o ataque e, consequentemente, ficar mais perto do gol. Mas quem chegou lá primeiro foi o Goiás.

Eram sete minutos do segundo tempo. Iarley sofreu falta na ponta esquerda e cobrou com rapidez. A zaga comeu mosca. Júlio César, na ponta, acionou Felipe, que desviou para o fundo do gol: 1 a 0.

O Grêmio, em desvantagem, foi para o ataque. Réver perdeu gol incrível, quase em cima da linha, após cobrança de falta de Tcheco. Aos poucos, o time gremista se aproximou da área rival. E conseguiu o gol graças à insistência de Herrera.

O argentino, aos trancos e barrancos, superou a zaga goiana pelo lado direito de ataque. Ao entrar na área, se enrolou com Leandro Euzébio e foi ao chão. O árbitro não teve dúvidas e marcou pênalti. Tcheco bateu com qualidade: 1 a 1.

O gol empolgou o Grêmio. E adormeceu Réver. Quando o time tricolor crescia em campo para virar o jogo, o zagueiro, avançado como volante, errou feio, comprometendo a boa atuação do primeiro tempo. Ele perdeu a bola para Felipe, que logo acionou Felipe Menezes na área. O chute cruzado não deu chances para Marcelo Grohe. O Goiás estava novamente na frente.

O Grêmio tentou reagir mais na força do que na organização. A entrada de Maxi López deu esperanças à torcida. E a esperança virou realidade no último minuto. De cabeça, no sufoco, o argentino garantiu o empate – numa bola erguida quase do meio-campo por Joilson.