Grêmio muda de espírito ao trocar ‘guerra’ da Libertadores pelo Brasileirão

Ruy diz que competições são completamente diferentes. No domingo, Tricolor encara o Vitória no Barradão

Ruy na ‘guerra’ da Libertadores: no Campeonato Brasileiro o clima é mais ameno

Na quarta-feira passada, uma batalha no empate por 1 a 1 com o Caracas. No próximo domingo, o retorno à realidade do futebol brasileiro na partida contra o Vitória. Para o ala Ruy, o Grêmio muda radicalmente de espírito entre o jogo da Libertadores e o do Brasileirão. Depois do clima de guerra na Venezuela, e um jogo de espírito mais ameno na Bahia.

– O grupo é bastante experiente e sabe dividir as duas situações. Muda a forma de jogar. O espírito do Brasileiro é um. Na Libertadores, é mais elevado, os jogos viram guerras, como aconteceu na Venezuela. No Brasileiro é totalmente diferente. O Paulo (Autuori) nos passou que temos que desligar a chavezinha da Libertadores e ligar a do Brasileiro – comentou o jogador, em entrevista à Rádio Gaúcha.

A mudança de espírito, porém, não pode causar desatenção na Bahia. O jogador lembra que largar bem no Nacional é determinante para uma boa campanha.

– O começo é o mais importante. Lá no fim do ano, algumas equipes sentirão o desgaste e perderão pontos. Acumular a gordurinha agora ajuda para depois, se acontecer de em algum momento o time sair dos trilhos.

O Grêmio deve ter força máxima contra o Vitória, com Victor, Léo, Rafael Marques e Réver; Ruy, Adílson, Tcheco, Souza e Fábio Santos; Jonas e Maxi López.

Autuori começa a construir o 4-4-2 do Grêmio

Técnico tem dúvidas para mudar o esquema tricolor aos poucos


Paulo Autuori é um técnico adepto ao 4-4-2. Como usá-lo no Grêmio?

Paulo Autuori é um técnico adepto ao 4-4-2. Como usá-lo no Grêmio?


Preocupado com alguns problemas do Grêmio, o técnico Paulo Autuori já começa a mudar a maneira de jogar da equipe. Adepto do 4-4-2, Autuori começa a substituir o 3-5-2 criado por Celso Roth na temporada passada.

E o primeiro indício do novo esquema pôde ser visto no jogo contra o Caracas (VEN), quarta-feira, pelo jogo de ida das quartas-de-final da Copa Libertadores.

– Estamos fazendo um 4-4-2 disfarçado – disse ao jornal “Zero Hora”.

Nessa partida, Autuori colocou o lateral-direito Ruy, que tem características mais de ala, já que apóia mais e fica devendo na marcação, para atuar no meio-de-campo. A grande dúvida do treinador é como desmontar uma equipe, que segue bem na Copa Libertadores com uma maneira de atuar já consolidada.