Gremio esta fora das semifinais

Colorado vira o jogo e garante vaga nas semifinais do Gauchão

LANCEPRESS!

O Internacional realizou na tarde deste domingo, no Beira-Rio, o evento mais importante de todos que produziu desde sexta-feira, para celebrar o Centenário: ganhou do Grêmio. Por 2 a 1, e de virada. Foi a terceira no Gauchão sobre o rival – e a mais importante do ano, como salientou D’Alessandro, que entrou faltando 26 minutos e foi decisivo.

Confira a opinião de Benja sobre o Gre-Nal

Com o triunfo, o Colorado enfrentará no próximo domingo, pela semifinal, o vencedor de Ulbra x Inter-SM, jogo desta segunda-feira em Canoas. Mais de 40 mil colorados cantaram o “Parabéns a Você” e gritaram “é campeão, é campeão”.

Foi justo. O Grêmio entrou muito bem armado, marcou muito forte e acertou duas bolas na trave. Mas foi o Inter que sempre tentou botar a bola no chão e construiu sua vitória na base do talento.

Celso Roth surpreendeu com uma mexida geral no sistema defensivo do Grêmio: o zagueiro Réver cedeu o lugar a Thiego e foi atuar de volante, ao lado de Adilson; Souza saiu do meio-campo e foi ser ala-direita, quando todos esperavam Makelelê pelo lado do campo.

Com isso, o Tricolor povoou sua intermediária e impediu que o Inter pusesse em prática o que tem de melhor – o toque de bola envolvente pelo meio, pelo menos no primeiro tempo. E Souza, pelo lado, impediu os avanços de Kleber. Roth deixou espaço para Bolívar, cujo forte não é o apoio.

Em termos ofensivos, Roth, como sempre, concebeu o trivial: bola alta para a área adversária. Em dois momentos, conseguiu criar perigo. Aos 10, num entrevero que se seguiu a um escanteio, Leo foi derrubado por Sandro. Gaciba não marcou o pênalti, preferindo compensar num lance discutível, aos 19: Fábio Santos cruzou da esquerda e, Tcheco, ao disputar com Kleber, caiu na área. O próprio Tcheco bateu, no canto direito, deslocando Lauro.

Depois disso, o Inter pressionou mais forte. Aos 26, Guiñazú arriscou de fora da área e a bola raspou o poste direito. Aos 31, pressionado na defesa, Indio chutou para a frente. Havia espaço para a corrida de Nilmar. Thiego se precipitou e, no carrinho, derrubou o atacante. Andrezinho bateu mal, no canto direito. Victor tocou na bola. Mas ela passou por baixo de seu corpo.

Um duelo interessante envolveu Magrão e Tcheco. Aos 3, o colorado levou vantagem, entrou livre pela esquerda e, em vez de bater rasteiro para Nilmar, cruzou alto. Mas, no geral, no primeiro tempo o gremista levou vantagem: marcou bem e conseguiu espaço para armar.

Mas no segundo tempo o panorama mudou. O Inter colocou os nervos no lugar e tratou de valorizar a posse de bola. Na base do toque, manteve-se quase sempre no ataque, até conseguir o seu gol, aos 32.

O Grêmio nunca se entregou. Mas criou suas chances apostando na cavação de faltas e em bolas alçadas.

Aos 8, quando só o Colorado jogava, Nilmar ganhou de Thiego na corrida e perdeu gol feito: precipitou-se e chutou fraco, para defesa de Victor. O Grêmio reagiu com cobrança de falta de Souza no travessão, aos 12. Este, já atuando pelo meio, enquanto Adilson ia para a ala, até que tentava tabelas com Tcheco. Mas o meio-campo colorado, com Sandro e Guiñazú em alto nível, bloqueava e saía armando.

Aos 17, Victor saiu mal e Magrão quase desempatou. O Grêmio criou duas chances magníficas em seqüência, aos 23 e aos 24, e aparando de cabeça duas cobranças de falta por Tcheco. Na primeira, Jonas cabeceou no poste esquerdo; na segunda, Réver cabeceou e Guiñazú tirou em cima da linha.

D’Alessandro, que substituíra Andrezinho aos 19, foi centro de um rolo aos 27. Caiu, foi agredido por Rafael Marques, e Taison reagiu por ele. O zagueiro e o atacante foram expulsos, mas D’Alessandro continuou em campo para, junto com Indio, decidir o clássico. Aos 32, o argentino fez uma cavadinha brilhante por cima do paredão de zagueiros: Indio partiu de trás. Victor saiu do gol esperando ser encoberto e saltando na frente do colorado; mas Indio bateu pelo lado.

O zagueiro mostrou categoria de atacante. E não por acaso. Foi seu quinto gol nos últimos sete clássicos, de um ano para cá.

Depois, foi defender o resultado – bloqueando na entrada da área e saindo em toques.

O Grêmio ainda criaria a chance que, se convertida, levaria a decisão para os pênaltis. Tcheco cobrou nova falta, da direita. Lauro saiu mal. O ala Fábio Santos, livre, mas sem a categoria de Indio, chutou para fora.

FICHA TÉCNICA

INTERNACIONAL 2 X 1 GRÊMIO

Estádio: Beira-Rio (Porto Alegre, RS)
Data-hora: 05/04/2009 – 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba
Auxiliares: Altemir Hausmann e Júlio César dos Santos
Renda e público: R$ 535.444,00 e 44.590 (público total)
Cartão amarelo: Álvaro, Kleber (I), Thiego (G)
Cartão vermelho: Taison (I) e Rafael Marques (G) 27 do segundo tempo
Gols: Tcheco (G) 19, Andrezinho (I) 33 do primeiro tempo; Indio 32 do segundo.

INTERNACIONAL: Lauro; Bolívar, Indio, Álvaro e Kleber; Sandro, Magrão (Marcelo Cordeiro 46/2T), Guiñazú e Andrezinho (D’Alessandro 19/2T); Taison e Nilmar (Alecsandro 41/2T). Técnico: Tite

GRÊMIO: Victor; Leo, Rafael Marques e Thiego; Souza, Réver, Adilson (Makelelê 22/2T), Tcheco e Fábio Santos; Herrera (Reinaldo 22/2T) e Jonas (Maxi López 37/2T). Técnico: Celso Roth.